Variação discursiva e gramaticalização: o controle de condicionamentos semântico-pragmáticos e o princípio da persistência

Maria Alice Tavares

Resumo


À luz da sociolinguística variacionista e de estudos sobre a gramaticalização, considero os conectores sequenciadores e, aí e então como variantes da variável discursiva “sequenciação retroativo-propulsora de informações”. Os dados são oriundos de 24 entrevistas sociolinguísticas provenientes do Banco de Dados FALA-Natal. Tenho os seguintes objetivos: (i) analisar os padrões de distribuição dos conectores sequenciadores e, aí e então quanto a um grupo de fatores de natureza semântico-pragmática; (ii) relacionar indícios diacrônicos referentes ao processo de gramaticalização sofrido por cada conector a seus padrões de distribuição sincrônica. Os resultados revelam que o grupo de fatores “relação semântico-pragmática” é bastante significativo no condicionamento da variável discursiva investigada. Com base nesses resultados, observei que o uso  dos conectores sequenciadores parece ser motivado pelo princípio da persistência, uma vez que esses conectores são, em geral, favorecidos por relações semântico-pragmáticas que manifestam alguns traços em comum a suas fontes diacrônicas de gramaticalização. 


Palavras-chave


Variação discursiva; Gramaticalização; Princípio da persistência

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Maria Teresa V. Elementos conjuntivos: sua variação em narrativas orais e escritas. 1992. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1992.

Alphonse X – Primeyra Partida. Edição e estudo de José de Azevedo Ferreira. Braga, Instituto Nacional de Investigação Científica. 1980. p. 120-123, 144, 409-414. (Obra do século XIV).

ANDRADE, Maria Lúcia C. V. O. Digressão: uma estratégia na condução do jogo textualinterativo. In: KOCH, Ingedore V.; BARROS, Kasue S. M. (Org.). Tópicos em linguística de texto e análise da conversação. Natal: EDUFRN, 1997. p. 180-184.

AUTRAN DOURADO, Valdomiro Freitas. O risco do bordado. 3. ed. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1974. (1. ed.: 1970).

BARRETO, Therezinha M. M. Gramaticalização das conjunções na história do português. 1999. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1999.

CHESHIRE, Jenny. Discourse variation, grammaticalisation and stuff like that. Journal of Sociolinguistics, v. 11, n. 2, p. 155-193, 2007. https://doi.org/10.1111/j.14679841.2007.00317.x

Crónica Geral de Espanha de 1344. Edição crítica de Luís Filipe Lindley Cintra. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1990. (Obra do século XIV).

CUNHA, Antônio G. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

D’ARCY, Alexandra; HADDICAN, Bill; RICHARDS, Hazel; TAGLIAMONTE, Sali; TAYLOR, Ann. Asymmetrical trajectories: the past and present of –body/-one. Language Variation and Change, v. 25, p. 287-310, 2013. https://doi.org/10.1017/S0954394513000148

FREITAG, Raquel Meister K. et al. Gramática, interação e ensino de língua materna: procedimentos discursivos na fala de Itabaiana/SE. Interfaces Científicas (Educação), v. 1, n. 3, p. 71-84, 2013.

Foro Real de Afonso X. Edição e estudo linguístico de José de Azevedo Ferreira. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1987. (Tradução do foro espanhol feita nos fins do século XIII ou início do século XIV).

GÖRSKI, Edair; GIBBON, Adriana de Oliveira; VALLE, Carla Regina M.; DAL MAGO, Diane; TAVARES, Maria Alice. Fenômenos discursivos: resultados de análises variacionistas como indícios de gramaticalização. In: RONCARATI, Claúdia; ABRAÇADO, Jussara (Org.). Português brasileiro: contato linguístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003. p. 106-122.

GUY, Gregory Riordan; ZILLES, Ana Maria Stahl. Sociolinguística quantitativa: instrumental de análise. São Paulo: Parábola, 2007.

HOPPER, Paul J. On some principles of grammaticization. In: TRAUGOTT, Elizabeth C.;

HEINE, Bernd (Ed.). Approaches to grammaticalization. Amsterdam: John Benjamins, 1991. Vol. 1. p. 17-35.

_HOPPER, Paul J.; TRAUGOTT, Elizabeth C. Grammaticalization. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

ITO, Rika; TAGLIAMONTE, Sali. Well weird, right dodgy, very strange, really cool: layering and recycling in English intensifiers. Language in Society, v. 32, p. 257-279, 2003.

LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008 [1972].

LEVEY, Stephen; GROULX, Karine; ROY, Joseph. A variationist perspective on discoursepragmatic change in a contact setting. Language Variation and Change, v. 25, p. 225-251, 2013. https://doi.org/10.1017/S0954394513000100

Livro das Aves. Edição crítica de Jacira Andrade Mota, Rosa Virgínia Mattos e Silva, Vera Lúcia Sampaio e N. Rossi. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro/MEC, 1965. (Obra do século XIV).

MARTELOTTA, Mário E. T. Os circunstanciadores temporais e sua ordenação: uma visão funcional. 1994. 238 fls. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1994.

PICHLER, Heike. Methods in discourse variation analysis: reflections on the way forward. Journal of Sociolinguistics, v. 14, n. 5, p. 581-608, 2010. https://doi.org/10.1111/j.1467- 9841.2010.00455.x

______. The structure of discourse-pragmatic variation. Amsterdam: John Benjamins, 2013.

PICHLER, Heike; LEVEY, Stephen. In search of grammaticalization in synchronic dialect data: general extenders in northeast England. English Language and Linguistics, v. 15, n. 3, p. 441-471, 2011. https://doi.org/10.1017/S1360674311000128

POPLACK, S. Grammaticalization and linguistic variation. In: NARROG, Heiko; HEINE, Bernd (Ed.). The Oxford handbook of grammaticalization. Oxford: Oxford University Press, 2011. p. 209-224. https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199586783.013.0017

RAMAT, Anna Giacalone; MAURI, Caterina. The grammaticalization of coordinating interclausal connectives. In: NARROG, Heiko; HEINE, Bernd (Ed.). The Oxford handbook of grammaticalization. Oxford: Blackwell, 2011. p. 656-667.

RISSO, Mercedes Sanfelice. O articulador discursivo “então.” In: CASTILHO, Ataliba T.; BASÍLIO, Margarida (Org.). Gramática do português falado. Campinas: UNICAMP/FAPESP, 1996. Vol. IV. p. 423 -451.

Sankoff , David; Tagliamonte , Sali A.; Smith , Eric. Goldvarb X: a multivariate analysis application. Toronto: Department of Linguistics; Ottawa: Department of Mathematics. 2005.

SANTOS, Leonor W. Articulação textual na literatura infantil e juvenil. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003.

SCHIFFRIN, Deborah. Discourse markers. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

SILVA, Giselle M. de Oliveira; MACEDO, Alzira V. T. Análise sociolinguística de alguns marcadores conversacionais. In: MACEDO, Alzira V. T.; RONCARATI, Claúdia; MOLLICA, Maria Cecília (Org.). Variação e Discurso. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p. 11-49.

______. Os marcadores conversacionais em português. Rio de Janeiro, UFRJ, 1992. Impresso.

SILVEIRA BUENO, Francisco. Grande dicionário etimológico-prosódico da língua portuguesa. São Paulo: Saraiva, 1965.

SOUZA, Laralis N. E, AÍ e ENTÃO: uma questão de complexidade. In: Anais da XVIII Semana de Humanidades, UFRN, Natal, 2010.

STEINBECK, John. As Vinhas da Ira. Tradução brasileira por Ernesto Vinhaes e Herbert Caro. Porto Alegre: Livraria do Globo, 1940.

TAGLIAMONTE, Sali A. Analysing sociolinguistic variation. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

______. Variationist sociolinguistics: change, observation, interpretation. Cambridge: Wiley-Blackwell, 2012.

TAGLIAMONTE, Sali A.; D’ARCY, Alexandra. Peaks beyond phonology: adolescence, incrementation, and language change. Language, v. 85, n. 1, p. 58-107, 2009. https://doi.org/10.1353/lan.0.0084

TAVARES, Maria Alice. Um percurso de abstração gradual: então nos séculos XIV, XVI, XVIII e XX. Afrikasien Brasilien Portugal. Zeit schrift zur portugiesisch sprachigen Welt, v. 2 p. 81-92, 2000.

______. Condicionamentos linguísticos e sociais sobre a sequenciação de informações no português oral d’aquém e d’além mar: mudança em progresso? SIGNUN: Estudos da Linguagem, v. 6, n. 2, p. 219-251, 2002.

______. A gramaticalização de E, AÍ, DAÍ e ENTÃO: estratificação/variação e mudança no domínio funcional da sequenciação retroativo-propulsora de informações – um estudo sociofuncionalista. 2003. 411 fls. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

______. Gramática emergente: recorte de uma construção gramatical. In: SOUZA, E. R. F. (Org.). Funcionalismo linguístico: análise e descrição. São Paulo: Contexto, 2012a. p. 33-51.

______. E em cartas escritas por Câmara Cascudo: primeiras considerações versando o conector E. In: MARTINS, Marco Antonio; TAVARES, Maria Alice (Org.). História do português brasileiro no Rio Grande do Norte: análise linguística e textual da correspondência de Luis da Câmara Cascudo a Mário de Andrade – 1924-1944. Natal: EDUFRN, 2012. p. 265-292.

______. A gramaticalização de E, AÍ, DAÍ e ENTÃO: variação e mudança em uma perspectiva sociofuncionalista. Natal: EDUFRN, 2014.

______. Variação e gramaticalização na indicação da SRPI: um estudo sociofuncionalista comparativo. Relatório de pesquisa. Impresso. 2015.

______. Banco de Dados FALA-Natal (BDFN). Departamento de Letras, UFRN, 2016.

Banco de dados aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFRN. CAAE: 11652312.2.0000.5537.

TORRES CACOULLOS, Rena. Variation and grammaticalization. In: DÍAZ -CAMPOS, M. (Ed.). The handbook of Hispanic sociolinguistics. Oxford: Wiley-Blackwell, 2011. p. 148-167.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. São Paulo: Parábola, 2006 [1968].




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2017.1.25079

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS