Desenvolvimento regional e aceitabilidade social de grandes projetos de infraestrutura: o caso da Câmara Técnica de saúde do PDRS do Xingu

Palavras-chave: Aceitabilidade social. Participação social. Hidrelétricas. Belo Monte.

Resumo

O artigo analisa o processo de aceitabilidade social da Usina Hidrelétrica de Belo Monte e as disputas em torno da responsabilização pelos impactos à saúde através da análise da Câmara Técnica de Saúde do Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu. A análise sobre a gestão desse Plano evidenciou como as relações imprecisas e conflituosas entre os setores públicos e privados afetaram as atribuições de responsabilidades em relação aos impactos socioambientais. Constatamos que as assimetrias de poder entre os grupos sociais e entre as agências de governo, as relações público-privadas, as fragilidades do pacto federativo brasileiro e a tendência para a sobreposição de esforços em participação social, sem articulação com os mecanismos de participação e controle sociais já existentes, tendem a elucidar os motivos da baixa eficácia do Plano para garantir a sustentabilidade regional do território impactado por Belo Monte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Grisotti, Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Florianópolis, SC

Doutora em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil, professora do Departamento de Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Florianópolis, SC, Brasil.

Marina Reche Felipe, Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Florianópolis, SC

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Florianópolis, SC, Brasil.

André Marconato Ramos, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP

Doutorando do Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, Brasil.

Referências

Abers, Rebecca N., Marília de Oliveira e Ana K. Pereira. 2017. Inclusive development and the asymmetric state: big projects and local communities in the Brazilian Amazon. The Journal of Development Studies 53 (6): 857- 872. https://doi.org/10.1080/00220388.2016.1208177.

Bermann, Célio. 2012. O projeto da usina Belo Monte: a autocracia energética como paradigma. Novos Cadernos NAEA 15 (1): 5-23. https://doi.org/10.5801/ncn.v15i1.895.

Castro, Edna R. de. 2012. Amazônia: sociedade, fronteiras e políticas. Caderno CRH 25 (64): 9-16. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-49792012000100001.

Castro, Edna R. de, Sara Alonso, Sabrina Nascimento, Larissa Carreira e Simy de A. Correa. 2014. Hidrelétricas na Amazônia e grandes dilemas postos à sociedade no século XXI. Papers do NAEA 418 (343): 26. Acessado em 30 de abr., 2019. http://www.naea.ufpa.br/naea/novosite/paper/418.

Cernea, Michael M. 1999. Why economic analysis is essential to resettlement. A sociologist’s view. Economic and Political Weekly 34 (31): 2149-2158. Acessado em 11 jul., 2019. https://www.jstor.org/stable/4408255.

Couto, Rosa C. S. de. 2018. Hidrelétrica de Belo Monte: impactos na saúde. In Hidrelétrica Belo Monte: impactos na saúde, organizado por Rosa Carmina de S. Couto e Rosa A. Marin, 47-78. Belém: Editora Amazônica Bookshelf.

Couto, Rosa C. S. de e José M. Silva. 2009. As questões de saúde no estudo de impacto ambiental de Belo Monte. In Painel de especialistas: análise crítica do estudo de impacto ambiental do aproveitamento hidrelétrico Belo Monte, organizado por Sonia Magalhães B. Santos e Francisco del Moral, 81-90. Acessado em 20 abr., 2019. http://www.internationalrivers.org.

Fainguelernt, Maíra. 2016. A trajetória histórica do processo de licenciamento ambiental da usina hidrelétrica de Belo Monte. Ambiente & Sociedade 19 (2): 247-263. http://dx.doi.org/10.1590/1809-4422ASOC0259R1V1922016.

Faoro, Raymundo. 2000. Os dons do Poder. São Paulo: Globo.

Fuchs, Vanessa Boanada. 2016. Blaming the weather, blaming the people: socio-environmental governance and a crisis attitude in the brazilian electricity sector. Ambiente & Sociedade 19 (2): 221-246. http://dx.doi.org/10.1590/1809-4422ASOC0260R1V1922016.

Fuchs, Vanessa B, Guillaume Leturcq e Márcia Grisotti. 2016. Acceptabilité sociale et place de la population lors de la construction du barrage de Belo Monte (Brésil). Éthique Publique. Revue Internationale d’éthique sociétale et gouvernementale 18 (1). http://doi : 10.4000/ ethiquepublique.2540.

Fearnside, Philip. M. 2017. Planned disinformation: the example of the Belo Monte dam as a source of greenhouse gases. In Brazil in the Anthropocene: conflicts between predatory development and enviromental policies, organized by Rejane Issberner and Philippe Lena, 1-20. Routledge, NewYork. Acessado em 10 ago., 2019. http://philip.inpa.gov.br/publ_livres/Preprints/2017/Belo_Monte-emissions-Planned_disinformation-Preprint.pdf .

Fearnside, Philip M. 2001. Environmental impacts of Brazil’s Tucuruí dam: unlearned lessons for hydroelectric development in Amazonia. Environmental Management 27: 377-396. https://doi.org/10.1007/s002670010156.

Fleury, Lorena C. e Jalcione Almeida. 2013. A construção da usina hidrelétrica de Belo Monte: conflito ambiental e o dilema do desenvolvimento. Ambiente & Sociedade 16: 141-156. https://doi.org/10.1590/S1414-753X2013000400009.

Leturcq, Guillaume. 2016. Diferenças e similaridades de impactos das hidrelétricas entre o Sul e o Norte do Brasil. Ambiente & Sociedade 19 (2): 267-290. http://dx.doi.org/10.1590/1809-4422ASOC0254R1V1922016 .

Moran, Emilio F. 2016. Roads and dams: infrastructure- driven transformations in the Brazilian Amazon. Ambiente & Sociedade 19 (2): 208-219. http://dx.doi.org/10.1590/1809-4422ASOC256V1922016 .

Musacchio, Aldo e Sergio Lazzarini G. 2015. Reiventando o capitalismo de Estado. O Leviatã nos negócios: Brasil e outros países. São Paulo: Portfolio-Penguin.

Ramos, André Marconato e Humberto Prates da Fonseca Alves. 2018. O conflito ambiental ao redor da usina hidrelétrica Belo Monte. Desenvolvimento e Meio Ambiente 46: 174-196. https://doi.org/10.5380/dma.v46i0.50248.

Scudder, T. 1997. Social impacts of large dams. In Large dams: learning from the past, looking at the future. Workshop proceedings, organized by Tony Dorcey, Achim Steiner, Michael Acreman e Brett Orlando.

Vainer, Carlos B. 2007. Recursos hidráulicos: questões sociais e ambientais. Estudos Avançados 21 (59): 119-137. https://doi.org/10.1590/S0103-40142007000100010.

Zhouri, Andrea. 2011. As tensões do lugar: hidrelétricas, sujeitos e licenciamento ambiental. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Publicado
2020-05-26
Como Citar
Grisotti, M., Felipe, M. R., & Ramos, A. M. (2020). Desenvolvimento regional e aceitabilidade social de grandes projetos de infraestrutura: o caso da Câmara Técnica de saúde do PDRS do Xingu. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 20(1), 32-42. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2020.1.34641
Seção
Os novos desafios do desenvolvimento na região amazônica