Inteligência Coletiva: comunicação, capitalismo cognitivo e micropolítica

Rogério da Costa

Resumo


Os processos de colaboração estão presentes por toda a parte em nossa sociedade. Na esfera da comunicação as redes digitais popularizaram as ações colaborativas, sendo o fenômeno das comunidades virtuais seu fato mais marcante. Já no âmbito do trabalho imaterial, vamos encontrar um forte apelo às redes de colaboração, que tornou-se um refrão ecoando por todo o mundo organizacional. Há mais de uma década o conceito de inteligência coletiva passou a ser sinônimo dessa noção de colaboração, tanto na comunicação quanto no campo do trabalho. Mas será que o conceito se esgota aí? O presente artigo resulta de uma reflexão sobre essas dimensões do conceito de inteligência coletiva e da abertura a uma nova dimensão, a micropolítica, onde ele passa a ser entendido como resistência aos processos de alienação do capitalismo cognitivo.

Palavras-chave


Inteligência coletiva; capitalismo cognitivo; micropolítica

Texto completo:

PDF

Referências


BECKER, G. Investiment in Human Capital: A theoretical and empirical analysis with special reference to education. Nova York: National Bureau of Economic Research, 1964.

BOURDIEU, P. Le capital social: notes provisoires. In: Actes de la Recherche en Sciences Sociales, v. 3, p. 2-3, 1980.

BOUTANG, Y. Le capitalisme Cognitif: la nouvelle Grande Transformation. Paris: Amsterdam, 2007a.

______. (org). Politiques des Multitudes. Democratie, Intelligence Collective e Puissance de la vie à l’heure du capitalisme cognitif. Paris: Amsterdam, 2007b.

BURT, R. The Network Structure of Social Capital. In: SUTTON, R.; STAWS, B. (eds.). Research in Organizational Behavior Greenwich, CT: JAI Press, 2000.

COLEMAN, J. Foundations of Social Theory. Cambridge, Mass: Harvard University Press, 1990.

COSTA, R. Por um Novo Conceito de Comunidade: redes sociais, comunidades pessoais, inteligência coletiva. In: Revista Interface – Comunicação, Saúde, Educação. São Paulo: Unesp, v. 9, n. 17, p. 235-248, mar./ago. 2005.

DELEUZE, G. Foucault. Paris: Les Editions de Minuit, 1986.

DRUCKER, P. The Post-Capitalist Society. New York: HarperBusiness, 1993.

FIGALLO, C. Hosting Web Communities: building relationships, increasing customer loyalty, and maintaining a competitive edge. Nova Iorque: Wiley Computer Publishing, 1998.

FORAY, D.; LUNDVALL, B. The knowledge-based economy. Paris: OCDE, 1996.

FOUCAULT, M. Naissance de la Biopolitique. Paris: Gallimard/ Seuil, 2004.

GRANOVETTER, M. Getting a Job: a study of contacts and careers. Chicago: University of Chicago Press, 1974.

______. Economic Action and Social Structure: The Problem of Embeddedness. In: American Journal of Sociology, v. 91, n. 3, p. 481-510, 1985.

HARDT, M. O trabalho afetivo. In: COSTA, R. & PÉLBART, P. (orgs.). O Reencantamento do Concreto. São Paulo: Hucitec, 2003.

KIM, A.J. Community Building on the Web. Berkeley: Peachpit Press, 2000.

LAZZARATO, M. Les revolutions du capitalisme. Paris: Les Empêcheurs de Penser en Rond, 2004.

______. Biopolitique/Bioéconomie. In: BOUTANG, Y. (org.). Politiques des Multitudes. Democratie, Intelligence Collective e Puissance de la vie à l’heure du capitalisme cognitif. Paris: Amsterdam, 2007.

LIN, N. Social Capital: A Theory of Social Structure and Action. New York: Cambridge University Press, 2001.

LIN, N.; COOK, K.; BURT, R. Social Capital: theory and research. Londres: Aldine Transaction, 2005.

MENDES, V. L. F. Uma Clínica no Coletivo: experimentações no Programa de Saúde da Família. São Paulo: Hucitec, 2007.

NEGRI, A.; HARDT, M. Multidão. São Paulo: Record, 2005.

NEGRI, A. Exílio. São Paulo: Iluminuras, 2001.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. The Knowledge-Creating Company. New York: Oxford University Press, 1995.

PÉLBART, P. P. Vida Capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

PREECE, J. Online Communities. Chichester: John Wiley &Sons, 2000.

PUTNAM, R.; LEONARDI, R.; NANETTI, R. Making Democracy Work: Civic Traditions in Modern Italy. Princeton: Princeton University Press, 1993.

RHEINGOLD, H. A Comunidade Virtual. Lisboa: Gradiva, 1996.

SENGE, P. The Fifth Discipline: The art and practice of the learning organization. New York: Doubleday, 1990.

TEIXEIRA, Ricardo. O desempenho de um serviço de atenção primária à saúde na perspectiva da inteligência coletiva. In: Revista Interface. Comunicação, Saúde, Educação. São Paulo: Unesp, v. 9, n. 17, p. 219-234, mar./ago. 2005.

WELLMAN, B & BERKOWITZ, S. D. Social structures: a network approach. New York: Cambridge University Press, 1988.

WOOLCOCK, M.; NARAYAN, D. Social Capital: Implications for Development Theory, Research, and Policy. In: The World Bank Research Observer, v. 15, n. 2, p. 225-249, 2000.

ZOLA, E. O Germinal. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-3729.2008.37.4801

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Métricas por PLOS ALM. Dados disponíveis somente após 12/2014.



 


 This journal is a member of, and subscribes to the principles of, the Committee on Publication Ethics (COPE) http://www.publicationethics.org

 


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.


ISSN-L: 1415-0549 | e-ISSN: 1980-3729 | Copyright: © 2017 EDIPUCRS

Avaliação do Qualis CAPES | ÁREA CAPES - Ciências Sociais Aplicadas | CLASSIFICAÇÃO - A2

REVISTA FAMECOS: publicação do Programa de Pós-Graduação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PPGCOM/PUCRS
Av. Ipiranga, 6681, Prédio 7 | Bairro Partenon - CEP: 90619-900 | Porto Alegre, RS, Brasil
tel/fax: 55 51 3320.3658
e-mail: revistadafamecos@pucrs.br

Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS