Caracterização semântico-pragmática de tópicos pendentes no português brasileiro

Tatiane Macedo Costa, Aroldo Leal de Andrade

Resumo


O objetivo deste artigo é desenvolver uma análise das construções de Tópico Pendente e de Deslocação à Esquerda de Tópico Pendente no português brasileiro. Para tanto, adotamos a Teoria da Representação do Discurso Segmentado (SDRT, em inglês), que permite descrever as relações retóricas, e assim, estudar os contextos de uso de certas construções marcadas. O corpus que constitui a base de análise dessa pesquisa são as entrevistas publicadas na revista VEJA na década de 1970, bem como os Diálogos entre Informante e Documentador (DID) disponibilizados pelo projeto NURC-SP (Norma Urbana Oral Culta – São Paulo). A partir da análise dos dados, verificou-se uma clara distinção entre o uso das construções sob investigação nos dois corpora. Notou-se que os tópicos pendentes consistem em unidades discursivas em separado, que se relacionam ao contexto por uma relação de subordinação, e ao comentário por enquadramento ou atribuição. Os tópicos pendentes, dessa forma, parecem ser pragmaticamente indistinguíveis dos tópicos de enquadre, pois ambos exercem a função de inaugurar unidades discursivas complexas, de modo a garantir a progressão textual. 


Palavras-chave


Tópicos Pendentes; Interface sintaxe-pragmática; Português brasileiro.

Texto completo:

PDF

Referências


AFANTENOS, S. & ASHER, N. (2010) Testing SDRT’s Right Frontier. In: Proceedings of the 23rd International Conference on Computational Linguistics (Coling 2010), pp. 1–9.

ASHER, N. & LASCARIDES, A. (2003). Logics of Conversation. Cambridge: Cambridge University Press.

ASHER, N. et al. (2011) Complex discourse units and their semantics. In Proceedings of Constraints in Discourse.

ASHER, N & VIEU, L. (2005) Subordinating and coordinating discourse relations. Lingua 115, p. 591-610.

BIRNER, B. J., & WARD, G. (1998). Information Status and Noncanonical Word Order in English. John Benjamins, Amsterdam.

BUSQUETS, J; VIEU, L. & ASHER, N. (2001) “La SDRT : une approche de la cohérence du discours dans la tradition de la sémantique dynamique,” Verbum 23, pp. 73-102.

CALLOU, D.; MORAES, J.; LEITE, Y.; KATO, M.; OLIVEIRA, C. T. de; COSTA, E.; ORSINI, M.; RODRIGUES, V. (1993). “Topicalização e Deslocação à esquerda: sintaxe e prosódia”. In: CASTILHO, A. (org.). Gramática do português falado. vol. III: As abordagens. Campinas: Editora da UNICAMP /FAPESP, pp. 315-360.

CASIELLES-SUAREZ, E. (2004). The Syntax-Information Structure Interface. Routledge.

CHAROLLES, M. & VIGIER, D. (2005). “Les adverbiaux em position préverbale: portée cadrative et organisation des discours,” Langue française 148, pp. 9-30.

CINQUE, G. (1977). “The Movement Nature of Left Dislocation,” Linguistic Inquiry 8: 397-412.

COMBETTES, B. (1983). Pour une grammaire textuelle. La progression thématique. Paris: A. de Boeck & Ducolot.

COMBETTES, B. (2005). “Les constructions détachées comme cadres de discours”. Langue française 148, pp. 31-44.

DUARTE, I. (1987). A Construção de Topicalização na Gramática do Português: Regência, Ligação e Condições sobre Movimento. Tese de Doutoramento, Universidade de Lisboa.

GALVES, C. (1987). A sintaxe do português brasileiro. Ensaios de Linguística 13, pp. 31-50.

GALVES, C. (1998). Tópicos, sujeitos, pronomes e concordância no Português Brasileiro. Cadernos de Estudos Lingüísticos 34, pp. 7-21.

GIVÓN, T. (2001). Syntax: an introduction. Vol. II. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins.

ILARI, R. (1986) Perspectiva funcional da frase portuguesa. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp.

KAMP, H. & RÖHRER, C. (1983). Tense in texts. In: BAUERLE, R.; SCHWARZE, C. & VON STECHOW, A. (eds.), Meaning, Use and Interpretation of Language. Berlin: De Gruyter, pp. 250–269.

LÓPEZ, L. (2009). A Derivational Syntax for Information Structure. Oxford: OUP.

MANN, W. C. & THOMPSON, S. A. (1988) Rhetorical structure theory: Toward a functional theory of text organization. Text 8, pp. 243-281.

MÜLLER, P. et al (2012). Manuel d’annotation en relations de discours du projet ANNODIS. ISSN: 1965-0019. CLLE-ERSS – Maison de la Recherche – Université de Toulouse-Le Mirail.

PONTES, E. (1987). O Tópico no Português do Brasil. Campinas: Pontes.

REESE et al. (2007). Reference Manual for the Analysis and Annotation of Rhetorical Structure (version 1.0). Disponível online em: http://timeml.org/jamesp/annotation_manual.pdf. Acesso: 10 de Março de 2015.

URBANO, H. (Org.) (1988). A Linguagem Falada Culta Na Cidade de São Paulo. Volume III: Entrevistas (Diálogos Entre Informante e Documentador). São Paulo: T. A. Queiroz.

VIEU, L. et al. (2005). “Locating adverbials in discourse” French Language Studies 15, pp. 173-193.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2015.2.20333

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS