Nem naturais, nem artificiais

As info-ecologias e as qualidades simpoiéticas dos ecossistemas conectados

Palavras-chave: Ecossistemas conectados, Simpoiese, Datificação

Resumo

O artigo objetiva apresentar a qualidade transubstanciativa do processo de datificação a partir da descrição das interações relacionadas em um ecossistema conectado. A partir da análise da qualidade das interações do ecossistema conectado Array of things (AoT) , aqui chamado de “info-ecologia”, investigou-se as dimensões conectivas e interdependentes destas complexas redes de relações que se desenvolvem através do processo de datificação, constituindo um novo tipo de comum não apenas delimitado aos humanos. A partir da análise destas interações informatizadas, o artigo apresenta algumas interpretações sobre essas novas formas de conexões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Massimo Di Felice, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil

Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil; pós doutorado em Sociologia na Universidade Paris Descartes V, Sorbonne, Paris, França. Livre Docente da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Silvia Surrenti, Universidade de Firenze, Florença, Toscana, Itália.

Doutora em Sociologia e Ciência Política pelo Istituto Universitario Europeo di Fiesole, Milão, Itália; professora de Sociologia do Ambiente e do Território no Departamento de Medicinal Experimental e Clínica, na Università degli Studi di Firenze, Florença, Toscana, Itália.

Referências

Accoto, Cosimo. 2020. O mundo dado: cinco breves lições de filosofia digital. São Paulo: Paulus.

Agamben, Giorgio. 2002. L’aperto. l’uomo e l’animale. Torino: Bollati Boringhieri.

Biltgen, Patrick e Stephen Ryan. 2016. Activity-based intelligence: principles and applications. Boston: The Artech House Electronic Warfare Library.

Cukier, Kenneth e Viktor Mayer-Schönberger. 2013. Big data: a revolution that will transform how we live, work, and think. Boston: Houghton Mifflin Harcourt.

Dauvergne, Peter. 2020. AI in the wild. Massachusetts: MIT Press.

Descola, Philippe. 2001. Par-delà nature et culture. Paris: Gallimard.

Dey, Nilanjan, Gitanjali Shinde, Parikshit Mahalle, e Henning Olesen. 2019. The internet of everything: advances, challenges and application. Boston: De Gruyter.

Di Felice, Massimo. 2009. Paisagens pós-urbanas. O fim da experiência urbana e as formas comunicativas do habitar. São Paulo: Annablume.

Di Felice, Massimo. 2017. Net-ativismo: da ação social para o ato conectivo. São Paulo: Paulus.

Di Felice, Massimo. 2020. A cidadania digital. São Paulo: Paulus. Di Felice, Massimo, Juliana C.Torres, Leandro K. H.

Yanaze. 2012. Redes digitais e sustentabilidade: as interações com o meio ambiente na era da informação. São Paulo: Annablume.

Goffman, Erving. 1985. A representação do eu na vida cotidiana. Rio de Janeiro: Vozes.

Haraway, Donna. 2016. Staying with the trouble: making kin in the chthulucene. Durham: Duke University Press.

A cyborg manifesto science, technology, and socialist-feminism in the late twentieth century. In Simians, cyborgs and women: the reinvention of nature, 149-181. New York: Routledge. Donna Haraway.

Harman, Graham. 2018. Object-oriented ontology: a new theory of everything. St. Ives: Pelican Books.

Heidegger, Martin. 2006. Ensaios e conferências. Petrópoles: Vozes.

Hine, Christine. 2000. Virtual Ethnography. London: Sage.

Hui, Yuk. 2020. Tecnodiversidade. Ubu: São Paulo.

Kitchin, Rob. 2014. Big data, new epistemologies and paradigm shifts. Big Data & Society 1 (1), 1-12. https://doi.org/10.1177/2053951714528481.

Latour, Bruno. 1997. Ciência em ação. São Paulo: Ed. Unesp.

Latour, Bruno. 2004. Políticas da natureza: como fazer ciência na democracia. Bauru: Edusc.

Latour, Bruno. 2009. Non siamo mai stati moderni. Milano: Elèuthera.

Lovelock, James. 2020. Novacene. The coming age of hyperintelligence. Nova Iorque: Penguin Random House.

Kozinets, Robert V. 2010. Netnography: doing ethnographic research online. London: Sage.

Meyrowitz, Joshua. 1995. Oltre il senso del luogo: como i media elettronici influenzano il comportamento sociale. Bologna: Baskerville.

Pereira, Elite. 2018. A ecologia digital da participação indígena brasileira. Lumina 12 (3): 93-112. https://doi.org/10.34019/1981-4070.2018.v12.21572.

Perniola, Mario. 1996. Il sex appeal dell’inorganico. Turim: Einaudi.

Pievani, Telmo. 2019. Imperfezione. Una storia naturale. Raffaello Cortina Editore.

Rifiotis, Theophilos. 2010. Antropologia do ciberespaço: questões teórico-metodológicas sobre a pesquisa de campo e modelos de sociabilidade. In Antropologia no ciberespaço, organizado por Theophilos Rifiotis, Maria Elisa Maximo, Juciano de S. Lacerda e Jean Segata, 15-27. Florianópolis: Editora da Ufsc.

Sadowski, Jathan. 2019. When data is capital: datafication, accumulation, and extraction. Big Data & Society 6 (1): 1-12. https://doi.org/10.1177/2053951718820549.

Serres, Michel. 1990. Le contrat naturel. Paris: Ed. F. Bourin.

Stengers, Isabelle. 2011. Cosmopolitics II. Posthumanities. Minneapolis: University of Minessota Press.

Tansley Arthur G. 1935. The use and abuse of vegetational terms and concepts. Ecology 16 (3): 284-307. https://doi.org/10.2307/1930070.

Van Dijck, José, Thomas Poell e Martijn de Waal. 2018. The Platform Society. Oxford: Oxford University Press.

Publicado
2021-08-24
Como Citar
Di Felice, M. ., & Surrenti, S. (2021). Nem naturais, nem artificiais: As info-ecologias e as qualidades simpoiéticas dos ecossistemas conectados. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(2), 293-303. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.2.39936