O “discurso da vida saudável” na cultura organizacional: a subjetividade dos sujeitos em foco

Ana Luisa Schulz Walber, Angela Beatriz Scheffer Garay

Resumo


A organização contemporânea, a partir do novo paradigma tecnológico, passou a demandar outros modos de viver e de trabalhar, e também novos modos de gestão, onde a mobilização da subjetividade dos trabalhadores tornou-se central. Dentro deste discurso, é imperativo que se tenha agilidade, adaptação rápida a mudanças e capacidade de entrega. Estar saudável e em boa forma também se tornam exigências no universo do trabalho, sendo ao próprio indivíduo atribuída a capacidade de ser ou não ser (Freitas, 2007). Esta pesquisa objetivou identificar estas compreensões e ações individuais em saúde, permeadas pela prática de atividade física, em sujeitos participantes de um Programa de Qualidade de Vida no Trabalho empresarial. Como resultados, verificou-se que os indivíduos assumem para si responsabilidade sobre sua saúde, expressam a culpa do fracasso, associam magreza à saúde, velocidade e aptidão física, reforçando a influência cultural deste novo mundo do trabalho, que requer constante adaptabilidade.

Palavras-chave


Subjetividade do trabalhador. Qualidade de vida. Saúde. Worker’s subjectivity. Quality of life. Health

Texto completo:

PDF


ISSN-L: 1516-2680
e-ISSN:
1980-6302


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. *Disponibilidade para depósito: Azul.

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS