Representações e discursos sobre Amazônia na arte contemporânea: análise da cobertura jornalística sobre o trabalho dos artistas-xamãs

Palavras-chave: Amazônia. Xamanismo. Arte Contemporânea. Mídia. Ecologia.

Resumo

Este artigo se propõe a refletir sobre as representações em torno da Amazônia na cobertura midiática sobre projetos artísticos contemporâneos de Bené Fonteles e Ernesto Neto, a partir da forma como obras e artistas têm sido noticiados pela mídia. Analisa-se como entrelaçam-se temas como ecologia, meio ambiente e xamanismo em exposições e no trabalho artístico de artistas brasileiros e amazônicos, e qual a recepção destes temas no circuito da arte contemporânea, a partir de uma análise sobre como estas obras são noticiadas pela mídia. A pesquisa discute as principais categorias mobilizadas pelo discurso midiático para noticiar a repercussão destes trabalhos artísticos e quais os referenciais simbólicos associados a Amazônia presentes nestes discursos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Cordovil, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal. Universidade do Estado do Pará (Uepa), Belém, PA,

Doutora em Antropologia pela Universidade de Brasília. Professora Adjunta IV da Universidade do Estado do Para. Investigadora da Universidade Nova de Lisboa.

Referências

Bishop, Claire. 2012. Artificial hells: participatory arts and the politics of spectatorship. New York, London: Verso.

Foster, Hal. 2005. O artista como etnógrafo. In Deslocalizar a Europa: antropologia, arte, literatura e história na pós-colonialidade, organizado por Manuela Ribeiro Sanches, 158-185. Lisboa, Cotovia.

Goldstein, Ilana e Beatriz Caiuby Labate. 2017. Encontros artísticos e ayahuasqueiros: reflexões sobre a colaboração entre Ernesto Neto e os Huni Kuin. Mana 23 (3): 437-471. https://doi.org/10.1590/1678-49442017v23n3p437.

Holanda, Sérgio B. 1995. Raízes do Brasil. 26 ed. São Paulo: Companhia das Letras.

Linhares, Claudia Rodriguez-Ponga. 2018. Pequeno tratado sobre arte e magia. Tese em Artes Visuais, USP, São Paulo.

Ramos, Alcida Rita. 2012. The politics of perspectivism. Annual Review of Anthropology 41: 481- 494. https://doi.org/10.1146/annurev-anthro-092611-145950.

Sant’anna, Sabrina Marques Parracho, Guilherme Marcondes e Ana Carolina Freire Accorsi Miranda. 2017.

Arte e política: a consolidação da arte como agente na esfera pública. Sociologia e Antropologia 7 (3): 825-849. https://doi.org/10.1590/2238-38752017v737.

Santos, Boaventura de Sousa. 2007. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos Cebrap 79: 71-94. https://doi.org/10.1590/S0101-33002007000300004.

Viveiros de Castro, Eduardo. 2002. A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosaf Naif.

Publicado
2020-07-16
Como Citar
Cordovil, D. (2020). Representações e discursos sobre Amazônia na arte contemporânea: análise da cobertura jornalística sobre o trabalho dos artistas-xamãs. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 20(2), 210-220. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2020.2.35852