Caracterização epidemiológica dos casos de sífilis em mulheres

Heuler Souza Andrade, Nayanne Ferreira Geralda Rezende, Meiriane Nogueira Garcia, Eliete Albano de Azevedo Guimarães

Resumo


Introdução: A Sífilis é uma infecção que representa um grave problema para a saúde pública mundial, especialmente pelas complicações em mulheres e neonatos.

Objetivo: Descrever o perfil das mulheres notificadas com Sífilis no município de Divinópolis (MG) entre os anos de 2011 a 2016.

Materiais e Métodos: Estudo descritivo de abordagem quantitativa. Os dados foram coletados através das fichas de notificação para Sífilis adquirida e Sífilis em gestante, arquivadas na Secretaria Municipal de Saúde. As variáveis estudadas foram: faixa etária, escolaridade, ocupação, antecedentes de Sífilis, comportamento sexual, resultado do teste treponêmico e não treponêmico, classificação clínica da doença, além dos cálculos de incidência da sífilis gestacional e adquirida. Os dados foram analisados descritivamente e apresentados em forma de tabelas.

Resultados: Entre os anos pesquisados foram notificados 70 casos de Sífilis Adquirida e 159 casos de Sífilis Gestacional. Em ambos os casos a faixa etária mais acometida foi de 20 a 29 anos. A maioria das mulheres com Sífilis adquirida possuíam ensino fundamental, tinham emprego formal, mantinham relações sexuais com homens e foram diagnosticadas com Sífilis secundária, porém sem antecedentes para doença. Já as gestantes possuíam em sua pluralidade o ensino médio, eram do lar e foram diagnosticadas com Sífilis primária. A maior parte apresentou teste não treponêmico reagente e não realizou teste treponêmicos.

Conclusão: Os resultados demonstraram que é preciso avançar nas ações de prevenção e na melhoria da qualidade da assistência.


Palavras-chave


sífilis; mulheres; gestantes.

Texto completo:

PDF

Referências


Leite IA, Leão MCM, Oliveira JM, França AMB. Assistência de enfermagem na sífilis na gravidez: uma revisão integrativa. Ciênc Biol Saúde. 2016;3(3):165-76.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para atenção integral às pessoas com infecções sexualmente transmissíveis. Brasília; 2015.

França ISX, Batista JDL, Coura AS, Oliveira CF, Araújo AKF, Souza FS. Fatores associados à notificação da sífilis congênita: um indicador de qualidade da assistência pré-natal. Rev Rene. 2015;16(3): 374-81.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/AIDS e das Hepatites Virais. Boletim epidemiológico de sífilis 2017. Brasília; 2017.

Hebmuller MG, Fiori HH, Lago EG. Gestações subsequentes em mulheres que tiveram sífilis na gestação. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(9):2867-78.

Feliz MC, Medeiros ARP, Rossani AM, Tahnus T, Pereira AMVB, Rodrigues C. Aderência ao seguimento no cuidado ao recém-nascido exposto à sífilis e características associadas à interrupção do acompanhamento. Rev Bras Epidemiol. 2016;19(4):727-39.

Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad Saúde Pública. 2016;32(6):e00082415.

Magalhães DMS, Kawaguchi IAL, Dias A, Calderon IMP. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Cad Saúde Pública. 2013;29(6):1109-20.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Informações demográficas [Internet]. Brasília; 2017 [capturado em 23 jan. 2019]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/divinopolis/ panorama

Silva DAR, Alves IGFG, Barros MPT, Dorneles FV. Prevalência de sífilis em mulheres. Enferm Foco. 2017;8(3):61-4.

Saraceni V, Pereira GFM, Silveira MF, Araujo MAL, Miranda AE. Vigilância epidemiológica da transmissão vertical da sífilis: dados de seis unidades federativas no Brasil. Rer Panam Salud Publica. 2017;41:1-8.

Boni SM, Pagliari PB. Incidência de sífilis congênita e sua prevalência em gestantes em um município do noroeste do Paraná. Rev Saúde Pesquisa. 2016;9(3):517-24.

Travaim SF, Machado BS, Domingues BS, Morais LI, Alves HNS, Pereira GCA, Gois RV. Análise do perfil epidemiológico dos casos de sífilis notificados no município de Ji-Paraná no período de 2012 a 2016. Br J Surg Clin Res. 2017;21(2):42-6.

Nonato SM, Melo APS, Guimarães MDC. Syphilis in pregnancy and factors associated with congenital syphilis in Belo Horizonte-MG, Brazil, 2010-2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(4):681-94.

Dantas LA, Jerônimo SHNM, Teixeira GA, Lopes TRG, Cassiano AN, Carvalho JBL. Perfil epidemiológico de sífilis adquirida diagnosticada y notificada en hospital universitario materno infantil. Enferm Glob. 2017;16(46):217-26.

Padovani C, Oliveira RR, Pelloso SM. Sífilis na gestação: associação das características maternas e perinatais em região do sul do Brasil. Rev Latino-Am Enfermagem. 2018;26:e3019.

Pinto VM, Tancredi MV, Alencar HDR, Comolesi E, Holcmam MM, Grecco JP, et al. Prevalência de Sífilis e fatores associados a população em situação de rua de São Paulo, Brasil, com utilização de Teste Rápido. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(2):341-54.

Sousa LB, Pinheiro AKB. Doenças sexualmente transmissíveis na relação estável: perspectivas para o cuidado usando modelo Sunrise. Rev Rene. 2011;12(3):478-86.

Henrich TJ, Yawetz S. Impact of age, gender, and pregnancy on syphilis screening using the Captia Syphilis-G assay. Sex Transm Dis. 2011;38(12):1126-30.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2019.1.32124

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS