Educação infantil em contexto não urbano: um estudo com educadoras

Lucivanda Cavalcante Borges, Dalila Castelliano Vasconcelos, Nádia Maria Ribeiro Salomão

Resumo


creche assume um papel cada vez mais relevante na dinâmica familiar e no desenvolvimento infantil. Estes serviços de atendimento à infância, como construções sociais e culturais, são também desenvolvidos a partir de concepções que cada sociedade constrói para as crianças. Neste artigo, buscou-se investigar as concepções de educadoras sobre o papel das creches não urbanas no desenvolvimento infantil. Participaram 21 educadoras de creches não urbanas do interior de Pernambuco. A partir da utilização de uma entrevista semiestruturada, os resultados mostraram que a creche tem como função suprir as necessidades básicas das crianças e estimular seu desenvolvimento. Em relação ao papel do educador, as participantes ressaltaram o estímulo ao desenvolvimento, oferecer afeto e disciplina à criança. Esses resultados apontam para a importância da formação dos educadores e valorização de seu papel profissional, considerando as características do contexto sociocultural não urbano.


Palavras-chave


Creche; Educador; Contexto não urbano.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, A. M. O. & Cunha, G. G. (2003). Representações sociais do desenvolvimento humano. Psicologia: Reflexão e Critica, 16(1), 147-155. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-79722003000100015

Asbahr, F. S. F. & Nascimento, C. P. (2013). Criança não é Manga, não Amadurece: conceito de maturação na teoria históricocultural. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(2), 414-427. http://dx.doi.org/10.1590/s1414-98932013000200012

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Becker, F. da R. (2008). A educação infantil no Brasil: a perspectiva do acesso e do financiamento. Revista Iberoamericana de Educación, 47, 141-155.

Brasil. (2014). INEP/MEC. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica – Caderno de Instrução. Disponível em: http: //www.portal.inep.gov.br/básica-censo.

Brasil. (2013). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional da Educação. Câmara Nacional de Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI.

Brasil. (2009a). Ministério da Educação. Programa Mais Educação – passo a passo por Maria Eliane Santos et al. Brasília: MEC – Secad. Disponível em: http://www.portal.mec.gov.br/dmdocuments/passoapasso_maiseducacao.pdf.

Acesso em 30 de setembro de 2015. Brasil. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 90394/96 de 20 de dezembro. http://www.ffclrp.usp.br/graduacoes/estagio/legislacao/lein9394.pdf. Acesso em 15 de outubro de 2015.

Brasil. (1990). Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei Federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial, 2002.

Campos, M. M., Fullgraf, J., & Wiggers, V. (2006). A qualidade da educação infantil brasileira: alguns resultados de pesquisa. Cadernos de Pesquisa, 36, 127, 87-128. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-5742006000100005

Carvalho, R. S. (2014). O imperativo do afeto na educação infantil: a ordem do discurso de pedagogas em formação. Educação e Pesquisa, 40(1), 1-16. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022013005000026

Coelho, A. (2009). Intencionalização educativa em Creche. Revista Iberoamericana de Educación, 49(5), 1681-5653.

Cró, M. L. & Pinho, A. M. (2011). A primeira infância e a avaliação do desenvolvimento pessoal e social. Revista Iberoamericana de Educación, 56(1), 1681-5653.

Gomes, R. C. O. (2008). Concepções de mães e professoras de educação infantil. In V. Vasconcellos, L. Aquino, & A. Dias (Ed.). Psicologia e educação infantil (p. 147-166). Araraquara: Junqueira & Marin Editores.

Gomes, V. L. O., Silva, A. L., & Ern, E. (2003). O cuidado de crianças em creche: um espaço para a enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, 24(2), 147.

Harkness, S. & Super, C. (2013). Cultura e política no desenvolvimento na primeira infância. In R. E. Tremblay, M. Boivin, & R. D. V. Peters (Eds), Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância [on-line]. Montreal, Quebec: Centre of Excellence for Early Childhood Development e Strategic Knowledge Cluster on Early Child Development. Disponível em: http://www.enciclopedia-crianca.com/documents/Harkness-SuperPRTxp1.pdf

Harkness, S. & Super, C.M. (1992). The developmental

niche: A theoretical framework for analyzing the household production of health. Social Science and Medicine, 38, 217-226. http://dx.doi.org/10.1016/0277-9536(94)90391-3

Jorge, A S., Reis, A. C., & Nascimento, C. S. P. (2008). Práticas cotidianas e concepções de desenvolvimento de professoras da educação infantil. In V. Vasconcellos, L. Aquino, & A. Dias (Ed.), Psicologia e educação infantil (pp. 71-94). Araraquara: Junqueira & Marin Editores.

Musatti, T. (2003). Programas educacionais para a pequena infância na Itália. Revista Brasileira de Educação, 24, 66-77. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-24782003000300006

Maranhão, D. G. (2000). O cuidado como elo entre saúde e educação. Cadernos de Pesquisa, 111, 115-133. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742000000300006

Moreira, L. V. C. & Lordelo, E. R. (2002). Creche em ambiente urbano pobre: ressonâncias no ecossistema desenvolvimental. Interação em Psicologia, 6(1), 1-13. http://dx.doi.org/10.5380/psi.v6i1.3189

Pacheco, A. L. P. & Dupret, L. (2004). Creche: Desenvolvimento ou sobrevivência? Psicologia USP, 15(3), 103-116. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642004000200006

Ramos, D. D. & Salomão, N. M. R. (2012). Interação educadora-criança em creches públicas: estilos linguísticos. Psicologia em Estudo, 17(1), 15-25. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722012000100003

Rosemberg, F. & Artes, A. (2012). O rural e o urbano na oferta de educação para crianças de até 6 anos. In Barbosa, M. C. S. et al. (Org.), Oferta e demanda de educação infantil no campo (pp. 13-69). Porto Alegre: Evangraf.

Silva, A. P. S. & Souza, T. N. (2014). Educación de ni-os y ni-as de 0 a 5 a-os em brasil: retos para la política y práctica de la educación infantil en el medio rural. Tabanque Revista pedagógica, 27, 65-82.

Silva, A. P. S., Pasuch, J., & Silva, J. B. (2012). Educação infantil do campo. São Paulo: Cortez.

Volpato, C. F. & Melo, S. A. (2005) Trabalho e Formação dos Educadores de creche em Botucatu: Reflexões críticas. Cadernos de Pesquisa, 35(126), 723-745. http://dx.doi.org/10.1590/s0100-15742005000300010

Vygotsky, L. S. (1984/2015). A formação social da mente (7ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2016.3.22567

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.