As Atribuições de Causalidade no Ensino Fundamental: Relações com Variáveis Demográficas e Escolares

Natália Rodovalho Garcia, Evely Boruchovitch

Resumo


Este artigo tem como objetivo identificar as atribuições de causalidade para sucesso e fracasso escolar, bem como verificar se existem relações entre essas atribuições e variáveis como sexo, repetência, idade e escolaridade. Participaram do estudo 275 alunos do 5º ao 9º ano de uma escola pública de Minas Gerais. A coleta de dados foi realizada por meio de um Questionário Demográfico e de uma Escala de Avaliação das Atribuições de Causalidade para Sucesso e Fracasso Escolar. Os dados foram analisados de acordo com os procedimentos da estatística descritiva e inferencial. A maioria dos participantes atribuiu a causas internas e controláveis os resultados escolares. Relações significantes entre as atribuições de causalidade e as variáveis demográficas e escolares foram encontradas. Os dados são discutidos em termos do importante papel da escola na promoção de atribuições causais compatíveis com a aprendizagem de qualidade.


Palavras-chave


Atribuições causais; Variáveis demográficas e escolares; Ensino fundamental.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, L. S. & Guisande, M. A. (2010). Atribuições Causais na Explicação da Aprendizagem Escolar. In E. Boruchovitch, J. A. Bzuneck, & S. E. R. Guimarães (Orgs.). Motivação para Aprender – aplicações no contexto educativo. (pp. 145-166). Petrópolis: Vozes.

Almeida, L. S., Miranda, L., & Guisande, M. A. (2008). Atribuições Causais para o Sucesso e Fracasso Escolares. Estudos em Psicologia, 25(2), 169-176. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2008000200001

Almeida, L. S., Miranda, L. C., Salgado, A. M., Silva, M., & Martins, V. A. (2012). Impacto da Capacidade cognitiva e das atribuições causais no rendimento escolar na Matemática. Quadrante, 21(1), 55-66.

Barreira, S. D. (2010). Teorias Cognitivas da motivação e sua Relação com o Desempenho Escolar. Poíesis Pedagógica, 8(2), 159-175.

Boruchovitch, E. (1994). As variáveis psicológicas e o processo de aprendizagem: uma contribuição para a Psicologia Escolar. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 10(1), 111-128.

Boruchovitch, E. (2001). Conhecendo as Crenças sobre Inteligência, Esforço e Sorte de Alunos Brasileiros em Tarefas Escolares. Psicologia: Reflexão e Crítica, 14(3), 461-467. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722001000300003

Boruchovitch, E. (2004). A Study of Causal Attributions for Success and Failure in Mathematics Among Brazilian Students. Revista Interamericana de Psicologia, 38(1), 53-60.

Boruchovitch, E. & Martini, M. L. (1997). As atribuições de causalidade para o sucesso e o fracasso escolar e a motivação para a aprendizagem de crianças brasileiras. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 49(3), 59-71.

Boruchovitch, E. & Santos, A. A. A. (2011). Escala de Avaliação das Atribuições de Causalidade para Sucesso e Fracasso Escolar. Manuscrito não publicado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Bzuneck, J. A. & Sales, K. F. S. (2011). Atribuições interpessoais pelo professor e sua relação com emoções e motivação do aluno. Psico-USF, 16(3), 307-315. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712011000300007

Cleary, T. J. & Zimmerman, B. J. (2012). A Cyclical Self-Regulatory Account of Student Engagement: Theoretical Foundations and Applications. In: Handbook of Research on Student Engagement. S. L. Christenson, A. L. Reschly, C. Wylie. (pp. 237-257). New York: Springer US. http://dx.doi.org/10.1007/978-1-4614-2018-7_11

Collares, C. A. L. (1995). O cotidiano escolar patologizado: Espaço de preconceitos e práticas cristalizadas. Tese de Livre Docência. Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, Brasil.

Dela Coleta, J. A., & Dela Coleta, M. F. (2006). Atribuição de causalidade: Teoria, pesquisa e aplicações. (2ª ed.). Taubaté: Cabral Livraria e Editora Universitária.

Fatemi, A. H. & Asghari, A. (2012). Attribution Theory, Personality Traits, and Gender Differences among EFL Learners. International Journal of Education, 4(2), 181-201. http://dx.doi.org/10.5296/ije.v4i2.1455

Ferreira, M. C., Assmar, E. M. L., Omar, A. G., Delgado, H. U., González, A. T., Silva, J. M. B., Souza, M. A., & Cisne, M. C. F. (2002). Causal Attribution Success and Falilure in School: a Transcultural Study Brazil-Argentina-Mexico. Psicologia Reflexão e Crítica, 15(3), 515-527. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722002000300006

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2014). Acessado em: 30 de outubro de 2014. Disponível em: http://www.ibge.gov.br

Janeiro, I. N. (2011). Escala de Atribuições em relação à Carreira (EAC): um estudo exploratório. Revista Brasileira de Orientacão Profissional, 12(1), 5-13.

Jung, L. M. (2008). Atribuição de causalidade ao insucesso nas provas do simulado do PAS, por alunos e professores do ensino médio: um estudo de caso. Dissertação de Mestrado. Universidade Católica de Brasília, Brasília. Distrito Federal, Brasil.

Khodayarifard, M., Anshel, M. H., & Brinthaupt, T. M. (2006). Relationships Between Attributional Style and Trait Anxiety for Preadolescent Australian Boys and Girls. Australian Journal of Educational & Developmental Psychology, 6, 26-38.

Leite, S.A.S. (1988). O fracasso escolar no ensino de 1º grau. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 69(163), 510-540.

Levin, J. & Fox, A. J. (2004). Estatística para ciências humanas (9ª ed.). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Marques, T. M. & Dela Coleta, M. F. (2010). Atribuição de causalidade e reações de mulheres que passaram por episódios de violência conjugal. Temas em Psicologia, 18(1), 205-218.

Martini, M. L. (2003). Variáveis Psicológicas de Professores e Alunos, Ações Interativas e Desempenho Acadêmico: investigando possíveis relações. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. São Paulo, Brasil.

Martini, M. L. & Boruchovitch, E. (2004). A teoria da atribuição da causalidade: contribuições para a formação e atuação de educadores. Campinas: Alínea.

Martini; M. L. & Boruchovitch, E. (2009). Atribuições de causalidade: a compreensão do sucesso e fracasso escolar por crianças brasileiras. In E. Boruchovitch, A. Bzuneck (Orgs.). A Motivação do Aluno: contribuições da psicologia contemporânea. (pp. 148-166). Rio de Janeiro: Vozes.

Martini; M. L. & Del Prette, Z. A. P. (2005). Atribuições de Causalidade e Afetividade de Alunos de Alto e Baixo Nível Desempenho Acadêmico em Situações de Sucesso e de Fracasso Escolar. Interamerican Journal of Psychology, 39(3), 355-368.

Mascarenhas, S., Almeida, L. S., & Barca, A. (2005). Atribuições Causais e Rendimento Escolar: Impacto das Habilitações Escolares dos Pais e do Gênero dos Alunos. Revista Portuguesa de Educação, 18(1), 77-91.

Miranda, L. C., Almeida, L. S., Boruchovitch, E., Almeida, A. R., & Abreu, S. A. (2012). Atribuições causais e nível educativo familiar na compreensão do desempenho escolar em alunos portugueses. Psico-USF, 17(1), 1-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712012000100002

Neves, M. B. J. & Almeida, S.F.C. (1996). O fracasso escolar na 5ª série, na perspectiva de alunos repetentes, seus pais e professores. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 12, 147-156.

Neves, S. P., & Faria, L. (2007). Auto-eficácia académica e atribuições causais em Português e Matemática. Análise Psicológica, 4(25), 635-652.

Pain, S. (1985). Diagnóstico e tratamento de problemas de aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas.

Paiva, M. L. M. F. & Boruchovitch, E. (2010). Orientações Motivacionais, Crenças Educacionais e Desempenho Escolar de Estudantes do Ensino Fundamental. Psicologia em Estudo, 15(2), 381-389. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722010000200017

Patto, M. H. S. (1990). A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e resistência. São Paulo: TA Queiroz.

Perry, R. P., Chipperfield, J. G., Hladkyj, S., Pekrun, R., & Hamm, J. M. (2014). Attribution-Based Treatment Interventions in Some Achievement Settings. In Motivational Interventions (pp. 1-35). Emerald Group Publishing Limited. http://dx.doi.org/10.1108/S0749-742320140000018000

Prieto, G. & Mu-iz, J. (2000). Um modelo para evaluar la calidad de los tests utilizados em Espa-a. Disponível em: http://www.cop.es/tests/modelo.htm

Ribeiro, S.C. (1993). A Educação e a inserção do Brasil na modernidade. Cadernos de Pesquisa, 84, 63-82.

Russell, D. (1982). The causal dimension scale: A measure of how individuals perceive causes. Journal of Personality and Social Psychology, 42(6), 1137-1145. http://dx.doi.org/10.1037/0022-3514.42.6.1137

Sá, L. G. C., Dela Coleta, M., & Dela Coleta, J. A. (2011). Competência Percebida e Atribuição de Causalidade em Jogadores Juniores de Futebol. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(1), 65-72.

Sahinkarakas, S. (2011). Young students´sucess and failure attributions in language learning. Social Behavior and Personality, 39(7), 879-886. http://dx.doi.org/10.2224/sbp.2011.39.7.879

Schilieper, M. D. M. J. (2001). As Estratégias de Aprendizagem e as Atribuições de Causalidade de Alunos do Ensino Fundamental. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas. São Paulo, Brasil.

Silva, G. C. R. F., Mascarenhas, S. A. N., & Silva, I. R. (2011). Vivências de Reprovação e as Atribuições Causais de Estudantes Sobre o Rendimento Escolar em Manaus. In: X Congresso Nacional de Psicologia Escolar e Educacional, Maringá. Disponível em: http://www.abrapee.psc.br/xconpe/trabalhos/1/249.pdf

Soares, J. F. & Candian, J. F. (2007). O efeito da escola básica brasileira: as evidências do PISA e do SAEB. Revista Contemporânea de Educação, 2(4). Timm, L. A., Argimon, I. I. L., & Wendt, G. W. Envelhecimento, qualidade de vida e lócus de controle. Perspectiva, 35(129), 131-141.

Soric, I. (2009). Regulatory Styles, Causal Attributions and Academic Achievement. School Psychology International, 30(4), 403-420. http://dx.doi.org/10.1177/0143034309106946

Stewart, T. L. H., Clifton, R. A., Daniels, L. M., Perry, R. P., Chipperfield, J. G., & Ruthig, J. C. (2011). Attributional retraining: reducing the likelihood of failure. Social Psychology of Education, 14(1), 75-92. http://dx.doi.org/10.1007/s11218-010-9130-2

Souza, M. P. R. (2009). Psicologia Escolar e Educacional em busca de novas perspectivas. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 13(1), 179-182.

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85572009000100021

Stephanou, G. (2012). Students’ School Performance in Language and Mathematics: Effects of Hope on Attributions, Emotions and Performance Expectations. International Journal of Psychological Studies, 4(2), 93-119. http://dx.doi.org/10.5539/ijps.v4n2p93

Weiner, B. (1972). Attribution Theory, Achievement Motivation, and the Educational Process. American Educational Research Association, 42(2), 203-215. http://dx.doi.org/10.3102/00346543042002203

Weiner, B. (1979). A theory of motivation for some classroom experiences. Journal of Educational Psychology, 71(1), 3-25. http://dx.doi.org/10.1037/0022-0663.71.1.3

Weiner, B. (1985). An attributional theory of achievement motivation and emotion. Psycological Rewiew, 92(2),

-573. http://dx.doi.org/10.1037/0033-295X.92.4.548

Weiner, B. (1991). Metaphors in motivation and attribution. American Psychologist, 46(9), 921-930. http://dx.doi.org/10.1037/0003-066X.46.9.921

Weiner, B. (2004). Attribution theory revisited: Transforming cultural plurality into theoretical unity. In Research on Sociocultural influences on motivation and learning (pp. 13-29). Information Age Publishing, Inc.

Weiner, B. (2010). The Development of an Attribution-Based Theory of Motivation: A History of Ideas. Educational Psychologist, 45(1), 28-36. http://dx.doi.org/10.1080/00461520903433596

Weiner, B. (2013). An Attributional Theory of Behavior. In B. Weiner (Org.). Human motivation. Psychology Press.

Yoshimoto, C. R. (2004). Análise atribucional do baixo rendimento escolar em alunos da quarta série do ensino fundamental, participantes do projeto “Escola nas Férias”. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista, Marília. São Paulo, Brasil.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.2.17642

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.