Impacto das Políticas de Gestão de Pessoas sobre o Desenvolvimento Profissional dos Trabalhadores

Ana Claudia Fernandes Monteiro, Luciana Mourão, Clarissa Pinto Pizarro de Freitas

Resumo


O mundo globalizado demanda atuação estratégica da gestão de pessoas no ambiente laboral. O objetivo deste estudo foi investigar a influência da percepção de estratégias de gestão de pessoas sobre a percepção de desenvolvimento profissional. A amostra (de conveniência) contemplou 562 profissionais de diferentes áreas de atuação em organizações públicas e privadas, sendo que 15,4% ocupavam cargos gerenciais. O questionário continha a Escala de Percepção Evolutiva do Desenvolvimento Profissional; e a Escala de Percepção de Políticas de Gestão de Pessoas. Os resultados da análise por equações estruturais apontaram um modelo com bom ajuste, em que a percepção de políticas que estimulam o envolvimento com o trabalho e o treinamento são preditores da percepção de desenvolvimento profissional. As conclusões corroboram a literatura da área acerca da influência das políticas de gestão de pessoas sobre as percepções dos trabalhadores e convidam à reflexão daqueles que pesquisam e atuam na área.


Palavras-chave


desenvolvimento profissional, envolvimento com o trabalho, avaliação de desempenho e competências, treinamento.

Texto completo:

PDF

Referências


Bastos, A. V. B., Maia, L. G., Rodrigues, A. C. A., Macambira, M. O., & Borges-Andrade, J. E. (2014). Vínculos dos Indivíduos com a Organização: Análise da Produção Científica Brasileira 2000-2010. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 30(2), 153-162. Retirado de: periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/download/20945/14998. https://doi.org/10.1590/s0102-37722014000200004

Bell, B. S., Tannenbaum, S. I., Ford, J. K., Noe, R. A., & Kraiger, K. (2017). 100 Years of Training and Development Research: What We Know and Where We Should Go. Journal of Applied Psychology, 102(3), 305-323. https://doi.org/10.1037/apl0000142

Brito, F. F. S. (2011). A influência da avaliação de desempenho para o desenvolvimento profissional dos colaboradores: um estudo de multicasos na Amazônia. Revista de Administração de Roraima, 1(2), 67-83. https://doi.org/10.18227/rarr.v1i1.587

Byrne, B. M. (2000). Strutuctural equation modeling with AMOS. New York, London: Psychology Press - Taylor, Francis Group.

Cappi, M. N., & Araujo, B. F. V. B. (2015). Satisfação no trabalho, comprometimento organizacional e intenção de sair: um estudo entre as gerações x e y. Revista Eletrônica de Administração, 21(3), 576-600. https://doi.org/10.1590/1413-2311.0782014.54843

Castro, A. B. C., Brito, L. M. P., & Varela, J. H. S. (2017). A ressignificação da área de gestão de pessoas e os novos papéis das pessoas e das organizações. Holos, 4, 408-423. https://doi.org/10.15628/holos.2017.5168

Cheema, J. R. (2014). Some General Guidelines for Choosing Missing Data Handling Methods in Educational Research. Journal of Modern Applied Statistical Methods, 13(2). https://doi.org/10.22237/jmasm/1414814520

Cleveland, J. N., Byrne, Z. S., & Cavanagh, T. M. (2015). The future of HR is RH: Respect for humanity at work. Human Resource Management Review, 25(2), 146-161. https://doi.org/10.1016/j.hrmr.2015.01.005

Cohen, D. J. (2015). HR past, present and future: A call for consistent practices and a focus on competencies. Human Resource Management Review, 25(2), 205-215. https://doi.org/10.1016/j.hrmr.2015.01.006

Coelho-Júnior, F. A., & Mourão, L. (2011). Suporte à aprendizagem informal no trabalho: uma proposta de articulação conceitual. Revista de Administração Mackenzie, 12(6), 224-253. https://doi.org/10.1590/s1678-69712011000600010

Crook, T. R., Todd, S. Y., Combs, J. G., Woehr, D. J., & Ketchen, D. J.(2011). Does human capital matter? A meta-analysis of the relationship between human capital and firm performance. Journal of Applied Psychology, 96(3), 443–456. https://doi.org/10.1037/a0022147

Demo, G., Fogaça, N., Nunes, I., Edrei, L., & Francischeto, L. (2011). Políticas de gestão de pessoas no novo milênio: cenário dos estudos publicados nos periódicos da área de administração entre 2000 e 2010. RAM- Revista de Administração Mackenzie, 12(5), 15- 42. https://doi.org/10.1590/s1678-69712011000500002

Demo, G., Neiva, E. R., Nunes, I., & Rozzett, K. (2012). Human Resources Management Policies and Practices Scale (HRMPPS): Exploratory and Confirmatory Factor Analysis. BAR–Brazilian Administration Review, 9(4), 395-420. https://doi.org/10.1590/s1807-76922012005000006

Demo, G., Martins, P. R., & Roure, P. (2013). Políticas de gestão de pessoas, comprometimento organizacional e satisfação no trabalho na livraria cultura. Revista Alcance – Eletrônica, 20(02), 237-254. https://doi.org/10.14210/alcance.v20n2.p237-254

Fiuza, G. D. (2010). Políticas de gestão de pessoas, valores pessoais e justiça organizacional. RAM- Revista de Administração Mackenzie, 11(5), 55-81. https://doi.org/10.1590/s1678-69712010000500004

Haemer, H. D., Borges-Andrade, J. E., & Cassiano, S. K. (2017). Learning strategies at work and professional development. Journal of Workplace Learning, 29(6), 490-506. https://doi.org/10.1108/jwl-05-2016-0037

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B.J., &Anderson, R. (2014).Multivariate Data Analysis (7th ed.). London: Pearson.

Hill, H. C., Beisiegel, M., & Jacob, R. (2013). Professional development research: consensus, crossroads, and challenges. Educational Researcher, 42(9) 476-487. https://doi.org/10.3102/0013189x13512674

Illeris, K. (2007).What do we actually mean by experiential learning? Human Resource Development Review, 6(1), 84-95. https://doi.org/10.1177/1534484306296828

Kline, R. B. (2011). Principles and practice of structural equation modeling. (3rd ed.). New York: The Guilford Press.

Langmann, S., & Thomas, S. R. (2017). Rethinking training evaluation: omnidirectional evaluation, range of audience and intentional change. The International Journal of Human Resource Management,1-26. https://doi.org/10.1080/09585192.2017.1303782

Monteiro, A. C. F., & Mourão, L. (2017). Desenvolvimento profissional: a produção científica nacional e estrangeira. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 17(1), 39-45. https://doi.org/10.17652/rpot/2017.1.12246

Morgeson, F. P., Brannick, M. T., & Levine, E. L. (2019). Job and work analysis: Methods, research, and applications for human resource management. Sage Publications. https://doi.org/10.4135/9781483329505

Mourão, L. (2018). The Role of Leadership in the Professional Development of Subordinates. In S. Göker (Ed.). Leadership (pp. 123-138). London: IntechOpen.

Mourão, L., Porto, J. B., & Puente-Palácios, K. (2014). Construção e evidências de validade de duas escalas de percepção de desenvolvimento profissional. Psico - USF, 19(1), 73-85. https://doi.org/10.1590/s1413-82712014000100008

Noe, R. A., Clarke, A. D. M., & Klein, H. J. (2014). Learning in the Twenty-First Century Workplace. Annual Review Organizational Psychology and Organizational Behavior, 1(1), 245-275. https://doi.org/10.1146/annurev-orgpsych-031413-091321

Paquay, L., Wouters, P., & Van Nieuwenhoven, C. (2012). A avaliação, freio ou alavanca do desenvolvimento profissional? In L Paquay, P. Wouters, & C. Van Nieuwenhoven, (Orgs.), A avaliação como ferramenta de planejamento do desenvolvimento profissional de educadores (pp.13-39). Porto Alegre: Penso. https://doi.org/10.11606/d.18.2002.tde-27052004-110812

Peixoto, A. L. A., & Caetano, A. (2013). Avaliação de desempenho. Em: L. O. Borges & L. Mourão (Orgs.). O trabalho e as organizações: Atuações a partir da psicologia.(pp 528-556). Porto Alegre: Artmed.

Philadelpho, P. B. G., & Macêdo, K. B. (2007). Avaliação de desempenho como um instrumento de poder na gestão de pessoas. Aletheia, 26, 27-40. Disponível em: pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n26/n26a03.pdf.

Pinho, A. P. M., Bastos, A. V. B., Rowe, D. E. O. (2015). Diferentes Vínculos Indivíduo-Organização: Explorando Seus Significados entre Gestores. Revista de Administração Contemporânea, 19(3), 288-304. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac20151635

Ribeiro, V. V., & Mourão, L. (2016). Percepção dos docentes do ensino fundamental sobre seu desenvolvimento profissional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 17(1), 55-65. Retirado de: http://pepsic. bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttextHYPERLINK “http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902016000100007”&HYPERLINK “http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902016000100007”pid= -S1679-33902016000100007

Richardson, H.A., Simmering, M.J., & Sturman, M.C. (2009). A tale of three perspectives: Examining post hoc statistical techniques for detection and correction of common method variance. Organizational Research Methods, 12(4), 762–800. https://doi.org/10.1177/1094428109332834

Sackett, P. R., Lievens, F., Van Iddekinge, C. H., & Kuncel, N. R. (2017). Individual Differences and Their Measurement: A Review of 100 Years of Research. Journal of Applied Psychology, 102(3), 254-273. https://doi.org/10.1037/apl0000151

Santos, R. R. R. R. (2014). Comprometimento, entrincheiramento e percepção de desenvolvimento profissional de professores do ensino médio. (Dissertação de Mestrado). Universidade Salgado de Oliveira. Niterói. Rio de Janeiro. https://doi.org/10.11606/t.48.2006.tde-08102007-204729

Schmidt, B., Krawulski, E., & Marcondes, R. C. (2013). Psicologia e Gestão de Pessoas em Organizações de Trabalho: investigando a perspectiva estratégica de atuação. Revista de Ciências Humanas, 47(2), 344-361. https://doi.org/10.5007/2178-4582.2013v47n2p344

Singh, A., & Gupta, B. (2015). Job involvement, organizational commitment, professional commitment, and team commitment. A study of generational diversity. International Journal, 22(6), 1192-1211. https://doi.org/10.1108/bij-01-2014-0007

Stone, D. L., & Deadrick, D. L. (2015). Challenges and opportunities affecting the future of human resource management. Human Resource Management Review, 25(2), 139-145. https://doi.org/10.1016/j.hrmr.2015.01.003

Tonelli, M. J., Caldas, M. P.,Lacombe, B. M. B., & Tinoco, T. (2003). Produção acadêmica em recursos humanos no Brasil: 1991-2000. Revista de Administração Eletrônica, 43(1), 105-122. https://doi.org/10.1590/s0034-75902003000100011

Vanhala, M., & Ritala, P. (2016). HRM practices, impersonal trust and organizational Innovativeness.Journal of Managerial Psychology, 31(1), 95-109.

White, M. C., Peterschmidt, J., Callahan, J., Fitzgerald, J. E., & Close, K. L. (2017). Interval follow up of a 4-day pilot program to implement the WHO surgical safety checklist at a Congolese hospital. Globalization and Health, 13(42), 1-9. https://doi.org/10.1186/s12992- 017-0266-0




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2019.4.29665

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.