Valor nutritivo de lanches consumidos por escolares de uma escola particular

Aline Veroneze de Mello, Juliana Masami Morimoto, Ana Carolina Almada Colucci Paternez

Resumo


Objetivo: Avaliar o valor nutritivo de lanches consumidos por escolares, no horário do intervalo, de uma escola privada de São Paulo.
Materiais e Métodos: A amostra foi composta por 52 alunos de ambos os sexos do 1º ano do ensino fundamental. Realizou-se a análise quantitativa da refeição em relação à quantidade de energia, carboidratos, fibra alimentar, proteínas, lipídeos, sódio, cálcio e ferro. Também foi realizada análise qualitativa de forma a identificar os grupos alimentares consumidos. Os dados de ingestão de energia e nutrientes foram comparados aos parâmetros para lanches do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).
Resultados: Verificou-se que as crianças que compram os lanches na cantina da escola, optam por alimentos mais energéticos em comparação com as que levam de casa. Os principais grupos de alimentos encontrados nas lancheiras foram cereais, leite e derivados e sucos artificiais. Além disso, os valores encontrados através da ingestão de energia e dos macronutrientes estão acima do recomendado, com exceção de proteína para o sexo masculino que se encontra abaixo do valor recomendado. Já os valores de micronutrientes encontrados estão abaixo do recomendado para o cálcio e acima do recomendado para o ferro.
Conclusão: O valor nutritivo de lanches consumidos por escolares, no horário do intervalo, de uma escola privada de São Paulo, aponta para a ingestão de energia e dos macronutrientes acima das recomendações do PNAE, com exceção de proteína para o sexo masculino, consumo de cálcio abaixo do recomendado e consumo excessivo de ferro. Apesar do baixo desperdício e das poucas crianças que compravam os lanches na cantina da escola optando por alimentos mais energéticos em comparação com as que levavam de casa, os resultados demonstraram inadequações que alertam para a necessidade do incentivo e da implementação de programas de educação nutricional nas escolas para contribuir com melhorias na qualidade de vida e na alimentação das crianças.


Palavras-chave


escolares; valor nutritivo; lanches; hábitos alimentares.

Texto completo:

PDF

Referências


Spinelli MGN, Goulart RMM, Santos ALP, Gumiero LDC, Farhud CC, Freitas EB, Dantas LF. Consumo alimentar de crianças de 6 a 18 meses em creches. Rev Nutr. 2003;16(4):409-14. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732003000400004

Philippi ST, Cruz ATR, Colucci ACA. Pirâmide alimentar para crianças de 2 a 3 anos. Rev Nutr. 2003;16(1):5-19. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732003000100002

Castro TG, Novaes JF, Silva MR, Costa NMB, Franceschini SCC, Tinôco ALA, Leal PFG. Caracterização do consumo alimentar, ambiente socioeconômico e estado nutricional de pré-escolares de creches municipais. Rev Nutr. 2005;18(3):321-30. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732005000300004

Pontes TE, Costa TF, Marum ABFR, Brasil ALD, Taddei JAAC. Nutritional guidance for children and adolescents and the new consumption patterns: advertising, packaging and labeling. Rev Paul Pediatr. 2009;27(1):99-105. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822009000100015

Gambardella AM, Frutuoso MF, Franch C. Prática alimentar de adolescentes. Rev Nutr. 1999;12(1):5-19. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52731999000100005

Campos JADB, Zuanon ACC. Merenda escolar e promoção de saúde. Ciênc Odontol Bras. 2004;7(3):67-71. http://dx.doi.org/10.14295/bds.2004.v7i3.443

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília (DF); 2008 [acesso em 2014 set. 02]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_operacional_profissionais_saude>._educacao.pdf

Gonçalves FD, Catrib AMF, Vieira NFC, Vieira LJES. Health promotion in primary school. Interface Comun Saúde Educ. 2008;12(24): 181-92. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832008000100014

Sociedade brasileira de pediatria. Obesidade na infância e adolescência: manual de orientação. São Paulo (SP): SBP; 2008 [acesso em 2015 jan. 14]. Disponível em: http://www.sbp.com.br/PDFs/Man%20Nutrologia_Obsidade.pdf.

Buss PM. Promoção e educação em saúde no âmbito da Escola de Governo em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública. Cad Saúde Pública. 1999;15(2):177-85. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1999000600018

Wang Y, Monteiro C, Popkin BM. Trends of obesity and underweight in older children and adolescents in the United States, Brazil, China and Russia. Am J Clin Nutr. 2002 Jun;75(6):971-7.

Triches RM, Giugliani ER. Obesidade, práticas alimentares e conhecimentos de nutrição em escolares. Rev Saúde Pública. 2005;39(4): 541-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-9102005000400004

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil - Saúde suplementar. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013. p. 51-68.

Matuk TT, Stancari PCS, Bueno MB, Zaccarelli EM. Composição de lancheiras de alunos de escolas particulares de São Paulo. Rev Paul Pediatr. 2011;29(2):157-63. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822011000200005

Ministério da Educação (BR). Fundação Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Resolução/CD/FNDE n.38, de 16 de julho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Brasília (DF): Ministério da Educação; 2009.

Ministério da Educação (BR). Fundação Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Portaria Interministerial n.10, de 8 de maio de 2006. Institui as diretrizes para a Promoção da Alimentação Saudável nas Escolas de educação infantil, fundamental e nível médio das redes públicas e privadas, em âmbito nacional. Brasília (DF): Ministério da Educação; 2006.

Deminice R, Laus MF, Marins TM, Silveira SDO, Dutra-de-Oliveira JE. Impacto de um programa de educação alimentar sobre conhecimentos, práticas alimentares e estado nutricional de escolares. Alim Nutr. 2007;18(1):35-40.

Costa EQ, Ribeiro VMB, Ribeiro ECO. Programa de alimentação escolar: espaço de aprendizagem e produção de conhecimento. Rev Nutr. 2001;14(3):225-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732001000300009

Schmitz BAS, Recine E, Cardoso GT, Silva JRM, Amorim NFA, Bernardon R, Rodrigues MLCF. A escola promovendo hábitos alimentares saudáveis: uma proposta metodológica de capacitação para educadores e donos de cantina escolar. Cad Saúde Pública. 2008;24(2):312-22. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001400016

Menezes RCE, Osorio MM. Consumo energético-protéico e estado nutricional de crianças menores de cinco anos, no estado de Pernambuco, Brasil. Rev Nutr. 2007;20(4):337-47. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732007000400001

Fernandes PS, Bernardo CO, Campos RMMB, Vasconcelos FAG. Avaliação do efeito da educação nutricional na prevalência de sobrepeso/obesidade e no consumo alimentar de escolares do ensino fundamental. J Pedriatr (Rio J). 2009;85(4):315-21. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.1917

Ministério da Educação (BR). Fundação Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Referências Nutricionais para o Programa Nacional de Alimentação Escolar. Brasília (DF): Ministério da Educação; 2009.

Mesquita JH, Pinto PCMM, Sarmento CTM. Perfil qualitativo dos lanches escolares consumidos em instituição de ensino particular do Distrito Federal – Brasil. Univ Ciênc Saúde. 2006;4(1): 49-62.

Abrantes MM, Lamounier JA, Colosimo EA. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes das regiões Sudeste e Nordeste. J Pedriatr (Rio J). 2002;78(4):335-40. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572002000400014

Gunther AL, Remer T, Kroke A, Buyken AE. Early protein intake an later obesity risk: which protein sources at which time points throughout infancy and childhood are important for body mass index and body fat percentage at 7 years of age? Am J Clin Nutr. 2007;86(6):1765-72.

Cruz GF, Santos RS, Carvalho CMRG, Moita GC. Avaliação dietética em creches municipais de Teresina, Piauí, Brasil. Rev Nutr. 2001;14(1):21-32. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732001000100004

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Resolução RDC n.344, de 13 de dezembro de 2002. Aprova o Regulamento Técnico para a Fortificação das Farinhas de Trigo e das Farinhas de Milho com Ferro e Ácido Fólico. Brasília (DF): ANVISA; 2002.

Bueno AL, Czepielewski MA. A importância do consumo dietético de cálcio e vitamina D no crescimento. J Pedriatr (Rio J). 2008;84(5):386-94. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.1816




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2016.2.21844

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS