Leitura de rótulos de alimentos por frequentadores de um estabelecimento comercial

Bruna Marzarotto, Márcia Keller Alves

Resumo


Objetivo: Avaliar se os frequentadores de um estabelecimento comercial têm o hábito de ler e se conseguem compreender a rotulagem nutricional dos alimentos.
Materiais e Métodos: Estudo transversal, realizado em 2012 e 2013, com 227 indivíduos selecionados e entrevistados aleatoriamente em um estabelecimento comercial alimentício de Caxias do Sul-RS. O questionário aplicado avaliou o nível socioeconômico, hábito e motivo de leitura, principal informação observada, critérios de escolha dos alimentos, entre outros. A associação entre as variáveis foi analisada através do teste qui-quadrado, utilizando o software SPSS versão 19.0.
Resultados: A amostra foi formada principalmente por consumidores do gênero feminino, casados, com menos de 30 anos, com ensino superior completo e renda mensal acima de R$1.500,00. A maioria (70%) possui o hábito de leitura e 40,5% o fazem no supermercado. A informação nutricional mais lida é o valor calórico, motivada pela busca por uma alimentação saudável. A internet é a fonte de informação mais utilizada para a busca de conhecimentos sobre alimentação e nutrição. Qualidade e sabor do alimento são os critérios mais destacados pelos clientes na hora da compra do alimento. Entre os entrevistados, 39,2% diz ter 30 minutos para a realização das compras, tempo suficiente para efetuar a leitura dos rótulos. Os indivíduos dizem utilizar as informações encontradas para manter uma alimentação saudável, porém, não acreditam conhecer o suficiente de nutrição.
Conclusão: O hábito de leitura está presente entre os entrevistados, que utilizavam a declaração nutricional para orientação alimentar com o objetivo de manter uma dieta saudável. Entretanto, os participantes não acreditam ter conhecimento suficiente de nutrição para a compreensão das informações contidas nos rótulos.


Palavras-chave


rotulagem de alimentos; informação nutricional; hábitos alimentares

Texto completo:

PDF

Referências


Pontes TE, Costa TF, Marum ABRF, Brasil ALD, Taddei JAAC. Orientação nutricional de crianças e adolescentes e os novos padrões de consumo: propagandas, embalagens e rótulos. Rev Paul Pediatr. 2009;27(1):99-

https://doi.org/10.1590/S0103-05822009000100015

Nascimento CS. Validação de um instrumento de avaliação da compreensão da rotulagem nutricional pelo consumidor [monografia]. Brasília: Universidade de Brasília; 2004.

Souza SMFC, Lima KC, Miranda HF, Cavalcantil FID. Utilização da informação nutricional de rótulos por consumidores de Natal, Brasil. Rev Panam Salud Publ. 2011;29(5):337-43.

Carvalho JLV, Dias PDF, Oliveira AT, Amorim E. Orientação para rotulagem de alimentos. São Paulo: ABIMA/EMBRAPA; 2006.

Brasil. Resolução RDC 360, de 23 de dezembro de 2003. Regulamento técnico sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados, tornando obrigatório a rotulagem nutricional [Internet]. DOU. 2003 Dez [citado em 2013 Maio 31]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/1c2998004bc50d62a671 ffbc0f9:d5b29/RDC_N_360_DE_23_DE_DEZEMBRO_DE_2003. pdf?MOD=AJPERES

Lobanco CM, Vedovato GM, Cano CB, Bastos DHM. Fidedignidade de rótulos de alimentos comercializados no município de São Paulo, SP. Rev Saúde Pública. 2009;43(3):499-505. https://doi.org/10.1590/S0034-89102009000300014

Segat ETL, Alves MK. Análise da veracidade da informação referente

ao teor de vitamina C contida no rótulo de sucos de laranja

industrializados e preparados sólidos para refresco. Nutr Pauta.

;11:27-30.

Camara MCC. Análise crítica da rotulagem de alimentos Diet e Light no Brasil [dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Oswald Cruz/Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2007.

Garcia PPC, Carvalho LPS. Análise da rotulagem nutricional de alimentos Diet e Light. Ensaios e C. 2011;15(4):89-103.

Álvares F, Araújo WM, Borgo LA, Barros LM. Informações nutricionais em rótulos de queijos industrializados. Hig Aliment. 2005;19(131):25-33.

Leonardi DS, Feres MBC, Portari GV, Jordão AA. Determinação do valor energético de hambúrgueres e almôndegas através da calorimetria direta e da composição centesimal. Comparação com informações nutricionais apresentadas nas embalagens. Biosci J. 2009;25(5):141-8.

Takahashi AA, Abreu ES. Avaliação da fidedignidade de informações nutricionais de bentos comercializados em um bairro oriental de São Paulo – SP. In: VIII Jornada da Iniciação Cientifica da Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo; 2011.

Sauerbronn ALA. Análise laboratorial da composição de alimentos processados como contribuição ao estudo da rotulagem nutricional obrigatória de alimentos e bebidas embalados no Brasil [dissertação]. Rio de Janeiro: INCQS/FIOCRUZ; 2003.

Silva MZT. Influência da rotulagem nutricional sobre o consumidor [dissertação]. Recife: Universidade Federal de Pernambuco; 2003.

Cassemiro IA, Colauto NB, Linde GA. Rotulagem nutricional: quem lê e por quê? Arq Ciên Saúde Unipar. 2006;10(1):9-16.

Machado SS, Santos FO, Albinati FL, Santos LPR. Comportamento dos consumidores com relação à leitura de rótulos de produtos alimentícios. Alim Nutr. 2006;17(1):97-103.

Cavada GS, Paiva FF, Helbig E, Borges LR. Rotulagem nutricional: você sabe o que está comendo? Braz J Food Technol. 2012; IV SSA:84-88.

Pinheiro FA, Cardoso WS, Chaves KF, Oliveira ASB, Rios AS. Perfil de consumidores em relação à qualidade de alimentos e hábitos de compras. UNOPAR Cient Ciênc Biol Saúde. 2011;13(2): 95-102.

Cavada GS, Zanella R, Demoliner F, Orlandi S, Borges LR. Os consumidores leem os rótulos dos alimentos que consomem? Um estudo preliminar. In: Anais do XX Congresso de Iniciação Científica e III Mostra Científica da UFPEL. Pelotas; 2011.

Marins BR, Jacob SC, Peres F. Avaliação qualitativa do hábito de leitura e entendimento: recepção das informações de produtos alimentícios. Ciên Tecnol Aliment. 2008;28(3):579-85. https://doi.org/10.1590/S0101- 20612008000300012

Monteiro RA, Coutinho JG, Recine E. Consulta aos rótulos de alimentos e bebidas por frequentadores de supermercados em Brasília, Brasil. Rev Panam Salud Publ. 2005;18(3):172-7. https://doi.org/10.1590/S1020-49892005000800004




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2017.2.24220

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS