Meio-ambiente em disputa: um desafio à democracia

Palavras-chave: Esfera pública. Meio-ambiente. Risco. Sociedade civil. Desenvolvimento sustentável.

Resumo

Está cada vez mais presente na esfera pública local, regional e internacional a consciência de que as bases materiais da vida no planeta são finitas, estão se esgotando ou sendo contaminadas. Isso se deve tanto a um
uso acima da capacidade de reprodução e regeneração da natureza como a uma apropriação concentradora desmesurada de recursos escassos. O texto toma como base a noção de esfera pública como lugar para as disputas detemas controvertidos em democracias para abordar a temática. Antes, porém, de abordar o risco decorrente da destruição do ambiente físico, recupera outro período de crise, igualmente mobilizador, e a forma como foi enfrentado: o risco de disrupções sociais em consequência dos efeitos negativos da industrialização acelerada dentro de uma lógica capitalista – que ironicamente está na raiz do risco atual. Ao mesmo tempo, destaca como, mesmo contra resistências, desenvolve-se paralelamente a formações discursivas questionáveis sobre um suposto “desenvolvimento sustentável” uma sociedade civil que resiste e se articula para regenerar e proteger tanto as bases materiais da vida como as instituições democráticas fundamentais à sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emil A. Sobbotka, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), Porto Alegre, RS.

Doutor em Sociologia e Ciência Política pela Westphälische-Wilhems Universität Münster (Uni-Münster), Münster, Alemanha, bolsista produtividade do CNPq e professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), Porto Alegre, RS.

Maria Luísa Célia E. de Dios, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), Porto Alegre, RS.

Doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), Porto Alegre, Brasil, pós-doutoranda em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), Porto Alegre, RS.

Fernanda Bittencourt Ribeiro, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Doutora em Antropologia Social pela École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS), Paris, França, bolsista de produtividade do CNPq e professora do PPG em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica
do Rio Grande do Sul (Pucrs), Porto Alegre, RS.

André Ricardo Salata, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), Porto Alegre, RS.

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro,Brasil, bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq, e professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), Porto Alegre, RS.

Referências

Allen, Amy e Eduardo Mendieta, orgs. 2019. Justification and emancipation: the critical theory of Rainer Forst.

Penn State Series in Critical Theory. University Park, Pennsylvania: The Pennsylvania State University Press.

Beveridge, William. 1943. O Plano Beveridge: relatório sobre o seguro social e serviços afins. Rio de Janeiro: José Olympio.

Brown, Wendy. 2015. Undoing the demos: neoliberalism’s stealth revolution. First Edition. New York: Zone Books.

Cohen, Jean e Andrew. Arato. 1992. Civil society and political theory. Cambridge: Mit Press.

D’Amico, María Paula e Ofelia Agoglia. 2019. La cuestión ambiental en disputa: el ambientalismo hegemónico y la corriente ambiental crítica. Lecturas desde y para América Latina. Revista Colombiana de Sociología 42 (1): 97–116. https://doi.org/10.15446/rcs.v42n1.73247.

Danner, Leno Francisco, Julie Dorrico e Fernando Danner. 2020. Decolonialidade, lugar de fala e voz-práxis estético-literária: reflexões desde a literatura indígena brasileira. Alea: Estudos Neolatinos 22 (1): 59-74. https://doi.org/10.1590/1517-106x/20202215974.

Döring, Diether. 2004. Sozialstaat. Frankfurt am Main: Fischer.

Engels, Friedrich. 1975. A situação da classe trabalhadora em Inglaterra. Porto: Afrontamento. https:// marxismo21.org/wp-content/uploads/2014/02/Trabalhadores-Friedrich-Engels.-A-situação-da-Classe-Operária-em-Inglaterra.pdf.

Espina Prieto, Mayra Paula. 2007. Recuperando la ‘cuestión social’: el contexto teórico metodológico del debate y la experiencia cubana. Caderno CRH 20 (50): 213–29. https://doi.org/10.1590/S0103-49792007000200003.

Esping-Andersen, Gosta. 1990. The three worlds of welfare capitalism. Princeton: Princeton University Press.

Fine, Ben, e Alfredo Saad-Filho. 2017. Thirteen things you need to know about neoliberalism. Critical Sociology 43 (4-5): 685-706. https://doi.org/10.1177/0896920516655387

Gunder Frank, Andre. 1966. The development of underdevelopment. Monthly Review 18 (4): 17. https://doi.org/10.14452/MR-018-04-1966-08_3.

Habermas, Jürgen. 1995. Três modelos normativos de democracia. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 36: 39 -53. https://doi.org/10.1590/S0102-64451995000200003.

Habermas, Jürgen. 2001. Teoría de la acción comunicativa: complementos y estudios previos. Traduzido por Manuel Jiménez Redondo. Madrid: Cátedra.

Habermas, Jürgen. 2014. Mudança estrutural da esfera pública: investigações sobre uma categoria da sociedade burguesa. São Paulo: Ed. Unesp.

Herrera, Amílcar O. e Hugo D. Scolnik. 1977. Grenzen des Elends. Das Bariloche-Modell: so kann die Menschheit überleben. Frankfurt: Fischer.

Jaeggi, Rahel. 2018. Critique of forms of life. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press.

Jaeggi, Rahel e Tilo Wesche. 2013. Was ist Kritik? Berlin: Suhrkamp.

Keynes, John Maynard. 2000. Proposed speech on Beveridge Report. In The foundations of the welfare state II, organizado por Robert E. Goodin e Deborah Mitchell, 2: 161-72. Cheltenham: An Elgar Reference Collection.

Kuhn, Thomas S. 1997. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva.

Li, Hongbin, e Junsen Zhang. 2007. Do high birth rates hamper economic growth? Review of Economics and Statistics 89, n. 1: 110-17. https://doi.org/10.1162/rest.89.1.110.

Mannheim, Karl. 1986. Ideologia e utopia. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara.

Marshall, T. H. 1967. Cidadania, classe social e status. Traduzido por Meton Porto Gadelha. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Marx, Karl, e Friedrich Engels. 1998. Manifesto do Partido Comunista. Estudos Avançados 12 (34): 7-46. https://doi.org/10.1590/S0103-40141998000300002.

Meadows, Donella H., Dennis L. Meadows, Joergen Randers e William Behrens III. 1972. The limits to growth: the Club of Rome’s project on the predicament of mankind. New York: Universe Books.

Meadows, Donella H., Dennis Meadows, Jorgen Randers, e Club de Roma. 2007. Limites do crescimento: a atualizaçao de 30 anos. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Merlinsky, María Gabriela. 2017. Environmental conflicts and public deliberation arenas around the environmental issue in Argentina. Ambiente & Sociedade 20 (2): 121-38. https://doi.org/10.1590/1809-4422asoc265r1v2022017.

Offe, Claus. 1984. Problemas estruturais do estado capitalista. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Offe, Claus. 2005. Princípios de justiça social e o futuro do estado de bem-estar social. In Draiton Gonzaga de Souza e Nikolai Petersen, org., Globalização e Justiça II, traduzido por Peter Naumann, 186: 69-85. Filosofia. Porto Alegre: Edipucrs.

Oliveira, Wilson José Ferreira. 2016. Repertórios organizacionais, diferenciação regional e profissionalização da defesa de causas ambientais no Brasil. Civitas - Revista de Ciências Sociais 15 (3): 528-45. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2015.3.19938.

Otto, Dianne. 1996. Nongovernmental organizations in the United Nations system: the emerging role of international civil society. Human Rights Quarterly, 18: 107-41.

Pacheco Vega, Raúl. 2006. Ciudadanía ambiental global: un recorte analítico para el estudio de la sociedad civil transnacional. Espiral 12 (35): 149-72.

Perez Cubero, María Eugenia. 2019. La participación ciudadana de los movimientos socioambientales en América Latina. Revista Colombiana de Sociología 42 (1): 135-56. https://doi.org/10.15446/rcs.v42n1.73023.

Ribeiro, Djamila. 2017. O que é lugar de fala? Feminismos plurais. Belo Horizonte: Letramento.

Schoen, Johanna. 2005. Choice & coercion: birth control, sterilization, and abortion in public health and welfare.

Gender and American culture. Chapel Hill: University of North Carolina Press.

Steiner, Rudolf. 1919. Die Kernpunkte der sozialen Frage in den Lebensnotwendigkeiten der Gegenwart und Zukunft. Dornach: Rudolf-Steiner-Verl.

Publicado
2020-07-17
Como Citar
Sobbotka, E. A., Dios, M. L. C. E. de, Ribeiro, F. B., & Salata, A. R. (2020). Meio-ambiente em disputa: um desafio à democracia. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 20(2), 133-143. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2020.2.37696