Um registro do diário íntimo de Frida Kahlo analisado sob uma perspectiva semiológica enunciativa

Claudia Stumpf Toldo, Romeu Carletto

Resumo


Este é um estudo que se propõe a analisar um registro do diário íntimo que a pintora Frida Kahlo produziu nos últimos dez anos de sua vida. Para sua análise, apoiamo-nos na perspectiva enunciativa da linguagem, tendo como suporte o texto Semiologia da Língua (1969), escrito pelo linguista da enunciação Émile Benveniste. Nesse texto o autor defende a ideia de que toda semiologia de sistema não linguístico recorre à língua para sua interpretação, já que essa “não pode existir senão na e pela semiologia da língua” (BENVENISTE, 1989, p. 61). A língua é o interpretante de todos os sistemas, os linguísticos e os não-linguísticos. Este trabalho objetiva, portanto, através da análise do corpus, evidenciar que a língua é o único sistema capaz de interpretar a si mesmo e interpretar os demais sistemas de signos.

Palavras-chave


Frida Kahlo; Diário; Signo; Língua; Enunciação.

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS