Quando o desenvolvimento sustentável esconde o óbvio: violação de direitos e os limites da justiça ambiental no caso da proibição de circulação de carroças em Porto Alegre

Palavras-chave: Justiça Ambiental. Desenvolvimento sustentável. Teoria do reconhecimento.

Resumo

O presente artigo busca problematizar, em um cenário marcado pelas narrativas de desenvolvimento sustentável, a insuficiência do conceito de injustiça ambiental como uma questão distributiva a partir da análise do caso da proibição de circulação de carroças na cidade de Porto Alegre. Propõe-se a análise teórica das situações de injustiça ambiental a partir da teoria do reconhecimento que, ao buscar compreender as causas de desrespeito social, pode contribuir para o desvelamento do cinismo existente em propostas de modernização ecológica que utilizam a proteção da natureza para manter ou produzir modos de exclusão social.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberta Camineiro Baggio, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS.

Doutora em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Florianópolis, SC, Brasil. Professora associada da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

Acselrad, Henri. 2004. Justiça ambiental – ação coletiva e estratégias argumentativas. In Justiça ambiental e cidadania, organizado por Henri Acselrad, Selene Herculano e José Augusto Pádua, 23-39. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Calderoni, Sabetai. 2003. Os bilhões perdidos no lixo. São Paulo: Humanitas.

Carman, María. 2015. El caballito de Boedo y el cartonero sin nombre: un abordaje crítico de los derechos animales. Revista Theomai 32: 189-209.

Honneth, Axel. 2006a. Redistribución como reconocimiento. Respuesta a Nancy Fraser. In Redistribución o reconocimiento? organizado por Nancy Fraser e Axel Honneth, 89-148. Madrid: Paidéia-Morata.

Honneth, Axel. 2006b. La cuestión del reconocimiento: réplica a la réplica. In Redistribución o reconocimiento? organizado por Nancy Fraser e Axel Honneth, 176-196. Madrid: Paidéia-Morata.

Honneth, Axel. 2007. Reconhecimento ou redistribuição? A mudança de perspectiva na ordem moral da sociedade. In Teoria crítica no século XXI, organizado por Jessé Souza e Patrícia Mattos, 79-93. São Paulo: Annablume.

Honneth, Axel. 2003. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34.

Layrargues, Philippe Pomier. 2002. O cinismo da reciclagem: o significado ideológico da reciclagem da lata de alumínio e suas implicações para a educação ambiental. In Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania, organizado por Carlos Frederico Bernardo Loureiro, Philippe Pomier Layrargues e Ronaldo Souza de Castro, 179-220. São Paulo: Cortez.

Montibeller Filho, Gilberto. 2004. O mito do desenvolvimento sustentável: meio ambiente e custos sociais no moderno sistema produtor de mercadorias. Florianópolis: Ufsc. Ramos, Luis Fernando Angerami. 1995. Meio ambiente e meios de comunicação. São Paulo: Annablume.

Sandler, Ronald e Phaedra C. Pezzullo. 2007 Introduction: revisiting the environmental justice challenge to environmentalism. In Environmental justice and environmentalism: the social justice challenge to the environmental movement, organizado por Ronald Sandler e Phaedra C. Pezzullo, 1-24. Cambridge: MIT.

Publicado
2020-07-16
Como Citar
Baggio, R. C. (2020). Quando o desenvolvimento sustentável esconde o óbvio: violação de direitos e os limites da justiça ambiental no caso da proibição de circulação de carroças em Porto Alegre. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 20(2), 187-197. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2020.2.32101