Possíveis contribuições da fenomenologia e da etnometodologia para uma sociologia dos esportes coletivos

Palavras-chave: Fenomenologia, Etnometodologia, Esportes coletivos, Experiência, Teoria sociológica

Resumo

Grande parte dos trabalhos em sociologia do esporte é profundamente marcada pela obra de dois importantes autores, Norbert Elias e Pierre Bourdieu. O presente artigo pretende explorar as potenciais contribuições que as obras de Schutz e de Garfinkel podem trazer aos estudos do esporte. Embora esses autores não tenham se dedicado propriamente ao tema, suas obras podem ser úteis à construção de uma perspectiva que revele certos aspectos do fenômeno esportivo ainda a serem explorados considerando-se a constituição da experiência de jogar no mundo vivido dos jogos esportivos coletivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Fernandes Nazareth, Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro (Faetec), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutor em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos (Iesp-Uerj), Rio de Janeiro, RJ, Brasil; professor da Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro (Faetec), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

Bourdieu, Pierre. 1983. Como é possível ser esportivo? In Questões de sociologia, organizado por Pierre Bourdieu, 136-163. Rio de Janeiro: Marco Zero.

Bourdieu, Pierre. 1987. Pour une sociologie du sport. In Choses dites, organizado por Pierre Bourdieu, 203-216. Paris : Minuit.

Bourdieu, Pierre. 1990. The logics of practice. Stanford: Stanford University Press.

Bourdieu, Pierre. 2002. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, Pierre. 2007. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp.

Caillois, Roger. 1994. Los juegos y los hombres, la máscara e el vértigo. Mexico: Fondo de Cultura Económica.

Dewey, John. 1974. Textos selecionados. Coleção Os pensadores. São Paulo: Abril.

Elias, Norbert e Eric Dunning. 1992. A busca da excitação. Lisboa: Difel.

Elias, Norbert. 1993. O processo civilizador. A formação do Estado e civilização, vol.2. Rio de Janeiro: Zahar.

Elias, Norbert. 1994. O processo civilizador. Uma história dos costumes, vol.1. Rio de Janeiro, Zahar.

Garfinkel, Harold. 1963. A conception of, and experience with, ‘trust’ as a condition of stable concerted actions. In Motivation and social interaction: cognitive determinants, organizado por O.J. Harvey. New York: The Ronald Press Company.

Garfinkel, Harold. 1967. Studies in ethnomethodology. New Jersey: Englewoods Cliffs.

Garfinkel, Harold. 2002. Ethnomethodology’s program: working out Durkheim’s aphorism. Boston: Rowman - Littlefield Publishers.

Gurwitsch, Aron. 1957. Théorie du champ de la conscience. Paris : Desclée de Brouwer.

Gurwitsch, Aron. 1979. Human encounters in the social world. Pittsburgh: University Press.

Heidegger, Martin. 2005. Ser e tempo. Parte 1. Petrópolis: Vozes.

Latour, Bruno. 2012. Reagregando o social. Uma introdução á teoria do ator-rede. Salvador: Edufba.

Schutz, Alfred. 1967a. The phenomenology of the social world. Evanston: Northwestern University Press.

Schutz, Alfred. 1967b. Collected papers I: the problem of social reality. The Hague: Martinus Nijhoff.

Wittgenstein, Ludwig. 1996. Investigações filosóficas. Coleção Pensadores. São Paulo: Editora Nova Cultural.

Publicado
2021-05-04
Como Citar
Nazareth, E. F. (2021). Possíveis contribuições da fenomenologia e da etnometodologia para uma sociologia dos esportes coletivos. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(1), 35-47. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.1.38612
Seção
Dossiê: Teoria Social e Sociologia Existencial