Alumbramento e Pensamento Originário

André Vinícius Pessôa

Resumo


RESUMO: Destaca-se neste artigo a possível relação do poema “Alumbramento”, de Manuel Bandeira, com o mito da caverna de Platão e com a alétheia dos antigos gregos. A partir da contribuição dos pensadores originários, ou pré-filosóficos, no resgate de suas questões essenciais, acresce-se a crítica da metafísica nos destinos do pensamento ocidental e na relação do homem com o poético. O olhar alumbrado do poema de Bandeira é transvisto pelo pensamento de Martin Heidegger, pelo qual se retoma a questão da alétheia como a antiga experiência da verdade, conjugada à phýsis e ao lógos, na dimensão do Ser, a partir do mito platônico, do poema de Parmênides, “Da natureza”, ou “Acerca da Nascitividade”, e de alguns fragmentos de Heráclito. 


Palavras-chave


alumbramento; pensamento originário; Manuel Bandeira; poesia

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1984-4301

Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional , que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.