Acento secundário e epêntese vocálica no português do sul do Brasil

Evellyne Sousa Costa, Tatiana Keller

Resumo


A observação de que o acento secundário ocorre na pauta pretônica, um dos contextos mais favorecedores para a ocorrência de epêntese, conforme análises variacionistas, como a de Collischonn (2002), e de que a epêntese cria uma sílaba a mais nessa posição parece indicar que possa haver uma correlação entre a incidência desse fenômeno e esse tipo de acento. Collischonn (1994) e Moraes (2003) identificam duas tendências em relação ao acento secundário em português: proeminência inicial e alternância binária entre sílabas fracas e fortes. Quando uma palavra tem número par de sílabas pretônicas essas duas tendências podem ser atendidas simultaneamente; o mesmo não ocorre quando o número de sílabas é ímpar. Neste trabalho, investiga-se a possibilidade de ocorrer mais epêntese vocálica em palavras com número ímpar de sílabas pretônicas para atender às duas tendências para a incidência de acento secundário e também analisa-se a localização desse acento em palavras com esse número de sílabas com e sem inserção vocálica. A amostra selecionada constitui-se de 8 entrevistas, pertencentes ao Banco de Dados VARSUL, realizadas na cidade de Porto Alegre com informantes do sexo masculino e feminino, nas faixas etárias mais de 50 anos e menos de 50 anos e escolaridade superior.

Palavras-chave


Acento Secundário; Epêntese Vocálica; Português Brasileiro; Análise Fonológica.

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, P.; BARBOSA, P. A. Acentuação secundária em Português Brasileiro à luz do modelo dinâmico do ritmo: um estudo piloto. Anais do I Congresso Internacional de Fonética e Fonologia/VII Congresso Nacional de Fonética e Fonologia. Belo Horizonte (MG), 2002.

BISOL, L. Neutralização das átonas. DELTA, São Paulo, v. 19, n. 2, 2003.

_____. Os constituintes prosódicos. In: ______. (Org.). Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999.

CÂMARA Jr, J. M. Estrutura da língua portuguesa. 33. ed. Petrópolis: Vozes, 2001 [1970].

COLLISCHONN, G. A epêntese vocálica no português do sul do Brasil. In: BISOL, L.; BRESCANCINI, C. (Org.) Fonologia e variação: recortes do português brasileiro (VARSUL). Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

______. A epêntese vocálica no português do sul do Brasil: análise variacionista e tratamento pela Teoria da Otimalidade. Letras de Hoje, v. 35, n. 1, p. 285-318, 2000.

______. Acento secundário em português. Letras de Hoje, v. 29, n. 4, p. 43-53, 1994.

FERNANDES-SVARTAMAN, F. R.; ABAURRE, M. B. M.; GONZÁLEZ-LÓPEZ, V. A. Acento secundário e intensidade em português brasileiro. Anais do VIII Encontro do CELSUL. Porto Alegre, 2008.

GAMA-ROSSI, A. Qual é a natureza do acento secundário no português brasileiro? CadernosCentro Universitário S. Camilo, v. 4, n.1, p. 77-92, 1998.

KELLER, T. Um estudo perceptual do acento secundário no português brasileiro. Revista do GELNE, v. 13, 2011.

______. O fenômeno da epêntese vocálica no português falado em Panambi e Blumenau. Cadernos do I.L. Porto Alegre: UFRGS, 1999.

MAJOR, R. Stress Rhythm in Brazilian Portuguese. Language, v. 61, n. 2, p. 259-282, 1985.

MORAES, J. A. de. A manifestação fonética do pé métrico. Letras de Hoje, v. 38, n. 4, p.147- 162, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2014.2.17629

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS