As variedades linguísticas no livro didático Português – linguagens: uma abordagem sociolinguística

Antônio Flávio Ferreira de Oliveira, Ilderlândio Assis de Andrade Nascimento

Resumo


O livro didático (re)produz ideologias linguísticas, assumindo um papel importante, já que ele é utilizado como principal recurso de ensino de Língua Portuguesa. Neste trabalho, objetivamos analisar uma proposta de ensino da variação linguística no livro didático de língua portuguesa Português: Linguagens, dos autores William Roberto Cereja e Thereza Cochar Magalhães, atentando para o modo como as variedades linguísticas são trabalhadas. Para isso, dialogamos com estudos de Labov (2008), Tarallo (2005), Hernández Campoy e Almeida (2005), Fernández (1998), Bagno (2008), Lucchesi (2015), Milroy (2011), Faraco (2008) e Moita Lopes (2013). A análise revela que ainda há uma limitação no trato com as variedades linguísticas, focalizando apenas aquelas usadas pelas populações pobres. Ademais, a proposta de ensino parte de polarizações linguístico-sociais: certo e errado, padrão e não padrão, culto e caipira, assumindo a norma padrão da língua para, a partir dela, conceituar as demais como sendo desprestigiadas, vulgares e caipiras. Esse tratamento, (re)produz e fortalece preconceitos sociais e linguísticos, já que reproduz, sem questionamentos, certos paradigmas, naturalizando, assim, a polarização sociolinguística. Fica claro, portanto, que a força da ideologia da língua padrão cria uma imagem de língua da elite, uma língua que garante a aquisição de bens simbólicos.


Palavras-chave


Livro didático; Variação linguística; Ensino; Ideologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, I. Muito além da gramática: por um ensino de língua sem pedras no caminho. São Paulo: Parábolas, 2007.

BAGNO, M. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

______. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 50. ed., São Paulo: Loyola, 2008. BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Nós chegamos na escola e agora? São Paulo: Parábola, 2005.

FERNÁNDEZ, F. M. Principios de Sociolinguística y Sociología del lenguaje. Barcelona: Ariel, 1998.

FARACO, C. A. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

HERNÁNDEZ, J. M.; ALMEIDA, M. Metodología de la investigación sociolinguística. Granada: Comares, 2005.

LUCCHESI, D. Língua e sociedade partidas: a polarização sociolinguística do Brasil. São Paulo: Contexto, 2015.

LABOV, W. Padrões Sociolinguísticos. São Paulo: Parábolas, 2008.

MILROY, J. Ideologias linguísticas e as consequências da padronização. In: LAGARES, X. C.; BAGNO, M. Políticas da norma e conflitos linguísticos. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. p. 49-87.

MOITA LOPES, Luiz Paulo. Ideologia linguística: como construir discursivamente o português no século XXI. In: MOITA LOPES, L. P.

(Org.). Português no século XXI: cenário geopolítico e sociolinguístico. São Paulo: Parábola Editorial, 2013. p. 18-52.

TARALLO, F. Pesquisa sociolinguística. 8. ed. São Paulo: Ática, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2017.1.24974

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS