A fundação do Partido Democrático Trabalhista (PDT) no exílio

Teresa Cristina Schneider Marques, Leandro Pereira Gonçalves

Resumo


O presente artigo analisa a fase genética do Partido Democrático Trabalhista (PDT), um partido político de cunho nacional, mas fundado em Portugal por Leonel Brizola e outros brasileiros durante o exílio. A particular origem do PDT nos leva a refletir sobre o papel do exílio imposto às suas lideranças para a compreensão das primeiras escolhas que marcam a trajetória do partido. A pesquisa indicou que o contexto no qual o PDT foi criado – marcado pela redemocratização portuguesa e pelo jogo transnacional em que os exilados são inseridos ao deixar o país – influenciou as suas principais lideranças e criou as condições para o surgimento do chamado “socialismo moreno”.


Palavras-chave


Leonel Brizola. Trabalhismo. Exílio. Partido Democrático Trabalhista

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil (1964-1984). Bauru: Edusc, 2005.

ARRAES Brizola e Julião: os três mais famosos. Anistia, p. 41, São Paulo, abr. 1978.

BDIC, Archives. F Delta 1119 (1-2). Recueil: Répression et Droits de l’homme au Brésil. Documents divers: 1969-1986.

BATISTELLA, Alessandro. O trabalhismo getulista-reformista do antigo PTB e o “novo trabalhismo” do PDT: continuidades e descontinuidades. Aedos, v. 5, n. 12, p. 116-132, 2013.

CARTA de Lisboa. Lisboa, 17 de junho de 1979 (15 jan. 2016).

CARVALHO, Thiago. O Brasil e o fim do império português. In: Miguel Bandeira Jerónimo; António Costa Pinto (orgs.). Portugal e o fim do colonialismo. Lisboa: Edições 70, 2014. p. 155-178.

CONSTITUINTE , abertura, novos partidos. Anistia. São Paulo, abr. 1978. p. 43. BDIC, Archives: F Delta 1119 (1-2). Recueil: Répression et Droits de l’homme au Brésil. Documents divers: 1969-1986.

D’ARAÚJO, Maria Celina. Sindicatos, carisma e poder: o PTB de 1945 a 1965. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 1996.

DAHL, Robert. Poliarquia. São Paulo: Edusp, 1997.

DEVIN, Guillaume. Introduction: les solidarités transnationales, phénomène social à l’échelle mondiale. In: Guillaume Devin (org.). Les solidarités transnationales. Paris: L’Harmattan, 2004. p. 17-18.

EM LISBOA, semana de solidariedade com o Brasil. Anistia. São Paulo, abr. 1978. p. 07. BDIC, Archives: F Delta 1119 (1-2). Recueil: Répression et Droits de l’homme au Brésil. Documents divers: 1969-1986.

FORTI NETO, Octavio. Partidos políticos transnacionais: elementos para uma possível definição. In: IV Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais (Abri). Anais... Belo Horizonte, 2013 (24 jan. 2016).

FREIRE, Américo. Ecos da estação Lisboa: o exílio das esquerdas brasileiras em Portugal. Sociologia, problemas e práticas, n. 64, p. 37-57, 2010 <10.7458/ SPP2010647783>.

GONÇALVES, Leandro Pereira. Entre Brasil e Portugal: trajetória e pensamento de Plínio Salgado e a influência do conservadorismo português. São Paulo, 2012. Tese de doutorado em História, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

JUBILUT, Liliana Lyra. O direito internacional dos refugiados e sua aplicação no ordenamento jurídico brasileiro. São Paulo: Método, 2007.

KAISER, Karl. Transnational politics: toward a theory of multinational politics. International Organization, v. 25, n. 4, p. 790-817, 1971 <1017/S0020818300017732>.

MARQUES, Teresa Cristina Schneider. Militância política e solidariedades transnacionais: a trajetória política dos exilados brasileiros no Chile e na França (1964-1979). Porto Alegre, 2011. Tese de doutorado em Ciência Política, Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

MARQUES, Teresa Cristina Schneider. Ditadura, exílio e oposição: os exilados brasileiros no Uruguai (1964-1968). Cuiabá, 2006. Dissertação de mestrado em História, Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Mato Grosso.

NORONHA, Ricardo. Lutas sociais e nacionalizações (1974-75): A banca ao serviço do povo. In: Raquel Varela; Ricardo Noronha; Joana Dias Pereira. Greves e conflitos sociais em Portugal. Lisboa: Colibri, 2012. p. 225-236.

PANEBIANCO, A. Modelos de partido: organização e poder nos partidos políticos. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PINTO, António Costa. A vida política. In: António Costa Pinta (org.). A busca da democracia: 1960-2000. Lisboa: Objectiva; Fundación Mapfre, 2015. p. 25-54.

REZOLA, Maria Inácia. 25 de Abril: mitos de uma revolução. Lisboa: Esfera dos Livros, 2011.

RIBEIRO, Pedro Floriano. Realismo e utopia em Michels. Revista Sociologia e Política, v. 20, n. 44, p. 31-46, 2012 <10.5380/rsp.v20i44.34418>.

RONIGER, Luis. Exílio massivo, inclusão e exclusão política no século XX. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 53, n. 1, p. 91-123, 2010 <10.1590/ S0011-52582010000100004>.

SECCO, Lincoln. A Revolução dos Cravos e a crise do império colônia português: economias, espaços e tomadas de consciência. São Paulo: Alameda, 2004.

SENTO-SÉ, João Trajano. Um encontro em Lisboa: o novo trabalhismo do PDT. In: Jorge Ferreira; Daniel Aarão Reis (orgs.). Revolução e democracia (1964-...). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 429-450.

SOARES, Mário. Depoimento. In: Refundação do trabalhismo. 25 maio 2011. (23 fev. 2016).

TILLY, Charles; TARROW, Sidney. Politique(s) du conflit: de la grève à la révolution. Paris: Presses de Sciences Po, 2008. Um comit ê pioneiro. Anistia. São Paulo, abr. 1978. p. 44. BDIC, Archives: F Delta 1119 (1-2). Recueil: Répression et Droits de l’homme au Brésil. Documents divers: 1969-1986.

VAINFAS, Ronaldo. A luz própria de Leonel Brizola: do trabalhismo getulista

ao socialismo moreno. In: Jorge Ferreira; Daniel Aarão Reis (orgs.). Revolução e democracia (1964-...). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 479-502.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2016.3.23504

Direitos autorais 2016 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2019 Edipucrs