Da maternidade como invenção de novas possibilidades de vida: Análise das experiências de jovens “egressas” de serviços de acolhimento institucional

Fernanda Cruz

Resumo


No presente artigo procuro analisar como as experiências de maternidade e as práticas de cuidado com os filhos constituem um dos modos pelos quais jovens “egressas” de serviços de acolhimento institucional (abrigos, casas-lares) inventam/criam novas possibilidades de vida, a partir de condições que a princípio reforçariam sua vulnerabilidade e falta de potência. A análise tem como base o material etnográfico obtido através da pesquisa de doutorado sobre desinstitucionalização realizada junto a jovens de Santa Catarina (Palhoça e Florianópolis) e Rio Grande do Sul (Porto Alegre), entre 2010 e 2013. Na abordagem adotada, busco analisar como as configurações de maternidade e as práticas de cuidado com os filhos experienciadas pelas jovens se tornam objeto da sua invenção, tendo em vista toda uma série de mudanças nos padrões de maternidade contemporâneos.


Palavras-chave


Maternidade. Invenção. Jovens. Serviços de Acolhimento Institucional. Cuidado.

Texto completo:

PDF

Referências


CRUZ, Fernanda. Jovens em devir: invenção de novas possibilidades de vida para além da institucionalização. Florianópolis, 2014. Tese de doutorado em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina.

DE SÁ, Érica Cristina. De volta ao fogão: a (re)valorização da maternidade intensiva e do trabalho doméstico feminino. Florianópolis, SC, 2010. Trabalho apresentado no Seminário Internacional Fazendo Gênero 9. Disponível em: .

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Devir-Intenso, Devir-Animal, Devir Imperceptível. In: Gilles Deleuze; Félix Guattari. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 4. São Paulo: Ed. 34, 1997. p.11-113.

FONSECA, Claudia. A vingança de Capitu: DNA, escolha e destino na família brasileira contemporânea. In: Cristina Bruschini; Sandra Unbehaum (Orgs.). Gênero, democracia e sociedade brasileira. São Paulo: Editora 34, 2002. p. 267-294.

MEYER, Dagmar E. Estermann. A politização contemporânea da maternidade: construindo um argumento. Gênero, v. 6, n. 1, p. 81-104, 2005 .

ONED. L’accompagnement vers l’autonomie des jeunes sortant du dispositif de protection de l’enfance. Paris: Oned, 2014 .

SCAVONE, Lucila. A maternidade e o feminismo: diálogo com as ciências sociais. Cadernos Pagu, n. 16, p. 137-150, 2001a.

SCAVONE, Lucila. Maternidade: transformações na família e nas relações de gênero. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v. 5, n. 8, p. 47-69, 2001b .

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2015.2.18103

Direitos autorais 2016 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2020 Edipucrs