Da crítica à política: tensões entre reconhecimento e democracia racial na política de cotas da Ufrgs

Luciana Garcia de Mello

Resumo


Desde os anos 1970, as teorias pós-coloniais vêm denunciando a continuidade das relações de poder e de dominação engendradas durante o período colonial. Ao colocar em questão a universalidade das sociedades Ocidentais, em todos os seus aspectos, mas, sobretudo, em termos políticos e culturais, essa vertente teórica enfatiza a necessidade de inscrição da diferença. Nesse artigo, tem-se por objetivo problematizar a relação entre a crítica pós-colonial e as ações políticas que são adotadas supostamente com o objetivo de promover a diversidade étnico-racial. Adota-se como objeto empírico de investigação o modo de acesso dos estudantes autodeclarados negros na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, através do sistema de cotas adotado desde 2007.

Palavras-chave


Pós-colonialismo. Antirracismo. Reconhecimento. Democracia Racial.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Sérgio. Lei e ordem no segundo governo FHC. Tempo Social, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 103-140, 2003 <10.1590/S0103-20702003000200005>.

BELTRÃO, Kaizô; TEIXEIRA, Moema de Poli. O vermelho e o negro: raça e gênero na universidade brasileira – uma análise da seletividade das carreiras a partir dos censos demográficos de 1960 a 2000. Rio de Janeiro: Ipea. Texto para discussão, n. 1052, outubro, 2004.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. São Paulo: Bertrand, 2003.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

CANDIDO, Antônio. O significado de raízes do Brasil. In: Sérgio Buarque de Holanda. Raízes do Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1995. p. 9-23.

COSTA, Sérgio. Dois Atlânticos: teoria social, anti-racismo, cosmopolitismo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

DAFLON, Verônica T.; FERES JUNIOR, João; CAMPOS, Luiz A. Ações Afirmativas raciais no ensino superior público brasileiro: um panorama analítico. Cadernos de Pesquisa, v. 43, n. 148, p. 302-327, 2013 <10.1590/S0100-15742013000100015>.

FANON, Frantz. Peau noire, masques blancs. Paris: Éditions du Sueil, 1952.

FERES JUNIOR, João; DAFLON, Verônica T. Políticas da igualdade racial no ensino superior. Cadernos do Desenvolvimento Fluminense, n. 5, p. 3-43, 2014.

GUILLAUMIN, Colette. L’idéologie raciste: gènese et langage actuel. Paris:

Gallimard, 2002.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.

HALL, Stuart. Questão multicultural. In: Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG; Brasília: Representações da Unesco no Brasil, 2006. p. 51-100.

HASENBALG, Carlos A. Relações raciais no contexto nacional e internacional. In: Carlos A. Hasenbalg; Kabengele Munanga; Lilia Schwarcz M. (Org.). Racismo: perspectivas para um estudo contextualizado da sociedade brasileira. Niterói: Eduff, 1998.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

HONNETH, Axel. El derecho de la libertad: esbozo de una eticidad democrática. Madrid: Katz, 2014.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática social dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

KUMAR, Margaret. Postcolonial theory and cross-culturalism: collaborative “signposts” of discursive pratices. Journal of Educational Enquiry, v. 1, n. 2, p. 83-92, 2000.

KYMLICKA, Will. Ciudadanía multicultural: una teoría liberal de los derechos de las minorías. Barcelona: Paidós, 1996.

NASCIMENTO, Abdias; L. NASCIMENTO, Elisa. Reflexões sobre o movimento negro no Brasil, 1938-1997. In: Lynn Huntley; Antônio Sérgio A. Guimarães (Org.). Tirando a máscara: ensaios sobre o racismo no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 2000. p. 203-236.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2006.

QUEIROZ, Delcele M.; SANTOS, Jocélio T. Sistemas de cotas: um debate – dos dados à manutenção do privilégio e de poder. Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 96 (Especial), p. 717-737, 2006.

REIS, Elisa. A desigualdade na visão da elite e do povo brasileiro. In: Celi Scalon, (Org.). Imagens da desigualdade. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2004. p. 37-73.

RIBEIRO, Matilde. Políticas de promoção da igualdade racial no Brasil (1986-2010). Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

RIOS, Flávia. O protesto negro no Brasil contemporâneo (1978-2010). Lua Nova, São Paulo, n. 85, p. 41-79, 2012

SAID, Edward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

SCHNAPPER, Dominique. La relation à l’autre: au coeur de la pensée sociologique. Paris: Gallimard, 1998.

UNIVERSIDADE Federal do Rio Grande do Sul. Relatório anual do programa de ações afirmativas. Coordenadoria de Acompanhamento do Programa de Ações Afirmativas, 2014.

UNIVERSIDADE Federal do Rio Grande do Sul. Relatório do acompanhamento quantitativo do ingresso de estudantes no âmbito da política de reserva de vagas da UFRGS no período de 2008-2012.

UNIVERSIDADE Federal do Rio Grande do Sul/Conselho Universitário. Decisão nº 134 de 19 de junho de 2007. Institui o Programa de Ações Afirmativas, através do Ingresso por Reserva de Vaga para o Acesso de todos os cursos de graduação e cursos técnicos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Ufrgs, 2007.

WADE, Peter. Raza y etnicidad en latinoamerica. Quito: Ediciones Abya-Ayala, 2000.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Tomaz Tadeu da Silva (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 7-68.

YOUNG, Iris Marion. Representação política, identidade e minorias. Lua Nova, São Paulo, n. 67, p. 139-190, 2006 <10.1590/S0102-64452006000200006>.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2017.2.27045

Direitos autorais 2017 Civitas - Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

ISSN-L: 1519-6089

e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.

 

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 


Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS