Canguilhem: saúde, doença e norma

Alysson Leandro Mascaro

Resumo


A relação entre o vital e o social no pensamento de Georges Canguilhem envolve uma específica reestruturação filosófica, por ele empreendida em O normal e patológico, realizando um deslocamento teórico em face das análises quantitativas da saúde quanto, ao mesmo tempo, construindo uma problemática própria a respeito da normação, fazendo com que o vital seja pensado, inexoravelmente, como a imbricação do biológico com o social, acarretando, ainda, um reposicionamento político, crítico, no que tange à consideração sobre saúde e doença.


Palavras-chave


Canguilhem. Filosofia da saúde. Vital e social. Norma.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Fábio F. de. Georges Canguilhem: vitalismo e filosofia biológica. In: ALMEIDA, Fábio F. de; SALOMON, Marlon (org.). De Bergson a Rancière: pensar a filosofia francesa do século XX. Goiânia: Ricochete, 2017.

ALMEIDA, Tiago Santos. Canguilhem e a gênese do possível: estudo sobre a historicização das ciências. São Paulo: LiberArs, 2018.

ALTHUSSER, Louis. Sobre a reprodução. Petrópolis: Vozes, 2008.

BERNARD, Claude. Introduction à l’étude de la médecine expérimentale. Paris: Flammarion, 2010.

CAMOLEZI, Marcos. Sobre o conceito de invenção em Gilbert Simondon. Scientiae Studia, São Paulo, v.13, n. 2, 2015. https://doi.org/10.1590/S1678-31662015000200010.

CANGUILHEM, George. Vida. Veritas, Porto Alegre, v. 60, n. 2, 2015. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2015.2.22005.

CANGUILHEM, Georges. La pensée de René Leriche. In: CANGUILHEM, Georges. OEuvres complètes: Résistance, philosophie biologique et histoire des sciences (1940-1965). Paris: Vrin, 2015. t. 4.

CANGUILHEM, Georges. Le fascisme et les paysans. In: CANGUILHEM, Georges. OEuvres complètes: Écrits philosophiques et politiques (1926-1939). Paris: Vrin, 2011. t. 1.

CANGUILHEM, Georges. Ideologia e racionalidade nas ciências da vida. Lisboa: Edições 70, 1977.

CANGUILHEM, Georges. O conhecimento da vida. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

CARRION, Rejane. A ideologia médico-social no sistema de A. Comte. Porto Alegre: IFCH-UFRGS, 1977.

COELHO, Maria Thereza Ávila Dantas; ALMEIDA FILHO, Naomar de. Análise do conceito de saúde a partir da epistemologia de Canguilhem e Foucault. In: GOLDENBERG, P.; MARSIGLIA, R. M. G.; GOMES, M. H. A. (org.). O clássico e o novo: tendências, objetos e abordagens em ciências sociais e saúde. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2003.

COELHO, Ruy. Indivíduo e sociedade na teoria de Auguste Comte. São Paulo: Perspectiva e CESA, 2005.

CZERESNIA, Dina. Categoria vida: reflexões para uma nova biologia. São Paulo: Ed. Unesp; Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.

DELAPORTE, François. Foucault, Canguilhem et les monstres. In: BRAUNSTEIN, Jean-François (org.). Canguilhem: histoire des sciences et politique du vivant. Paris : PUF, 2007. https://doi.org/10.3917/puf.braun.2007.01.0091.

DUTRA, Luiz Henrique de Araújo. Claude Bernard, o vitalismo e o materialismo. In: RUSSO, Marisa; CAPONI, Sandra (org.). Estudos de filosofia e história das ciências biomédicas. São Paulo: Discurso Editorial, 2006.

ELDEN, Stuart. Canguilhem. Medford: Polity Press, 2019.

GIROUX, Élodie. Après Canguilhem: definir la santé et la maladie. Paris: PUF, 2010. https://doi.org/10.3917/puf.girou.2010.01.

HACKING, Ian. Canguilhem parmi les cyborgs. In: BRAUNSTEIN, Jean-François (org.). Canguilhem: histoire des sciences et politique du vivant. Paris: PUF, 2007. https://doi.org/10.3917/puf.braun.2007.01.0113.

LABREA, Vanessa Nicola; MADARASZ, Norman Roland. Organismo e função reguladora: determinações do vivo em Georges Canguilhem. Veritas, Porto Alegre, v. 60, n. 2, 2015. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2015.2.21869.

LE BLANC, Guillaume. Le pluralisme des valeurs de la science chez Canguilhem. In: CASSOU-NOGUES, P.; GILLOT, P. (org.). Le concept, le sujet et la science: Cavaillès, Canguilhem, Foucault. Paris: Vrin, 2011.

LE BLANC, Guillaume. Canguilhem y las normas. Buenos Aires: Nueva Visión, 2004.

LECOURT, Dominique. Normas. In: RUSSO, Marisa; CAPONI, Sandra (org.). Estudos de filosofia e história das ciências biomédicas. São Paulo: Discurso Editorial, 2006.

LECOURT, Dominique. Georges Canguilhem. Paris: PUF, 2008.

LERICHE, René. L’idée de l’Homme dans la thérapeutiquz. In: CLARKE, Robert (org.). René Leriche ou l’humanisme en chirurgie. Paris: Seghers, 1962.

MACHEREY, Pierre. Georges Canguilhem, um estilo de pensamento. Goiânia: Almeida & Clément, 2010.

MASCARO, Alysson Leandro. Crise e golpe. São Paulo: Boitempo, 2018.

MASCARO, Alysson Leandro. Estado e forma política. São Paulo: Boitempo, 2013.

MASCARO, Alysson Leandro. Introdução ao estudo do direito. São Paulo: GEN-Atlas, 2019.

MOREIRA, Adriana Belmonte. Clínica e resistência: contribuições da racionalidade vitalista de Canguilhem ao campo da saúde. São Paulo: Scientiae Studia, 2019.

PORTOCARRERO, Vera. As ciências da vida: de Canguilhem a Foucault. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2009. https://doi.org/10.7476/9788575414101.

SAFATLE, Vladimir. O que é uma normatividade vital? Saúde e doença a partir de Georges Canguilhem. Scientiae Studia. São Paulo, v. 9, n. 1, 2011.

SAFATLE, Vladimir. Uma certa latitude: Georges Canguilhem, biopolítica e vida como errância. Scientiae Studia. São Paulo, v. 13, n. 2, 2015. https://doi.org/10.1590/S1678-31662015000200005.

SIMONDON, Gilbert. El modo de existencia de los objetos técnicos. Buenos Aires: Prometeo, 2013.

VAGELLI, Matteo. Canguilhem e le ideologie storiografiche. In: LUPI, Fiorenza; PILOTTO, Stefano (org.). Infrangere le norme. Vita, scienza e tecnica nel pensiero di Georges Canguilhem. Milão: Mimesis, 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.2020.1.35902

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN-L: 0042-3955 | e-ISSN: 1984-6746


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada. Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS