No desligar das câmeras

Experiências de estudantes de ensino superior com o ensino remoto no contexto da Covid19.

Palavras-chave: Pandemia, Ensino Remoto Emergencial, Etnografia, Educação Superior, Joinville

Resumo

Este artigo apresenta os movimentos iniciais de uma pesquisa etnográfica realizada com estudantes de ensino superior sobre suas experiências com o ensino remoto em 2020. Após a suspensão das atividades resenciais na pandemia, professores e estudantes se viram imersos em desafios decorrentes de um afrouxamento dos vínculos que sustentam a relação ensino-aprendizagem. Busca-se compreender como estudantes percebem e significam suas experiências com o ensino remoto, considerando-se as condições materiais para tanto e a rede de atores e agências que passam a determinar essas experiências no espaço doméstico. Assim, este estudo se volta para a dimensão vivencial das tecnologias digitais, considerando-se sua ubiquidade na vida contemporânea. Pretende-se, por fim, contribuir para a concepção de projetos educacionais que transcendam a instrumentalização tecnológica e se alinhem às gramáticas interativas mais significativas das socialidades contemporâneas, marcadas pela pervasividade das tecnologias digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Elisa Máximo, Associação Educacional Luterana Bom Jesus Ielusc (Faculdade Ielusc), Joinville, SC, Brasil.

Doutora e mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Florianópolis, SC, Brasil; professora da Associação Educacional Luterana Bom Jesus Ielusc (Faculdade Ielusc), Joinville, SC, Brasil.

Referências

DaMatta, Roberto. 1986. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco.

Escobar, Arturo. 2016. Bem-vindos à Cyberia: notas para uma antropologia da cibercultura. In Políticas Etnográficas no Campo da Cibercultura, organizado por Jean Segata e Theophilos Rifiotis, 21-66. Brasília: ABA Publicações.

Goffman, Erving. 2008. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes.

Latour, Bruno. 2008. Reensamblar lo social: una introducción a la teoría del actor-red. Buenos Aires: Manantial.

Lévy, Pierre. 1999. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34.

Rifiotis, Theophilos. 2016. Desafios contemporâneos para a antropologia no ciberespaço: o lugar da técnica. In Políticas Etnográficas no Campo da Cibercultura, organizado por Jean Segata e Theophilos Rifiotis, 115-128. Brasília: ABA Publicações.

Sibilia, Paula. 2012. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto.

Segata, Jean e Theophilos Rifiotis, orgs. 2016. Políticas Etnográficas no Campo da Cibercultura. Brasília: ABA Publicações.

Strathern, Marilyn. 2014. O efeito etnográfico. In O efeito etnográfico e outros ensaios, 345-406. São Paulo: Cosac Naify.

Publicado
2021-08-24
Como Citar
Máximo, M. E. (2021). No desligar das câmeras: Experiências de estudantes de ensino superior com o ensino remoto no contexto da Covid19. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(2), 235-247. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.2.39973