Contribuições de Lélia Gonzalez aos estudos sociológicos sobre controle social e punição no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/1984-7289.2022.1.40428

Palavras-chave:

Racismo por denegação, Lélia Gonzalez, Sociologia da violência, Controle social, Punição

Resumo

O objetivo deste artigo é realizar um diálogo entre pesquisas empíricas oriundas da sociologia da violência e as discussões conceituais propostas por Lélia Gonzalez, com destaque para o que chamou de racismo por denegação. Para tanto, se debruçará sobre trabalhos que demonstram empiricamente a persistência histórica de uma repressão estatal racialmente seletiva por parte das instituições de segurança e justiça, mas que não reverberaram como paradigmas no campo de estudos sociológicos sobre violência. Para responder à questão sobre as possibilidades do debate conceitual proposto por Gonzalez ser útil à análise de dados empíricos que atestam uma repressão racialmente seletiva, veremos como a autora estava atenta à seletividade que oprimia indivíduos e territórios negros, destacando os modos escamoteados de uma atuação racializada que não se assume enquanto tal. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Vinuto, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil.

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; mestre em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil. Pesquisadora de pós-doutorado em Antropologia na Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, RJ, Brasil.

Referências

Adorno, Sérgio. 1995. Discriminação racial e justiça criminal em São Paulo. Novos estudos CEBRAP 43: 45-63.

Alexander, Michelle. 2017. A nova segregação: racismo e encarceramento em massa. São Paulo: Boitempo.

Alvarado, Arturo. 2020. La Sociología del crimen y la violencia en América Latina: un campo fragmentado. Tempo Social 32 (3): 67-107. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2020.175010.

Alvarez, Marcos César. 2003. Bacharéis, criminologistas e juristas: saber jurídico e nova escola penal no Brasil. São Paulo: Método.

Arendt, Hannah. 1990. Origens do totalitarismo: anti-semitism, imperialismo, totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras.

Azevedo, Celia Maria M. de. 2004. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites século XIX. 2. ed. São Paulo: Annablume.

Azevedo, Rodrigo G. de, e Jacqueline Sinhoretto. 2018. Encarceramento e desencarceramento no Brasil: a mentalidade punitiva em ação. Anais do 42o Encontro Anual da Anpocs.

Barreira, César, e Sérgio Adorno. 2010. A violência na sociedade brasileira. In Horizontes das ciências sociais no Brasil. Sociologia, organizado por Carlos B. Martins e Heloisa Helena T. de S. Martins. São Paulo: Barcarolla.

Barros, Geová. 2006. Racismo institucional: a cor da pele como principal fator de suspeição. Dissertação em Ciência Política, Universidade Federal de Pernambuco.

Bento, Maria Aparecida. 2002. Pactos narcísicos no racismo: branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público. Tese em Psicologia Social, Universidade de São Paulo.

Borges, Ana Clara D. e Juliana Vinuto. 2020. Presunção da culpa: racismo institucional no cotidiano da justiça criminal em Niterói (RJ). PerCursos 21 (45): 140-72. https://doi.org/10.5965/1984724621452020140.

Borges, Juliana. 2018. O que é encarceramento em massa? Belo Horizonte: Letramento.

Campos, Luiz Augusto. 2017. Racismo em três dimensões : uma abordagem realista-crítica. Revista Brasileira de Ciências Sociais 32 (95): 01. https://doi.org/10.17666/329507/2017.

Chalhoub, Sidney. 1990. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras.

Davis, Angela. 2016. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo.

Flauzina, Ana Luiza. 2006. Corpo negro caído no chão: o sistema penal e o projeto genocida do estado brasileiro. Dissertação em Direito, Universidade de Brasília.

Flauzina, Ana Luiza, e Felipe Freitas. 2017. Do paradoxal privilégio de ser vítima: terror de Estado e a negação do sofrimento negro no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Criminais 25 (135): 49-71.

Flauzina, Ana, e Thula Pires. 2020. Supremo Tribunal Federal e a naturalização da barbárie. Revista Direito e Práxis 11 (2): 1211-37. https://doi.org/10.1590/2179-8966/2020/50270.

França, Danilo. 2017. Segregação racial em São Paulo: residências, redes pessoais e trajetórias urbanas de negros e brancos no século XXI. Tese em Sociologia, Universidade de São Paulo.

Gonzalez, Lélia. 2020. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Organizado por Flavia Rios e Marcia Lima. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Gonzalez, Lélia, e Carlos Hasenbalg. 1982. Lugar de negro. Rio de Janeiro: Marco Zero.

Grillo, Carolina C. 2008. O “morro” e a “pista”: um estudo comparado de dinâmicas do comércio ilegal de drogas. Dilemas – Revista de Estudos de Conflito e Controle Social 1 (1): 127-48.

Guimarães, Antônio S. A. 2000. Apresentação. In Tirando a máscara: ensaios sobre o racismo no Brasil, organizado por Antônio Sérgio A. Guimarães e Lynn Huntley. São Paulo: Paz a Terra.

Guimarães, Antonio S. A. 2003. Como trabalhar com ‘raça’ em sociologia. Educação e Pesquisa 29 (1): 93-107. https://doi.org/10.1590/S1517-97022003000100008.

Koerner, Andrei. 2006. Punição, disciplina e pensamento penal no Brasil do século XIX. Lua Nova: Revista de Cultura e Política 68: 205-42. https://doi.org/10.1590/S0102-64452006000300008.

Lima, Márcia. 2012. ‘Raça’ e pobreza em contextos metropolitanos. Tempo Social 24 (2): 233–54. https://doi.org/10.1590/S0103-20702012000200012.

Lima, Márcia. 2014. A obra de Carlos Hasenbalg e seu legado à agenda de estudos sobre desigualdades raciais no Brasil. Dados 57 (4): 919-33. https://doi.org/10.1590/00115258201428.

Machado da Silva, Luiz Antonio. 2011. Entrevista (por Ludmila M. L. Ribeiro). In As ciências sociais e os pioneiros nos estudos sobre crime, violência e direitos humanos no Brasil, organizado por Renato Sérgio de Lima e José Luiz Ratton, 146-175. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública - ANPOCS - Urbania.

Marques, Adalton. 2017. Humanizar e expandir: uma genealogia da segurança pública em São Paulo. Tese em Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos.

Mbembe, Achille. 2018. Necropolítica. 2. ed. São Paulo: N-1.

Medeiros, Flavia. 2017. A necropolítica da guerra: tecnologias de governo, “homicídios” e “tráfico de drogas” na região metropolitana do Rio de Janeiro. Abya-yala: Revista sobre Acesso à Justiça e Direitos nas Américas 1 (3): 91-114. https://doi.org/10.26512/abyayala.v1i3.7119.

Misse, Michel. 2010. Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria ‘bandido’. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 79: 15-38. https://doi.org/10.1590/S0102-64452010000100003.

Misse, Michel, Carolina C. Grillo, e Natasha E. Neri. 2015. Letalidade policial e indiferença legal: a apuração judiciária dos ‘autos de resistência’ no Rio de Janeiro (2001-2011). Dilemas - Revista de Estudos de Conflito e Controle Social 0 (0): 43-71.

Moura, Clóvis. 1989. Sociologia do negro brasileiro. São Paulo: Ática.

Moura, Clóvis 2021. O negro: de bom escravo a mau cidadão? São Paulo: Dandara.

Nogueira, Oracy. 2007. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo Social 19 (1). https://doi.org/10.1590/S0103-20702007000100015.

Odon, Thiago. 2013. A linguagem penal do contrato social brasileiro: o inimigo, a guerra e a construção da ordem contra a sociedade no Brasil (1822-1890). Tese Sociologia, Universidade de Brasília.

Pires, Thula. 2016. Direitos humanos e Améfrica Ladina: por uma crítica amefricana ao colonialismo jurídico. Lasa Forum 50 (3): 69-74.

Pires, Thula. 2017. Criminologia crítica e pacto narcísico: por uma crítica criminológica apreensível em pretuguês. Revista Brasileira de Ciências Criminais 25 (135): 541-62.

Pires, Thula. 2018. Racializando o debate sobre direitos humanos. Revista Internacional de Direitos Humanos, Sur 28 15 (28): 11.

Pires, Thula Rafaela de Oliveira. 2018. Estruturas intocadas: racismo e ditadura no Rio de Janeiro. Revista Direito e Práxis 9 (2): 1054-79. https://doi.org/10.1590/2179-8966/2018/33900.

Ramos, Alberto Guerreiro. 1995. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Editora da Uerj.

Ramos, Paulo Cesar. 2017. A formação do campo de estudos da violência no Brasil: estrutura e habitus nas ciências sociais da Nova República. Saberes em perspectiva 7 (17): 95-112.

Ramos, Paulo Cesar. 2021. Gramática negra contra a violência de Estado: da discriminação racial ao genocídio negro (1978-2018). Tese em Sociologia, Universidade de São Paulo.

Ramos, Sílvia, e Leonarda Musumeci. 2005. Elemento suspeito: abordagem policial e discriminação na cidade do Rio de Janeiro. Coleção Segurança e Cidadania, 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Ribeiro, Carlos Antonio C. 1995. Cor e criminalidade: estudo e análise da justiça no Rio de Janeiro, 1900-1930. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Ribeiro, Ludmila, e Klarissa Silva. 2010. Fluxo do sistema de justiça criminal brasileiro: um balanço da literatura. Cadernos de Segurança Pública 2 (1): 14-27.

Rios, Flavia, e Marcia Lima. 2020. Introdução. In Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, interenções e diálogos, organizado por Flavia Rios e Marcia Lima, 9-21. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Rocha, Luciane O. 2014. Outraged mothering: black women, racial violence, and the power of emotions in Rio de Janeiro’s African Diaspora. Tese em Antropologia, Universidade do Texas.

Rodrigues, Juliana, e Juliana Monteiro. 2020. Lélia Gonzalez, uma filósofa amefricana. Revista Ideação 1 (42): 94-105. https://doi.org/10.13102/ideac.v1i42.5460.

Saad, Luísa. 2019. Fumo de negro: a criminalização da maconha no pós-abolição. Salvador: Edufba. e-Book Kindle.

Schlittler, Maria Carolina. 2016. Matar muito, prender mal: a produção da desigualdade racial como efeito do policiamento ostensivo militarizado em SP. Tese em Sociologia, Universidade Federal de São Carlos

Schwarcz, Lilia M. 1993. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras.

Sinhoretto, Jacqueline, org. 2021. Policiamento ostensivo e relações raciais: estudo comparado sobre formas contemporâneas de controle do crime. Rio de Janeiro: Autografia.

Sinhoretto, Jacqueline, e Danilo de S. Morais. 2018. Violência e racismo: novas faces de uma afinidade reiterada. Revista de Estudios Sociales 64: 15-26. https://doi.org/10.7440/res64.2018.02.

Telles, Edward Eric. 2003. Racismo à brasileira: uma nova perspectiva sociológica. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Vargas, Joana Domingues. 1999. Indivíduos sob suspeita: a cor dos acusados de estupro no fluxo do sistema de justiça criminal. Dados 42 (4): 729-60. https://doi.org/10.1590/S0011-52581999000400004.

Vargas, Joana Domingues. 2012. Em busca da ‘verdade real’: tortura e confissão no Brasil ontem e hoje. Sociologia & Antropologia 2 (3): 237-65. https://doi.org/10.1590/2238-38752012v2310.

Vargas, João H. Costa. 2005. Apartheid brasileiro: raça e segregação residencial no Rio de Janeiro”. Revista de Antropologia 48 (1): 75-131. https://doi.org/10.1590/S0034-77012005000100003.

Vasconcelos, Francisco Thiago. 2014. Esboço de uma sociologia política das Ciências Sociais contemporâneas (1968 2010): a formação do campo da segurança pública e o debate criminológico no Brasil. Tese em Sociologia, Universidade de São Paulo.

Vinuto, Juliana. 2020. “O outro lado da moeda”: o trabalho de agentes socioeducativos no estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Autografia.

Downloads

Publicado

2022-11-03

Como Citar

Vinuto, J. (2022). Contribuições de Lélia Gonzalez aos estudos sociológicos sobre controle social e punição no Brasil. Civitas: Revista De Ciências Sociais, 22, e40428. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2022.1.40428