Expressões impessoais no discurso acadêmico brasileiro

Marcia dos Santos Machado Vieira

Resumo


Este artigo enfoca a comparabilidade de microconstruções com ter-se e haver relacionadas ao domínio funcional da impessoalização discursivo-pragmática, da construção gramatical de impessoalização. Esse estudo descreve, com base no Sociofuncionalismo, o aumento da frequência da recorrência a instâncias da microconstrução com ter-se num intervalo de tempo e os condicionamentos da variação (estável) de usos desse padrão gramatical com os da microconstrução com o verbo haver: a área acadêmica e a semântica de SN, por exemplo. A mudança que se nota na microconstrução ter-se SN decorre da cristalização sintática de seus componentes e da associação de sua extensão de sentido indefinido com uma extensão de sentido impessoal (existencial ou apresentacional), o que propicia sua equivalência funcional com construções com haver e sua atuação como estratégia discursivo-pragmática que possibilita tornar opaca a presença do enunciador. Os resultados advêm de análise estatística e qualitativa de usos detectados em textos acadêmicos de áreas distintas do conhecimento. Tencionase, em última instância, contribuir também para a discussão teórica sobre o lugar da variação em estudos sob a ótica da  ramática das Construções, que, até então, se tem voltado para o fenômeno da mudança linguística.


Palavras-chave


Sociofuncionalismo; Impessoalização; Microconstruções verbais.

Texto completo:

PDF

Referências


AVELAR, Juanito. Dinâmicas morfossintáticas com “ter”, “ser” e “estar” em português brasileiro. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Campinas, Campinas, 2004.

BROWN, Penelope; LEVINSON, Stephen C. Politeness: some universals in language usage. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

BYBEE, Joan. Mechanisms of change in grammaticization: the role of frequency. In: Brian; Richard (Ed.). A handbook of historical linguistics. New York: Basil Blackwell, 2003.

CALLOU, Dinah Maria Isensee; AVELAR, Juanito. Gramática e variação no Português brasileiro: considerações sobre ter~haver e de~em. In: LOBO, M.; COUTINHO, M. A. (Org.). Textos Seleccionados – XXII Encontro da Associação Portuguesa de Linguística. Lisboa: Colibri, 2007.

CALLOU, Dinah Maria Isensee; DUARTE, M. Eugenia Lammoglia. A fixação do verbo ter em contextos existenciais. In: Encontro da Associação Portuguesa de Linguística , 20., 2005, Lisboa. Actas... Lisboa: APL, 2005.

CAPPELLE, Bert. Can we factor out free choice? In: DUFTER, A.; FLEISCHER, J.; SEILER, G. Describing and Modeling Variation in Grammar. Berlin/New York: Mouton de Gruyter, 2009, p. 183-199.

FASOLD, Ralph W. The Sociolinguístics of society. Oxford: Wiley-lackwell, 1984.

GOLDBERG, Adele. Constructions: A Construction Grammar Approach to Argument Structure. Chicago: The University of Chicago Press, 1995.

______. Argument realization: the role of constructions, lexical semantics and discourse factors. In: OOSTMAN, Jan-Ola; FRIED, Mirjam (Ed.). Construction Grammar(s): Cognitive and Cross-language dimensions. Philadelphia: John Benjamins, 2005.

HILPERT, Martin. Construction Grammar and its Aplication to English. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2014.

Hopper, P. J. On some principles of grammaticalization. In: Traugott , E. C.; Heine, B. (Ed.). Approaches to grammaticalization. v. I. Philadelphia: John Benjamins Company, 1991.

LABOV, William. Some Sociolinguistic Principles. In.: PAULSTON, C. B.; TUCKER, G. R. (Ed.). Sociolinguistic: The Essential Readings. Oxford: Wiley-Blackwell, 2003.

______. Principles of Linguistic Change. Internal Factors. v. 1. Oxford: Blackwell, 1994.

LAVANDERA, Beatriz. Variación y significado. Buenos Aires: Hachette, 1984.

PEREK, Florent. Argument structure in usage-based construction grammar. Experimental and corpus-based perspectives. Amsterdam: John Benjamins, 2015.

SANKOFF, David; TAGLIAMONTE, Sali A.; SMITH, Eric. GoldVarb X: Variable Rule Application for Macintosh and Windows. Toronto: University of Toronto, 2015.

SARAIVA, Eneile Santos. A construção TEM-SE no Português Brasileiro escrito: uma análise sociofuncionalista. 2013. 180 fl. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2013.

TAVARES, M. Alice. Sociofuncionalismo: um duplo olhar sobre a variação e a mudança linguística. Interdisciplinar, Abralin, Itabaiana/SE, ano VI, v. 17, n. esp., p. 27-47, 2013.

TRAUGOTT, Elizabeth C.; TROUSDALE, Graeme. Constructionalization and Construction changes. Great Britain: Oxford University Press, 2013.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin. I. Empirical foundations for a theory of language change, In: LEHMANN, W. P.; MALKIEL, Y. (Ed.). Directions for historical linguistics: A symposium. Austin-London, University of Texas Press, 1968. p. 97-195.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2017.1.25061

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS