Xingamento ou preconceito: um estudo sobre a expressão do preconceito racial no futebol

Andreza Silene Silva Ferreira, Eldo Lima Leite, Aíla Souza Muniz, José Roniere Morais Batista, Ana Raquel Rosas Torres, José Luis Álvaro Estramiana

Resumo


Este trabalho teve como objetivo analisar em que medida o preconceito racial no futebol medeia a relação entre o uso de agressões verbais e a concordância com posicionamentos que negam a existência do preconceito racial no futebol. Participaram desta pesquisa 295 estudantes universitários da Paraíba, com idades entre 15 e 61 anos (M = 21, DP = 6,01) sendo 109 do sexo masculino e 185 do sexo feminino. Os resultados indicaram que a variável “preconceito racial” mediou totalmente a relação entre a agressão verbal e a concordância com as ações judiciais. Assim, as agressões verbais não seriam apenas manifestações de atitudes negativas direcionadas ao time rival, mas ao estarem associadas, de maneira significativa, com o preconceito, convertem-se em uma poderosa forma de legitimação do preconceito racial ao negar sua existência.


Palavras-chave


preconceito racial; agressão verbal; racismo no futebol

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Allport, G. W. (1954). The nature of prejudice. Cambridge, MA: Addison-Wesley.

Almeida, M. M. & Rodrigues, F. X. F. (2015). O mito da democracia racial, racismo e futebol: um debate sociológico. Novos Rumos Sociológicos, 3(3).

Álvaro, J. L., Morais, T., Torres, A. R. R., Pereira, C. R., Garrido, A., & Camino, L. (2015). The Role of Values in Attitudes towards Violence: Discrimination against Moroccans and Romanian Gypsies in Spain. The Spanish Journal of Psychology, 18, E63-12. https://doi.org/10.1017/sjp.2015.65

Baron, R. M. & Kenny, D. A. (1986). The moderator-mediator variable distinction in social psychological research: Conceptual, strategic, and statistical considerations. Journal of Personality and Social Psychology, 51, 1173-1182.https://doi.org/10.1037//0022-3514.51.6.1173

Barradas, M. S. S. & Lopes, O. G. (2013). Dribladores: passes e impasses do racismo no futebol carioca. Mnemosine, 9(1), 245-263.

Bartel, C. E. (2014). Manifestações de Racismo e de Intolerância no Brasil Contemporâneo. História Unicap, 1(1), 104-118.

Batista, J. R. M., Leite, E. L., Torres, A. R. R., & Camino, L. (2014). Negros e Nordestinos: similaridades nos estereótipos raciais e regionais. Psicologia Política, 14(30), 325-345.

Bradbury, S. (2013). Institutional racism, whiteness and the under-representation of minorities in leadership positions in football in Europe. Soccer & Society, 14(3), 296-314. https://doi.org/10.1080/14660970.2013.801262

Brown, R. J. (2010). Prejudice: its social psychology. Malden, Massachusetts, USA: Blackwell Publishers Inc. Cabecinhas, R. (2008). Racismo e Xenofobia: a actualidade de velha questão. Comunicação e Cidadania, 2, 1886-8975. http://hdl.handle.net/1822/9639

Camino, L., Álvaro, J. L., Torres, A. R. R., Garrido, A., Morais, T., & Barbosa, J. (2013). Explaining Social Discrimination: Racism in Braziland Xenophobia in Spain. Spanish Journal of Psychology, 16, e73, 1-13. https://doi.org/10.1017/sjp.2013.65

Camino, L., Da Silva, P., Machado, A., & Pereira, C. (2001). A face oculta do racismo no Brasil: uma análise psicossociológica. Revista Psicologia Política, 1(1), 13-36.

Cervi, T. de A. N. (2014). Intolerância e racismo no futebol: a racialização do outro. ComCiência, 159, Campinas.

Dos Santos, E. D., Neta, M. D. C. M. A., & dos Santos, R. D. (2015). A questão das relações étnicas no Brasil: (não) somos racistas?! Cadernos Imbondeiro, 3(2).

Fernandes, F. (2015). O negro no mundo dos brancos. [S.l.]: Global Editora.

Fernandes, S. C. S., Almeida, S. S. M. & Nascimento, C. B. S. (2008). Análise do preconceito racial em uma amostra de crianças brancas de 5 a 8 anos de idade. Psico, Porto Alegre, PUCRS, 39(4), 441-447.

Giglio, S. S., Tonini, M. D., & Rubio, K. (2014). “Do céu ao inferno”: a história de Baiano no Boca Juniors e os racismos no futebol. Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, 49. e-ISSN 2176-2767; ISSN 0102-4442.

Gonzaga, Y. M. (2014). Relações raciais em uma Universidade Pública Federal Brasileira: um campo em aberto.

Gregório, F. & Melo, B. M. (2015). Preconceito racial no esporte nacional. Esporte e Sociedade, 24, 1-31.

Guterman, M. (2013). O futebol explica o Brasil: Uma história da maior expressão popular do país. São Paulo: Contexto.

Lima, M. O. & Vala, J. (2004). As novas formas de expressão do preconceito e do racismo. Estudos de Psicologia, 9, 401-411. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2004000300002

Lins, S. L. B., de Lima-Nunes, A. V., & Camino, L. (2014). O papel dos valores sociais e variáveis psicossociais no preconceito racial brasileiro. Psicologia & Sociedade, 26(1), 12. https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000100011

Lise, R. S., Souza, M. T. O., Jensen, L., & Capraro, A. M. (2015). O caso Tinga: analisando (mais) um episódio de racismo no futebol sul-americano. Pensar a Prática, 18(4). https://doi.org/10.5216/rpp.v18i4.32123.

Llopis-Goig, R. (2013). Racism, xenophobia and intolerance in Spanish football: evolution and responses from the government and the civil society. Soccer & Society, 14(2), 262-276. https://doi.org/10.1080/14660970.2013.776461

Nunes, S. D. S. (2014). Racismo contra negros: sutileza e persistência. Revista Psicologia Política, 14(29), 101-121.

Pereira, C. R. & Vala, J. (2010). Do preconceito à discriminação justificada. In-Mind_Português, 1, 1-13.

Peucker, M. (2009). Racism, xenophobia and structural discrimination in sports. European forum for migration studies (efms). Bamberg. https://doi.org/10.1007/978-3-531-91692-7_11

Preacher, K. J. & Hayes, A. F. (2004). SPSS and SAS procedures for estimating indirect effects in simple mediation models. Behavior Research Methods, Instruments, and Computers, 36, 717-731. https://doi.org/10.3758/BF03206553

Preacher, K. J. & Hayes, A. F. (2008). Asymptotic and resampling strategies for assessing and comparing indirect effects in multiple mediator models. Behavior Research Methods, 40, 879-891. https://doi.org/10.3758/BRM.40.3.879

Rodrigues, K. De C. (2013). Esporte e folkcomunicação: o futebol mostra a brasilidade. RIF, Ponta Grossa/PR, 11(24), 66-81.

Santos, T. C. (2014). A Campanha #somostodosmacacos de Neymar: uma reflexão sobre o racismo no futebol. São Paulo: Congresso Internacional de comunicação e consumo.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2017.2.25170

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623

ISSN-L: 0103-5371

*********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS