As duas maiores papeleiras do mundo e seus cativeiros de papel: reflexões sobre o caso de um assentamento localizado no bolsão sul-matogrossense

Palavras-chave: Capitalismo. Expropriação. Estado. Políticas públicas. Cativeiros de papel.

Resumo

A incidência de indústrias papeleiras na região de Três Lagoas, a partir de 2009, trouxe uma série de compromissos e consequências aos assentados da reforma agrária. Com a oferta de isenções fiscais ilimitadas, financiamento público via BNDES e outros programas e projetos de fomento industrial, as indústrias se estabeleceram e iniciaram os processos para duplicação de suas plantas industriais. Já, os assentados ficam à mercê, pois, não têm condições de obter acesso a investimentos, nem a financiamentos dos bancos públicos e demais agências de fomento. Nessa perspectiva, a única fonte de financiamento da produção agrícola familiar acaba sendo as próprias papeleiras, por meio de seus PDS – planos e programas de desenvolvimento sustentável. Apenas no assentamento onde se desenvolveu a empiria há 181 lotes, mas, menos de 20 foram beneficiados pelos financiamentos. Nesse sentido, a forma e o modelo de financiamento, a velocidade e volume de recursos aportados ficam à discricionariedade absoluta e exclusiva das próprias papeleiras, o que repercute social e economicamente entre os assentados, criando como que uma zona de aprisionamento dos assentados às papeleiras, aqui denominadas cativeiros de papel.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Ribeiro Lopes, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Três Lagoas, MS.

Doutor em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil. Docente e pesquisador na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), campus de Três Lagoas, MS.

Napoleão Miranda, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ.

Doutor em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj), Rio de Janeiro, RJ. Professor da Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ.

Referências

Acselrad, Henri. 2004. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In Conflitos ambientais no Brasil, organizado por Henri Acselrad, 13-35. Rio de Janeiro: Relume Dumará - Fundação Heinrich Böll.

Brandão, Carlos. 2010. Acumulação primitiva permanente e desenvolvimento capitalista no Brasil contemporâneo. In Capitalismo globalizado e recursos territoriais: fronteiras da acumulação no Brasil contemporâneo, organizado por Alfredo Wagner Berno Almeida, 39-69. Rio de Janeiro: Lamparina.

Costa, Heloisa Soares de Moura e Tânia Moreira Braga. 2004. Entre a conciliação e o conflito: dilemas para o planejamento e a gestão urbana e ambiental. In Conflitos ambientais no Brasil, organizado por Henri Acselrad, 195-216. Rio de Janeiro: Relume Dumará - Fundação Heinrich Böll.

Dupas, Gilberto. 2012. O mito do progresso, ou progresso como ideologia. 2 ed. São Paulo: Editora Unesp. Furtado, Celso. 1974. O mito do desenvolvimento econômico. São Paulo: Paz e Terra.

Harvey, David. 2014. O novo imperialismo. 8 ed. São Paulo: Edições Loyola.

Kudlavicz, Mieceslau. 2011. Dinâmica agrária e a territorialização do complexo celulose/papel na microrregião de Três Lagoas-MS. Dissertação em Geografia, UFMS, Três Lagoas.

Leff, Enrique. 2006. Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Lopes, José Sergio Leite. 2004. A ambientalização dos conflitos em Volta Redonda. In Conflitos ambientais no Brasil, organizado por Henri Acselrad, 217-244. Rio de Janeiro: Relume Dumará - Fundação Heinrich Böll.

Löwy, Michael. 2005. Walter Benjamin: aviso de incêndio: uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo: Boitempo.

Martínez Alier, Joan. 2014. O ecologismo dos pobres: conflitos ambientais e linguagens e valoração. 2 ed. São Paulo: Contexto.

Martins, José de Souza. 1981. O cativeiro da terra. 2 ed. São Paulo: Lech.

Marx, Karl. 1987. O capital: crítica da economia política. Livro Terceiro: o processo global da produção capitalista. v. IV, 5 ed. Rio de Janeiro: Difusão Editorial.

Paulani, Leda. 2008. Brasil delivery: servidão financeira e estado de emergência econômico. São Paulo: Boitempo.

Porto Gonçalves, Carlos Walter e Danilo Pereira Cuin. 2013. Geografia dos conflitos por terra no Brasil (2013): expropriação, violência e r-existência. In Conflitos no campo – Brasil, 2013, coordenado por Antônio Canuto, Cássia Regina da Silva Luz e Flávio Lazzarin, 18-26. Goiânia: CPT Nacional – Brasil.

Santos, Milton e Maria Laura Silveira. 2002. O Brasil: território e sociedade no início do século 21. 4 ed. Rio de Janeiro: Record.

Schlesinger, Sergio. 2008. Lenha nova para velha fornalha: a febre dos agro-combustíveis. Rio de Janeiro: Fase.

Scotto, Gabriela e Angela Ramalho Vianna. 1997. Conflitos ambientais no Brasil: natureza para todos ou somente para alguns? Rio de Janeiro: Ibase.

Publicado
2020-07-16
Como Citar
Lopes, C. R., & Miranda, N. (2020). As duas maiores papeleiras do mundo e seus cativeiros de papel: reflexões sobre o caso de um assentamento localizado no bolsão sul-matogrossense. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 20(2), 175-186. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2020.2.31532