Economia popular solidária: no processo de reestruturação produtiva brasileira

Caroline Goerck

Resumo


No final do século XX e no limiar do século XXI, está ocorrendo um acentuado processo de transformações, relacionadas ao mundo do trabalho. As transformações nos processos produtivos, caracterizadas pela automação, robótica e eletrônica, vêm gerando uma substituição dos trabalhadores menos qualificados, pelo capital. A atualidade vem exigindo a criação de alternativas de geração de trabalho e renda, como fonte de subsistência, para sujeitos excluídos ou que estão à margem do mercado de trabalho. A Economia Popular Solidária surge no Brasil, nas últimas décadas do século XX, como uma alternativa ao desemprego. As experiências que constituem a Economia Popular Solidária se materializam através de cooperativas ou associações de trabalho. Os integrantes desses empreendimentos coletivos possuem a possibilidade de elaborar as suas próprias regras de normatização da produção e de gestão dos processos de trabalho. Faz-se necessário, para o desenvolvimento desses empreendimentos, o incentivo do poder público, tanto financeiramente, como em termos de acompanhamento profissional. Nesse sentido, a inclusão de trabalhadores em experiências associativistas e cooperativistas possibilitam aos sujeitos um aumento da suas rendas familiares, assim como, uma possível superação de um estágio de marginalização social.
Palavras-chave – Reestruturação produtiva. Economia popular solidária. Política pública.

Texto completo:

PDF



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Textos & Contextos (Porto Alegre)
eISSN: 1677-9509
DOI: 10.15448/1677-9509
Avaliação do Qualis CAPES - 2016
Área Capes - Serviço Social
Classificação: A2
E-mail: textos@pucrs.br
 
 
Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul
 
 
Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS