As estratégias de recomposição e rearticulação das elites do grupo étnico alemão no Brasil pós-Estado Novo

Uma análise à luz da sociologia histórica e da sociologia das elites

Palavras-chave: Estado Novo, Germanidade, Elites, Sociologia histórica, Sociologia das elites.

Resumo

Este artigo, embasado nas perspectivas teórico-metodológicas da Sociologia Histórica e da Sociologia das Elites, tem por objetivo analisar a recomposição e as rearticulações das elites do grupo étnico alemão no Brasil após o Estado Novo (pós-1945). A pesquisa baseia-se em revisão de literatura histórica, entrevistas e análise documental. Em um primeiro momento, analiso o Estado Novo e as campanhas de nacionalização como um “acontecimento”, responsável pela produção de mudanças e transformações nas práticas associadas à “germanidade” no Brasil. A seguir, apresento algumas das iniciativas de rearticulação das elites do grupo étnico alemão no Brasil pós-Estado Novo: o Comitê de Socorro à Europa Faminta, a reestruturação da Igreja Luterana, a rearticulação do Movimento 25 de Julho, a fundação de Centros Culturais 25 de Julho e da Federação dos Centros Culturais 25 de Julho. Por fim, analiso o “outcome” de tal processo histórico, a saber, a sistematização e a institucionalização de um “espaço de práticas do folclore ‘alemão’ no Brasil”, a partir da década de 1980. A discussão possibilitou o estabelecimento de uma relação de causalidade entre as campanhas de nacionalização e as iniciativas de rearticulação das elites étnicas e de promoção da etnicidade germânica no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Voigt, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS, Brasil

Doutorando em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS, Brasil; com período sanduíche junto à University of Illinois at Urbana-Champaign (UIUC), Urbana, IL, Estados Unidos. Bolsista Capes. Mestre em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Florianópolis, SC, Brasil.

Referências

Abbott, Andrew. 2001. On the concept of turning point. In Time matters: On theory and method, organizado por Andrew Abbott, 240-260. Chicago: The University of Chicago Press.

Abbott, Andrew. 2016. The idea of outcome. In Processual sociology, organizado por Andrew Abbott, 165-197. Chicago: The University of Chicago Press.

Andrews, George R. 2007. Uma transfusão de sangue melhor. O branqueamento, 1880-1930. In América Afro-latina 1800-2000, organizado por George R. Andrews, 151-186. São Carlos: Editora UfsCar.

Bourdieu, Pierre. 1996. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras.

Calhoun, Craig. 2003. Why historical sociology? In Handbook of historical sociology, organizado por Gerard Delanty e Engin F. Isin, 383-393.London: Sage.

Codato, Adriano N. 2008. Elites e instituições no Brasil: uma análise contextual do Estado Novo. Tese em Ciência Política, Universidade Estadual de Campinas, Unicamp, Campinas, São Paulo.

Codato, Adriano N. e Walter Guandalini Jr. 2003. Os autores e suas idéias: um estudo sobre a elite intelectual e o discurso político do Estado Novo. Estudos Históricos 2 (32): 145-164.

Elias, Norbert. 1994. O processo civilizador. Uma história dos costumes.Vol.1. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Elias, Norbert. 1997. Os Alemães: a luta pelo poder e a evolução do habitus nos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Zahar.

Ermakoff, Ivan. 2019. Causality and history: modes of causal investigation in historical Social Sciences. Annual Review of Sociology 45:581-606. https://doi.org/10.1146/annurev-soc-073117-041140.

Fáveri, Marlene de. 2002. Memórias de uma (outra) guerra: cotidiano e medo durante a segunda guerra em Santa Catarina. Tese História , Universidade Federal de Santa Catarina, Ufsc, Florianópolis, Brasil.

Fernandes, Evandro. 2005. S.O.S Europa faminta. Comitê de socorro à Europa faminta – SEF. Dissertação em História, Universidade Federal de Santa Catarina, Ufsc, Florianópolis, Brasil.

Geraldo, Endrica. 2009. O combate contra os “quistos étnicos”: identidade, assimilação e política imigratória no Estado Novo. Locus 15 (1): 171-187.

Gertz, René E. 1987. O fascismo no sul do Brasil: germanismo, nazismo, integralismo. Porto Alegre: Mercado Aberto.

Gertz, René E. 2001. Os luteranos no Brasil. Rev. de História Regional 6 (2): 9-33.

Gertz, René E. 2013. A guerra que ainda não terminou: a população de origem alemã no Rio Grande do Sul após a Segunda Guerra Mundial. Anais do 2º Congresso Internacional de História Regional. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo.

Goodman, Glen S. 2015. The enduring politics of german-brazilian ethnicity. German History 33 (3): 423-438. https://doi.org/10.1093/gerhis/ghv083.

Kirschbaum, Charles. 2013. Decisões entre pesquisas quali e quanti sob a perspectiva de mecanismos causais. Rev. Brasileira de Ciências Sociais 28 (82): 179-193. https://doi.org/10.1590/S0102-69092013000200011.

Kleine, Gerhard. 2008. A Associação cultural Gramado – Casa da Juventude como pólo cultural no sul do Brasil e seu projeto de preservação do patrimônio histórico e cultural. Anais do 6º Encontro das Comunidades Alemãs da América Latina. Juiz de Fora.

Lehnen, Doraci. 1995. Escola Superior de Teologia da IECLB. In História dos cursos de teologia no Rio Grande do Sul, organizado por Zeno Hastenteufel, 46-76. Porto Alegre: Edipucrs.

Mahoney, James. 2015. Process tracing and historical explanation. Security Studies 24: 200-218. https://doi.org/10.1080/09636412.2015.1036610.

Monsma, Karl, Fernando A. Salla e Alessandra Teixeira. 2018. A sociologia histórica: rumos e diálogos atuais. Rev. Brasileira de Sociologia 6 (12): 65-87. https://doi.org/10.20336/rbs.245.

Panayi, Panikos. 2017. The germans in India: elite european migrants in the British Empire. Manchester: Manchester University Press.

Perissinotto, Renato e Adriano N. Codato, orgs. 2015. Como estudar elites. Curitiba: Ed. UFPR.

Saint Martin, Monique de. 2002. Coesão e diversificação: os descendentes da nobreza na França, no final do século XX. Mana 8 (2):127-149. https://doi.org/10.1590/S0104-93132002000200005.

Saint Martin, Monique de. 2008. Da reprodução à recomposição das elites: as elites administrativas, econômicas e políticas na França. Tomo 13: 43-73. https://doi.org/10.21669/tomo.v0i13.467.

Seidl, Ernesto. 2013. Estudar os poderosos: a sociologia do poder e das elites. In As ciências sociais e os espaços da política no Brasil, organizado por Ernesto Seidl e Igor G. Grill, 179-226. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Sewell, William H. 2017. Lógicas da história: teoria social e transformação social. Petrópolis: Vozes,

Seyferth, Giralda. 2005. Imigração e etnicidade no Vale do Itajaí (SC). Anais do 10º Encontro de Geógrafos da América Latina. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Voigt, Lucas. 2017. O devir e os sentidos das memórias de descendentes de alemães em Santa Catarina: um esboço de sociologia da memória. Porto Alegre: Multifoco - Luminária Academia.

Voigt, Lucas. 2018a . A elite cultural do folclore alemão “autêntico” no Brasil: perfil social, mediação cultural, estratégias de legitimação. Anais do 42º Encontro Anual da Anpocs. Caxambu: Anpocs.

Voigt, Lucas. 2018b. O espaço de práticas do folclore “alemão” autêntico no Brasil: um estudo de sociologia da cultura e das elites. Dissertação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Voigt, Lucas. 2018c. O folclore “alemão” como prática identitária: o papel das danças e dos trajes folclóricos na construção de laços culturais e históricos com a Alemanha. In Migrações: perspectivas e avanços teórico-metodológicos, organizado por Isabel C. Arendt, Jorge L. Cunha, Rodrigo L. Santos, 924-940. São Leopoldo: Oikos.

Wachholz, Wilhelm. 2003. “IECLB”: caminhos de uma confessionalidade (diagnósticos e prognósticos). Estudos Teológicos 43 (1): 14-28. https://doi.org/10.22351/et.v57i1.2936.

Weber, Roswithia. 2003. As comemorações da imigração no Rio Grande do Sul: o 25 de Julho, uma data e muitas histórias. Rev. Brasileira de História & Ciências Sociais 5 (10): 187-202.

Publicado
2021-05-04
Como Citar
Voigt, L. (2021). As estratégias de recomposição e rearticulação das elites do grupo étnico alemão no Brasil pós-Estado Novo: Uma análise à luz da sociologia histórica e da sociologia das elites. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(1), 144-158. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.1.36583