Impactos da Usina Hidrelétrica de Belo Monte: uma análise da visão das populações ribeirinhas das reservas extrativistas da Terra do Meio

Palavras-chave: Ribeirinhos. Reservas extrativistas. Impactos. Usina hidrelétrica de Belo Monte.

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir a área de influência dos impactos da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, em operação desde 2016 no rio Xingu, estado do Pará. A presente discussão parte da análise da visão das populações ribeirinhas das Reservas Extrativistas da Terra do Meio dos impactos da usina para problematizar a categoria espacial que se relaciona, em particular, à exclusão dessas unidades de conservação como territórios atingidos. Utilizando métodos qualitativos que envolvem trabalhos de campo, observação participante, etnografia e entrevistas semiestruturadas, este artigo pretende destacar as contradições que envolvem o não reconhecimento das populações ribeirinhas no contexto de impactos da usina hidrelétrica de Belo Monte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Adams, Cristina, Rui Murrieta e Walter Neves. 2006. Sociedades caboclas amazônicas: modernidade e invisibilidade. São Paulo: Fapesp, Annablume.

Almeida, Mauro William Barbosa de. 1993. Rubber tappers of the upper Juruá river, Brazil: the making of a forest peasant economy. Social anthropology doctoral thesis, University of Cambridge, Cambridge. https://doi.org/10.17863/CAM.16267.

Barrow, Christopher J. 2010. How is environmental conflict addressed by SIA? Environmental Impact Assessment Review 30, nº 5: 293-301. https://doi.org/10.1016/j.eiar.2010.04.001.

Bernard, Harvey Russell. 2011. Research methods in anthropology: qualitative and quantitative approaches.Lanham: Altamira Press.

Campbell, John L., Quincy Charles, Osserman Jordan and Ove K. Pedersen. 2013. Coding in-depth semistructured interviews: problems of unitization and intercoder reliability and agreement. Sociological Methods & Research 42, nº 3: 294-320. https://doi.org/10.1177%2F0049124113500475.

Fainguelernt, Maíra. B. 2013. Belo Monte: o estado democrático de direito em questão. Rio de Janeiro: Apicuri.

Fearnside, Philip M. 2006. Dams in the Amazon: Belo Monte and Brazil’s hydroelectric development of the Xingu river basin. Environmental Management 38, nº 1: 16-27. https://doi.org/10.1007/s00267-005-0113-6.

Moran, Emilio Federico, M. C Lopez, N. Moore, N. Muller, and D. W. Hyndman. 2018. Sustainable hydropower in the 21st century. Proc Natl Acad Sci (PNAS) 115, nº 47: 11891-11898. https://doi.org/10.1073/pnas.1809426115.

Nugent, S. 1993. Amazonian Caboclo Society: an essay on invisibility and peasant economy. Providence, Oxford: Berg Publishers. https://doi.org/10.1016/0261-3050(95)90055-1.

Pace, Richard. 1997. The Amazon Caboclo: What’s in a name? Luso-Brazilian Review 34, nº 2: 81-89. Acessado em jun., 2018. https://www.jstor.org/stable/3514152.

Vainer, Carlos Bernando. 2008. O conceito de “atingido”: uma revisão do debate e diretrizes. In Vidas alagadas. Conflitos socioambientais, licenciamento e barragens, organizado por Franklin Daniel Rothman, 39-63. Viçosa: Editora UFV.

Vanclay, Frank, James T. Baines and Nicholas Taylor. 2013. Principles for ethical research involving humans: ethical professional practice in impact assessment Part I. Journal Impact Assessment and Project Appraisal 31, nº 4: 243-253. https://doi.org/10.1080/14615517.2013.850307.

Velasquez, Cristina, André Villas Boas e Stephen Schwartzman. 2006. Desafio para a gestão ambiental integrada em território de fronteira agrícola no oeste do Pará. Revista de Administração Pública 40, n° 6: 1061-1075. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122006000600007.

Sack, Robert David. 1986. Human territoriality: its theory and history. Cambridge: Cambridge University Press. https://doi.org/10.1086/ahr/94.1.103.

Publicado
2020-05-26
Como Citar
Fainguelernt, M. B. (2020). Impactos da Usina Hidrelétrica de Belo Monte: uma análise da visão das populações ribeirinhas das reservas extrativistas da Terra do Meio. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 20(1), 43-52. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2020.1.35906
Seção
Os novos desafios do desenvolvimento na região amazônica