A emergência da política mundial de drogas: o Brasil e as primeiras Conferências Internacionais do Ópio.

Jonatas Carlos de Carvalho

Resumo


Este artigo procura discutir a emergência da institucionalização do proibicionismo no Brasil no âmbito dos debates das relações internacionais e seus efeitos na política externa brasileira. Neste sentido, é de suma importância fazer uma pequena análise do que representou as chamadas Conferências Internacionais do Ópio e a criação do Comitê do Ópio, ou como veio se chamar oficialmente após 1924: Conselho Central Permanente do Ópio vinculado diretamente à Liga das Nações. Em seguida, será analisada a participação do Brasil junto a este organismo e a construção de um projeto visando à regulamentação e criminalização de psicoativos em todo território brasileiro com a criação da primeira comissão de caráter nacional com este fim: Comissão Nacional de Fiscalização de Entorpecentes.

 


Palavras-chave


Conferências do ópio; Proibicionismo; Política de Drogas.

Texto completo:

PDF

Referências


Arquivo Histórico do Itamaraty. Ofício enviado ao Presidente da República em 1936. Lata 1892/Maço: 36266-36268.

Arquivo Histórico do Ministério das Relações Exteriores, LA/40/612.4 (04).

BANDEIRA, Luiz Alberto Moniz. Presença dos Estados Unidos no Brasil. Rio de Janeiro; Civilização Brasileira, 2007.

BLANCHARD, Sean &ATHA, J. Matthew. Indian hemp and the dope fiend of old England: a sociopolitical history of cannabis and the British Empire - 1840-1928. In. www.druglibrary.orghttp://www.druglibrary.org/schaffer/Library/studies/inhemp/dopefien.htm>acesso em: 13/11/2012.

BLANRUE, Paul-Eric. As muitas vidas da Ku Klux Klan. Revista História Viva, edição 21 - Julho 2005.

BRASIL, Ministério das Relações Exteriores, relatórios ministeriais, 1916, p.103.

BRASIL, Ministério das Relações Exteriores, Relatórios Ministeriais ano de 1926, p.64

BRASIL, Ministério das Relações Exteriores. Relatórios Ministeriais, 1914-1915, p.345.

BRASIL, Ministério das Relações Exteriores. Relatórios Ministeriais, 1934, p.20

BRASIL, Ministério das Relações Exteriores. Relatórios Ministeriais, 1935. p.16

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores, Relatórios Ministeriais, 1916, p.104.

Diário Oficial da União - Seção 1 - 07/04/1915, Página 3597.

Diário Oficial da União - Seção 1 - 12/07/1921, Página 13407 (Publicação), in, http://www2.camara.gov.br/legin/fed/decret/1920-1929/decreto-4294-6-julho-1921-569300-publicacao-92525-pl.html (acesso em 05/07/2011).

ESCOHOTADO, Antonio. História general de las drogas. Madri: Alianza Editorial, 1992.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

LIMA Rita de Cássia Cavalcante. Uma história das drogas e do seu proibicionismo transnacional: relações Brasil-Estados Unidos e os organismos internacionais. 2009.

McALLISTER, William. Drug diplomacy in the twentieth century. Nova York, Routledge, 2000.

Ministério das Relações Exteriores, Arquivo Histórico do Itamaraty em Brasília. Memorando nº 378, 9 de outubro de 1928.

Ministério das Relações Exteriores, Arquivo Histórico do Itamaraty em Brasília. Memorando nº 378, 9 de outubro de 1928. Anexo. The Washington Post: Fryday, october, 5, 1928.

RODRIGUES, Thiago, Política e drogas nas Américas. São Paulo: EDUC/FAPESP, 2004.

SHEERER, Sebastian. 1993. “Estabelecendo o controle sobre a cocaína (1910-1920)”. In: BASTOS, Francisco I., Gonçalves, Odair D. (eds.). Drogas é legal? Rio de Janeiro: Imago.

VARGAS, Eduardo Viana. Entre a extensão e a intensidade: corporalidade, subjetivação e uso de “drogas”. 2001. Tese (doutorado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Doutorado em Ciências Humanas: Sociologia e Política.

VIEIRA, Ana Lúcia. “A colaboração lhe bate à porta...”: Visitadoras sociais e a política de normalização de corpos e mentes de operários e operárias de uma indústria têxtil no Rio de Janeiro (1944-1953). Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2012.

WILLOUGHBY, W. W. Opium as an international problem: the Geneva Conferences. Baltimore, The Johns Hopkins Press, 1925.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/2178-3748.2014.1.15927

e-ISSN: 2178-3748

 

Avaliação do Qualis CAPES 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - B3


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

 

 


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS