Trabalho e família de trabalhadoras domésticas em tempos de pandemia

Uma análise interseccional

Palavras-chave: Trabalho doméstico, Interseccionalidade, Família, Pandemia

Resumo

Este artigo discute a intersecção de raça, gênero e classe na produção das desigualdades vividas por trabalhadoras domésticas no Brasil e como essas desigualdades se acirram em contexto de crise pandêmica. Com base em uma análise de microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua) e de entrevistas com trabalhadoras domésticas na região metropolitana de Goiânia, examinamos as desigualdades na relação trabalho e família, considerando aspectos relacionados às condições de trabalho, aos usos do tempo e aos arranjos domésticos. Os resultados indicam que a pandemia, precedida e intensificada por um duro contexto de recessão econômica e de ampliação de políticas de flexibilização dos direitos trabalhistas, acentuou desigualdades historicamente estruturantes da ocupação. Esses elementos incidem sobre o cotidiano das trabalhadoras domésticas, reorganizando os arranjos domésticos e suas vivências temporais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marta Maria Valeriano, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO, Brasil.

Mestre e doutoranda em Sociologia pelo Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, GO, Brasil.

Tania Ludmila Dias Tosta, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO, Brasil.

Doutora em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB), em Brasília, DF, Brasil; professora da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, GO, Brasil.

Referências

Acciari, Louisa. 2021. Praticando a interseccionalidade: estratégias das trabalhadoras domésticas brasileiras para construir alianças e mobilizar identidade. Latin American Research Review 56 (1): 67-81. http://doi.org/10.25222/larr.594.

Ávila, Maria Betânia. 2009. O tempo do trabalho das empregadas domésticas: tensões entre dominação/ exploração e resistência. Tese em Sociologia, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil.

Barros, Valquíria da Silva e Rosane Cristina de Oliveira. 2020. Desigualdades de gênero e espaço doméstico: o isolamento social e seus impactos no cotidiano das mulheres em tempos de Covid-19. Almanaque Multidisciplinar de Pesquisa 2 (7): 123-142.

Colen, Shellee. 1995. Like a mother to them: stratified reproduction and West Indian childcare workers and employers in New York. In Conceiving the new world order: the global politics at reproduction, organizado por Faye Ginsburg and Rayna Rapp, 78-102. Berkeley: University of California Press.

Collins, Patricia Hill. 2000. Black feminist thought: knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. New York: Routledge.

Davis, Angela. 2016. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo.

Delfini, Marcelo, Ana Drolas, Juan Montes Cato e Lucas Spinosa. 2020. Lidiando con el trabajo. Impacto del Covid-19 sobre el trabajo productivo y reproductivo. Trabajo y Sociedad 35: 67-82.

Fernandes, Camila. 2020. A força da ausência. A falta dos homens e do ‘Estado’ na vida de mulheres moradoras de favela. Sexualidad, Salud y Sociedad 36 (09-12): 206-230. https://doi.org/10.1590/1984-6487.sess.2020.36.09.a.

Fraga, Alexandre. 2010. De empregada a diarista: as novas configurações do trabalho doméstico remunerado. Dissertação em Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Giacomini, Sonia Maria. 1988. Mulher e escrava: uma introdução histórica ao estudo da mulher negra no Brasil. Petrópolis: Vozes.

Gonzalez, Lélia. 1982. A mulher negra na sociedade brasileira. In O lugar da mulher: estudos sobre a condição feminina na sociedade atual, organizado por Anette Goldberg Velasco e Madel T. Luz, 87-106. Rio de Janeiro: Graal.

Hirata, Helena e Nadya Araujo Guimarães. 2012. Cuidado e cuidadoras: as várias faces do trabalho do care. São Paulo: Atlas S. A.

Kergoat, Danièle. 2016. O cuidado e a imbricação das relações sociais. In Gênero e trabalho no Brasil e na França: perspectivas interseccionais, organizado por Alice Abreu, Helena Hirata e Maria Rosa Lombardi, 17-26. São Paulo: Boitempo.

Kofes, Suely. 2001. Mulher mulheres: identidade, diferença e desigualdade na relação entre empregadas domésticas e patroas. Campinas: Editora Unicamp.

Krein, José Dari. 2018. O desmonte dos direitos, as novas configurações do trabalho e o esvaziamento da ação coletiva: consequências da reforma trabalhista. Tempo Social 30 (1): 77-104. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2018.138082.

Lima, Márcia e Ian Prates. 2019. Emprego doméstico e mudança social: reprodução e heterogeneidade na base da estrutura ocupacional brasileira. Tempo social 31 (2): 149-172. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.149291.

Medeiros Marcelo e Luana Simões Pinheiro. 2018. Desigualdades de gênero em tempo de trabalho pago e não pago no Brasil, 2013. Sociedade e Estado 33 (1): 161-187. https://doi.org/10.1590/s0102-699220183301007.

Pirtle, Whitney Laster N. e Tashelle Wright. 2021. Structural gendered racism revealed in pandemic times: intersectional approaches to understanding race and gender health inequities in Covid-19. Gender & Society 35 (2): 168-179. https://doi.org/10.1177/08912432211001302.

Pizzinga, Vivian Heringer. 2021. Vulnerabilidade e atividades essenciais no contexto da Covid-19: reflexões sobre a categoria de trabalhadoras domésticas. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional 46 (2): 1-9. https://doi.org/10.1590/2317-6369000025020.

Pesquisa nacional por amostra de domicílios contínua (Pnad conínua). 2020. Microdados. Rio de Janeiro: IBGE. https://ftp.ibge.gov.br/Trabalho_e_Rendimento/Pesquisa_Nacional_por_Amostra_de_Domicilios_continua/Trimestral/M.

Tokarski, Carolina e Luana Pinheiro. 2021. Trabalho doméstico remunerado e Covid-19: aprofundamento das vulnerabilidades em uma ocupação precarizada. Boletim de Análise Político-Institucional (Ipea) 26: 55-64. http://dx.doi.org/10.38116/bapi26art6.

Torns, Teresa. 2001. El tiempo de trabajo de las mujeres: entre la invisibilidad y la necessidad. In Tiempos, trabajos y género, organizado por Cristina Carrasco, 133-150 Barcelona: Publicacions de la Universitat de Barcelona.

Valeriano, Marta Maria, Tania Ludmila Dias Tosta e Jordão Horta Nunes. 2021. Casa e trabalho: tensões e arranjos no cotidiano de trabalhadoras domésticas. Descentrada 5 (1): 1-18. https://doi.org/10.24215/25457284e133 .

Vilasboas, Jaqueline Pereira de Oliveira. 2020. Pandemia e a asfixia social das mulheres negras. In Diferenças, desigualdades e violências: olhares sociológicos, organizado por Luiz Mello e Eliane Gonçalves, 17-41. Goiânia: Cegraf UFG.

Publicado
2021-12-07
Como Citar
Valeriano, M. M., & Tosta, T. L. D. (2021). Trabalho e família de trabalhadoras domésticas em tempos de pandemia: Uma análise interseccional. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(3), 412-422. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.3.40571
Seção
Dossiê: Interseccionalidades, Direitos e Políticas