Processamento dos afixos do PB: o reconhecimento de morfemas por crianças não alfabetizadas e em processo de alfabetização

Veridiana P. Borges, Gabriela Tornquist Mazzaferro, Carmen Lúcia Barreto Matzenauer

Resumo


Este artigo discute como se dá o processamento de pseudopalavras formadas por um morfema-base e por afixos em crianças não alfabetizadas e em crianças que estão em processo de alfabetização, falantes nativas do Português Brasileiro (PB), por meio da aplicação da Tarefa de Reconhecimento de Pseudovocábulos, que avalia a capacidade de a criança reconhecer e processar os afixos do PB e verificar a interpretação do significado que cada afixo veicula ao juntar-se ao morfema lexical. A atividade foi composta por pseudopalavras que, em sua constituição, mostram afixos pertencentes ao PB; a combinação do morfema-base com o afixo deriva palavra não dicionarizada que poderia pertencer ao léxico da língua (ex.: descruel). Para tanto, foram contadas histórias aos sujeitos e, posteriormente, foram feitas perguntas relacionadas às pseudopalavras. O corpus foi constituído por dados de dezesseis crianças monolíngues, subdivididas em quatro faixas etárias. Os resultados apontaram que a maioria dos informantes interpretou o significado dos pseudovocábulos, indicando a capacidade que as crianças têm de refletir sobre a função e o significado dos morfemas. Os dados foram analisados com base em concepções teóricas da Aquisição da inguagem, da Aquisição da Morfologia e da Consciência Morfológica (BORGES, 2015; SEIXAS, 2007; LIMA, 2006, LORANDI, 2006).


Palavras-chave


Consciência morfológica; Processamento morfológico; Reconhecimento de afixos; Tarefas de reconhecimento; Aquisição da linguagem.

Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, V. P. Consciência morfológica em crianças não alfabetizadas e em processo de alfabetização: produção e reconhecimento de morfemas. Dissertação (Mestrado) – UCPel, Pelotas, 2015.

BRYANT, P.; DEVINE, M.; LEDWARD, A.; NUNES, T. Spelling with apostrophes and understanding possession. British Journal of Educational Psychology, v. 67, p. 91-110, 1997. https://doi.org/10.1111/j.2044-8279.1997.tb01229.x

BRYANT, P.; NUNES, T.; AIDINIS, A. Different morphemes, same spelling problems: crosslinguistic developmental studies. In: Harris , M.; Hatano , G. (Ed.). Learning to read and write: a cross-linguistic perspective. Cambridge: Cambridge University Press. 1999. p. 112-133.

BRYANT, P.; NUNES, T. Morphology and spelling. In: Nunes , T. (Ed.). Handbook of children's literacy. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers. 2003. p. 162-214.

CARLISLE, J. F. Knowledge of derivational morphology and spelling ability in fourth, sixth and eighth graders. Applied Psycholinguistics, v. 9, p. 247-266. 1988. https://doi.org/10.1017/S0142716400007839

CARLISLE, J. F.; NOMANBHOY, D. Phonological and morphological awareness in first graders. Applied Psycholinguistics, v. 14, p. 177-195, 1993. https://doi.org/10.1017/S0142716400009541

CARLISLE, J. F. Morphological awareness and early reading achievement. In: L. FELDMAN (Org.). Morphological aspects of language processing. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates, 1995. p. 189-211.

CARLISLE, J. F. Awareness of the structure and meaning of morphologically complex words: Impact on reading. Reading and Writing: An Interdisciplinary Journal, v. 12, p. 169-190, 2000. https://doi.org/10.1023/A:1008131926604

FIGUEIRA, R. A. Aquisição dos Verbos Prefixados por DES- em Português. Revista Palavra, Campinas, v. 5, parte IV, p. 190-211, 1999.

LIMA, P. A. N. de. Aquisição da morfologia do português brasileiro por crianças de dois a sete anos de idade: afixos e compostos. Dissertação (Mestrado) – UFRGS, Porto Alegre, 2006.

LORANDI, A. Formas morfológicas variantes na gramática infantil: um estudo à luz da Teoria da Otimidade. Dissertação (Mestrado) – PUCRS, Porto Alegre: 2006.

MACHADO, M. J. M. da C. Implicações da consciência morfológica no desenvolvimento da escrita. Dissertação (Mestrado) – Instituto Politécnico de Lisboa, Lisboa, 2011.

MELO, K. Compreendendo as relações entre consciência gramatical e habilidade de leitura e escrita: um estudo de intervenção. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2002.

NUNES, T.; BRYANT, P.,; BINDMAN, M. Morphological spelling strategies: Developmental stages and processes. Developmental Psychology, v. 33, p. 637-649, 1997a. https://doi.org/10.1037/0012-1649.33.4.637

NUNES, T.; BRYANT, P.; BINDMAN, M. Learning to spell regular and irregular verbs. Reading and Writing: An Interdisciplinary Journal, v. 9, n. 5-6, p. 427-449, 1997b. https://doi.org/10.1023/A:1007951213624

NUNES, T.; BRYANT, P.; BINDMAN, M. Spelling and grammar: The necsed move. In: Perfeti , C.; Rieben , L.; Fayol , M. (Ed.). Learning to spell: research, theory and practice across languages. 1997c. p. 151-170.

NUNES, T. Developing children's minds through literacy and numeracy. University of London: Institute of Education, 1998.

ROSA, J. Morphological awareness and spelling development. Unpublished PhD Thesis – Department of Psychology, Oxford Brookes University, UK. 2003.

RUBIN, H. Morphological knowledge and early writing ability. Language and Speech, v. 31, p. 337-355, 1988. https://doi.org/10.1177/002383098803100403

SEIXAS, M. C. P. O desenvolvimento da consciência morfológica em crianças de 5 anos Dissertação (Mestrado) – Ualg, Faro, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2017.2.26422

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS