Inserção múltipla, intermitência e filiação cultural

O trabalho de músicos brasileiros na França

Palavras-chave: Trabalho musical, Profissão, Intermitente do espetáculo, França

Resumo

O objetivo é analisar o trabalho de músicos brasileiros na França, afetado pelo regime de trabalhadores intermitentes de espetáculos e o trabalho por projetos. Procura-se identificar as formas identitárias relacionadas a trajetórias profissionais, caracterizar a organização de trabalho e as formas de contratação. A metodologia recorre a dados governamentais, à literatura sobre trabalho musical e a entrevistas, além de observação em ambientes laborais. O trabalho de brasileiros pode ser comparado ao de músicos em geral na França, caracterizando-se pela pluriatividade, múltipla inserção e polarização entre contratos por tempo indeterminado ou determinado e prestação de serviços eventuais. Entretanto, a “filiação cultural” a gêneros musicais característicos, associada às redes de cooperação pode ser compreendida como estratégia de construção identitária profissional em um mercado competitivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jordão Horta Nunes, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiás, GO, Brasil

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil; pós-doutor pela Universidade de Versalhes, Versalhes, França; docente da Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiás, GO, Brasil.

Referências

Coulangeon, Philippe. 1999. Les musiciens de jazz en France. Paris, Harmattan.

Coulangeon, Philippe. 2004. Les musiciens interprètes en France. Portrait d’une profession. Paris :Ministère de la culture et la communication.

Dubar, Claude. 2006. A crise das identidades. Lisboa: Afrontamento.

Dupuis, Xavier. 1993. Les musiciens d’orchestre, entre passion et frustation. Paris: Dep. Ministère de la culture.

Furtado, Luís Carlos V. 2014. Flautear: a construção identitária do flautista brasileiro como trabalhador. Tese em História, Universidade de Brasília, UnB, Brasília, Brasil.

Grosset, Catherine B. 2008. Tour d’horizon des dispositifs en faveur des artistes dans les pays européens. In Les intermittents du spectacle, organizado por Nicolas Pélissier e Céline Lacroix, 73-98. Paris: L’Harmattan.

Mantelin, Maud. 2003. Les artistes étrangers en France, ambassadeurs de cultures du monde? Une analyse politique et juridique du dispositif d’accueil. Univ. Lumière – Lyons 2.

Menger, Pierre-Michel. 2011[2005]. Les intermitents du spectacle. Sociologie du travail flexible. Paris : Ehess.

Menger, Pierre-Michel. 2009. Le travail créateur. S’accomplir dans l’incertain. Paris: Seuil-Gallimard.

Ravet, Hyacinthe. 2011. Musiciennes. Enquête sur lês femmes et la musique. Paris: Autremont.

Reis, Cacilda Ferreira dos. 2012. Sonhos, incertezas e realizações: as trajetórias de músicos e dançarinos afro-brasileiros no Brasil e na França. Tese em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas,Unicamp, Campinas, São Paulo.

Segnini, Liliana R. 2016. Questions sur les carrières des femmes musiciennes. In Genre, race, classe, organizado por Nadya Guimarães, Margareth Maruani e Bila Sorj, 221-233. Paris: L’Harmattan.

Sennett, Richard. 2014. A corrosão do caráter. As consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 14ed. Rio de Janeiro: Record.

Spire, Alexis. 1999. De l'étranger à l'immigré. Actes de la recherche en sciences sociales 129 : 5-56. https://doi.org/10.3406/arss.1999.3303.

Vaillant, Anaïs. 2013. La batucada des gringos. Tese em Antropologia, Ecole Doctorale Espaces, Cultures, Sociétés, Aix-en-Provence, França.

Publicado
2021-05-04
Como Citar
Nunes, J. H. (2021). Inserção múltipla, intermitência e filiação cultural : O trabalho de músicos brasileiros na França. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(1), 159-171. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.1.36786