Depressão como Causa de Afastamento do Trabalho: Um Estudo com Professores do Ensino Fundamental

Jaqueline Brito Vidal Batista, Mary Sandra Carlotto, Antonio Marcos Moreira

Resumo


Chamando a atenção para a prevalência da depressão na categoria docente, este estudo identificou afastamentos do trabalho de professores da rede municipal da cidade de João Pessoa, Paraíba, Brasil, em decorrência de transtornos mentais, especificamente, depressão. É um estudo descritivo, retrospectivo, transversal, quantitativo, baseado no universo de 414 fichas médicas individuais de professores, entre os anos de 1999 e 2006, cujos diagnósticos para o afastamento do trabalho correspondiam a transtornos mentais. Os resultados mostram que, das 414 licenças no período estudado, 211 (51%) foram devido à depressão, subdividindo-se por faixa etária da seguinte forma: entre os 30 e 39 anos de idade, 77,7% das licenças foram por outros transtornos mentais e 22,3% por depressão; entre os 40 e 49 anos de idade, 46,7% das licenças deram-se em decorrência de outros transtornos mentais e 53,3% por depressão; entre os 60 e 69 anos de idade, 33,3% dos motivos das licenças foram outros transtornos mentais e 66,7% por depressão. Entre as mulheres, 50,5% das licenças por transtornos mentais foram devido à depressão.


Palavras-chave


Saúde metal do trabalhador; saúde do professor; depressão.

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.