Minimal Income as Basic Condition for Autonomy

Alessandro Pinzani

Resumo


O artigo investiga se uma renda mínima assegurada pelo Estado (que não é a mesma coisa que uma renda básica) é uma condição necessária para que indivíduos (1) atinjam um patamar básico de autonomia e (2) desenvolvam “capabilidades” que os permitam incrementar a sua qualidade de vida. Como embasamento teórico para a minha análise, utilizarei a teoria do reconhecimento de Honneth, a abordagem de “capabilidade” de Sen (também na versão oferecida por Nussbaum) e o conceito de independência de Simmel, como foi desenvolvido em sua Filosofia do Dinheiro. A renda mínima visa garantir não só a sobrevivência dos extremamente pobres (isso também poderia ser realizado através de programas emergenciais), mas também – em cooperação com outros programas do Estado, tais como educação, assistência médica e jurídica etc – permitir que esses indivíduos sejam mais independentes do seu ambiente social, onde muitas vezes a dependência constitui um forte obstáculo ao desenvolvimento da sua autonomia. A inclusão social e política de milhões de pessoas, tanto em países em desenvolvimento quanto nos países pobres, depende da existência de tais programas.

Palavras-chave


Autonomia. Capabilidades. Honneth. Reconhecimento. Renda mínima. Sen. Simmel.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.2010.1.7321

ISSN-L: 0042-3955

e-ISSN: 1984-6746


Veritas - Revista Quadrimestral de Filosofia da PUCRS

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos princípios recomendados por essa organização de referência internacional em ética e integridade na publicação científica.http://www.publicationethics.orgbr>

Licencia Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS