Raquel e o percurso do herói em A bolsa amarela

Luciana Morteo Éboli

Resumo


O presente trabalho analisa o percurso do herói na narrativa infanto-juvenil A bolsa amarela, de Lygia Bojunga Nunes. A partir das teorias de Lutz Müller e Carol S. Pearson percebe-se a ênfase ao percurso interior empreendido pelo herói da atualidade em contraponto ao herói do século XIX. Nesse caso, a trajetória da protagonista Raquel em A bolsa amarela, permeia os fatos de seu desenvolvimento individual partir de uma visão do crescimento interior da personagem. Ao contrário da trajetória clássica do herói, com base nos princípios que os definem desde a literatura épica da antigüidade - que compreende uma jornada a partir da própria ação, da necessidade de sair do próprio lugar, empreender uma jornada que supõe o encontro de inúmeros obstáculos de toda ordem, seja de eventos naturais, inimigos, deuses e demais adversidades, o embate e a superação desses obstáculos e o posterior retorno ao ponto de origem e a recompensa final - em A bolsa amarela temos o foco dessa jornada no interior de Raquel, projetado na imensa bolsa que a menina carrega e que materializa de formas variadas os seus conflitos de crescimento.

Palavras-chave


narrativa infanto-juvenil; criança; desenvolvimento.

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS