A escala e a medida. A criação de ponto de vista em dois poemas de Prosas seguidas de Odes mínimas, de José Paulo Paes

Carolina Lindenberg Lemos

Resumo


A crítica de José Paulo Paes reconheceu-lhe um caráter minimalista. Este artigo busca na noção de aspecto os instrumentos para a explicitação dessa percepção. Para além da constatação do tamanho dos poemas e versos, o conteúdo também constrói um universo minimalista. Ao imprimir recortes e saliências, o aspecto instaura um sujeito observador: um ponto de vista, que dará a medida diminuta dos objetos convocados. Os recortes da minimalidade aspetual em dois poemas de Prosas seguidas de Odes mínimas se construirão tanto no tempo – campo tradicional do aspecto linguístico – quanto nas categorias de espaço e pessoa. As saliências dos recortes aspectuais ganharão paulatinamente figuras de atenuação e aproximação do sujeito, construindo a chave da leitura minimalista e desencadeando também a leitura metalinguística dos poemas. Além de explicitar os procedimentos do fazer poético de Paes, esta análise traz operacionalidade à noção de aspecto estendida às categorias de pessoa, tempo e espaço.

********************************************************************

Scale and Measure. On the creation of a view point in two poems of José Paulo Paes's

Abstract: The critics of José Paulo Paes have recognized a minimalist aspect in his work. This paper looks at the notion of aspect as a tool to explain such perception. Beyond the size of poems and verses, the content also builds a minimalist universe. By imprinting boundaries and relief, an observer comes into play: a point of view, that will offer the minimal measure of the objects called forth. The minimal aspect in two poems in Prosas seguidas de Odes mínimas is founded in time – which houses the traditional linguistic aspect – as well as in the categories of space and person. The reliefs created are progressively attenuated and the figures are brought to the scale of the subject, building thus the key to the minimalist reading, and ultimately triggering a meta-linguistic reading of the poems. Finally, and in addition to the exploration of the semiotic procedures underlying the poetics of Paes, our analytic exercise shows how one may operate with the discursive extensions of the notion of aspect to the categories of person, time and space.

Keywords: Semiotics; Poetics; Aspect; Discursive categories



Palavras-chave


Ssemiótica; Poética; Aspecto; Categorias discursivas

Texto completo:

PDF

Referências


ARRIGUCCI JR., David. Humildade, paixão e morte. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

ARRIGUCCI JR., David. Agora Tudo é História. In: Outros achados e perdidos. São Paulo: Cia. das Letras, 1999, p. 187-217.

BANDEIRA , Manuel. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BASTIDE, F. Aspectualisation. In: Greimas, Algirdas Julien; Courtés , Joseph (Org.). Sémiotique: dictionnaire raisonné de la théorie du langage. Paris: Hachette, 1986. Tomo 2, p. 19-24.

BOSI, Alfredo. O Livro do Alquimista. In: Céu, inferno. São Paulo: Duas Cidades/Ed. 34, 2003. p. 155-169.

FIORIN, José Luiz. As astúcias da Enunciação. As categorias de pessoa, espaço e tempo. São Paulo: Ática, 2002.

FORTUNA , Felipe. Miniatura em Si Maior. In: Escola de sedução: ensaios sobre poesia brasileira. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 1991. p. 84-87.

GREIMAS, Algirdas Julien; Courtés , Joseph. Dicionário de semiótica. São Paulo: Contexto, 2011.

HJELMSLEV, Louis. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. Tradução de J. Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 2003.

AUTOR?!?!?, Nome!?!?. Entre expressões e conteúdos: do

semissimbolismo às categorias tensivas. 2010. 122 f. Dissertação

(Mestrado em Semiótica e Linguística Geral) – Faculdade

de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São

Paulo, São Paulo, 2010.

PAES, José Paulo. Poesia completa. Apresentação de Rodrigo Naves. São Paulo: Cia. das Letras, 2008.

PASCHE, Marcos Estevão Gomes. José Paulo Paes. Poeta como nenhum outro. 2009. 124 f. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas – Literatura Brasileira) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

SECCHIN, Antonio Carlos. Um Poeta em Paz. In: Poesia e desordem. Escritos sobre poesia e alguma prosa. Rio de Janeiro: Topbooks, 1996. p. 121-124.

ZILBERGER, Claude. Plaidoyer pour le tempo. In: Fontan ille, Jaques (org.) Le devenir. Limoges: Pulim, 1995, p. 223-241.Zilberberg, Claude. Razão e poética do sentido. Tradução Luiz Tatit, Ivã Carlos Lopes e Waldir Beividas. São Paulo: Edusp, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2016.4.22998

e-ISSN: 1984-7726 | ISSN-L: 0101-3335


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.