Um problema para a epistemologia anti-sorte de Pritchard

Lucas Roisenberg Rodrigues

Resumo


Este artigo propõe uma crítica à epistemologia anti-sorte, tal como defendida por Duncan Pritchard. A teoria de Pritchard é uma das mais bem desenvolvidas explorações do conceito de sorte, e da sua significação epistêmica. Ele julga possível derivar uma condição que exclua a sorte epistêmica a partir de uma análise modal do conceito de sorte. A cláusula epistêmica resultante é uma condição denominada princípio de segurança. Após apresentar a teoria e algumas de suas motivações, argumento que ela não consegue responder a uma objeção apresentada por Mark McEvoy, e que consiste em uma variação do exemplo da loteria. Por fim, alego que o princípio de segurança, tal como defendido por Pritchard, não captura corretamente nossas intuições sobre quando sorte está ausente ou presente.


Palavras-chave


análise do conhecimento; sorte epistêmica; sorte; segurança.

Texto completo:

PDF

Referências


DANCY, J.. An introduction to contemporary epistemology. Oxford: Blackwell,1985.

HETHERINGTON, S. Good knowledge, bad knowledge: On two dogmas of epistemology. Boulder: Clarendon Press, 2001.

HETHERINGTON, S. “Actually knowing”. The Philosophical Quarterly, 48, 193 (1998), p. 453-469.

LEWIS, D.. Counterfactuals. Oxford: Blackwell Publishing, 1973.

MCEVOY, Mark. “The Lottery Puzzle and Pritchard’s safety Analysis of Knowledge”. Journal of Philosophical Research, 34 (2009), p. 7–20.

PRITCHARD, D. Epistemic luck. New York, USA: Oxford University Press, 2005.

________. Knowledge, luck, and lotteries. In: HENDRICKS, V.;

PRITCHARD, D. (org.). New Waves in epistemology. NY: Palgrave Macmillan, 2008, p. 28-51.

________. “Safety-Based Epistemology: whiter now?”. Journal of Philosophical Research, 34 (2009), p. 33-45.

________. “Anti-luck virtue epistemology”. The Journal of Philosophy, 109, 3, (2012a), p. 247-279.

________. In defense of modest anti-luck epistemology. In: BECKER, K.; BLACK, T.. (Org.). The Sensitivity Principle in Epistemology. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2012b, p. 173-192.

RODRIGUES, L.. As epistemologias modais e seus críticos. 2017. 123f. Tese (Doutorado em filosofia) – Instituto de Humanidades, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande Do Sul (PUCRS), Porto Alegre, 2017

RUSSELL, B. The problems of philosophy. Oxford, UK: Oxford University Press, 2001.

________. Human knowledge: Its scope and its limits. New York: Simon & Schuster, 1948.

SHOPE, R. The Analysis of Knowing: A Decade of Research. Princeton, New Jersey: Princeton University Press, 1983.

SOSA, E. “How must knowledge be modally related to what is known?”. Philosophical Topics, 26, 1(1999a), p. 373–384.

________. “How to defeat opposition to Moore”. Philosophical perspectives, 13(1999b), p. 141- 153.

STALNAKER, R. A Theory of Conditionals. In: Rescher, N (ed.). Studies in Logical Theory. Oxford, UK: Oxford University Press, 1981, p. 98-112.

UNGER, P. “An analysis of factual knowledge”. The Journal of Philosophy, 65, 6 (1968), p. 157-170.

WILLIAMSON, T. Knowledge and Its Limits. Oxford, UK: Oxford University Press, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.2017.3.28460



ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


ISSN-L: 0042-3955 | e-ISSN: 1984-6746


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada. Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS