Revisando a História da Influência de Sêneca em Shakespeare

Régis Augustus Bars Closel

Resumo


O presente artigo procura revisar a problemática questão da influência de Sêneca sobre Shakespeare e os dramaturgos Elisabetanos a partir da sua própria historiografia. Partindo das concepções gerais sobre esse assunto, verifica-se como foi tratado historicamente, apresentando argumentos que oscilam entre a completa aceitação ou a negação dentre as diferentes formas metodológicas. Iniciado no final do século XIX, com John W. Cunliffe e Seneca and The Elizabethan Tragedy (1893) por meio de passagens paralelas, instituiu-se uma forma de débito entre os autores que passaria todo o século XX. Ao longo do tempo os elementos comuns passaram a ser estudados e nesse ínterim a discussão alcançou o lado oposto extremo, propondo a negação da influência de Sêneca com Howard Baker (1939) e G. K. Hunter (1967 e 1974). Posteriormente, novas formas de se observar essa questão foram surgindo, revelando a complexidade do tema, geralmente reduzida a uma aceitação da influência de Sêneca sobre a obra trágica de Shakespeare e deixando de lado os dramaturgos contemporâneos bem como as formas dramáticas que o precederam.

Palavras-chave


Shakespeare; Sêneca; Literatura Comparada; Influência

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1984-4301

Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional , que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.