O Estado como verdade da sociedade civil

Pedro Geraldo Aparecido Novelli

Resumo


Hegel afirma em seus “Princípios da Filosofia do Direito” que a intenção desse texto é fornecer elementos para que um Estado possa ser reconhecido enquanto tal e não dizer como um Estado deve ser. Um dos elementos que permitem o reconhecimento de um Estado é que este funda e fundamenta os momentos que o constituem e que o precedem. Assim, tanto a família quanto a sociedade civil-burguesa têm sua sustentação no que resulta delas, mas que, segundo Hegel, já se encontra na formação de cada uma delas, ou seja, no Estado que promove a suprassunção de uma e de outra em si. O objeto do presente artigo é examinar em especial a relação entre o Estado e a sociedade civil-burguesa principalmente no que diz respeito à caracterização dada por Hegel à mesma sociedade civil-burguesa e aos perigos envolvidos na determinação do Estado pela mesma sociedade civil-burguesa. De acordo com Hegel o maior perigo se dá com a submissão do interesse comum ao interesse

Palavras-chave


Privatização. Voluntarismo. Cidadania

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.2010.3.7359

ISSN-L: 0042-3955

e-ISSN: 1984-6746


Veritas - Revista Quadrimestral de Filosofia da PUCRS

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos princípios recomendados por essa organização de referência internacional em ética e integridade na publicação científica.http://www.publicationethics.orgbr>

Licencia Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS