Modelos de assistência obstétrica concorrentes e ativismo pela humanização do parto

Sara Sousa Mendonça

Resumo


Este artigo se dedica à análise do embate contemporâneo em torno da questão do parto: entre partidários do modelo “tecnocrático” e do “humanístico/humanizado” de assistência. Primeiramente ele se traduz em um embate entre defensores do parto normal e da cesárea, desacortinando o conflito entre estes dois modelos de assistência. Pretendo examinar os discursos médicos acerca de possíveis práticas obstétricas, com o objetivo de analisar como cada grupo (os que buscam legitimar o parto normal e os que defendem a cesárea) constrói e autoriza o seu discurso. Enfocarei o caminho percorrido pelos médicos formados em escolas de medicina com viés tecnocrático para a adoção do modelo humanizado. Analisarei também como as ativistas e demais mulheres se relacionam, respondem e se posicionam com relação a estes discursos médicos, considerando o papel desempenhado por elas como reprodutoras, legitimadoras e construtoras destes discursos.


Palavras-chave


Parto; modelos médicos; ativismo; humanização.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, Melania. Prefácio. In: Ricardo Jones. Entre as orelhas: histórias de parto. Porto Alegre: Ideias a Granel, 2012. p. 19-23.

BRENES, Anayansi Correa. História da parturição no Brasil, século XIX. Cadernos de Saúde Pública, v. 7, n. 2, p. 135-149, 1999.

BONET, Octavio. Saber e sentir: uma etnografia da aprendizagem da biomedicina. Physis: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 123-150, 1999.

BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 1990.

CARNEIRO, Rosamaria Giatti. Cenas de parto e políticas do corpo: uma etnografia de experiências femininas de parto humanizado. Tese de doutorado, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social. IFCH – Universidade Estadual de Campinas, 2011.

CHAZAN, Lilian Krakowski. “Meio quilo de gente”: um estudo antropológico sobre ultra-som obstétrico. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2007.

COROSSACZ, Valeria Ribeiro. O corpo da Nação. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

DAVIS-FLOYD, Robbie. Birth as an American rite of passage. Berkeley: University California Press, 2003.

DAVIS-FLOYD, Robbie. Prefácio. In: Ricardo Jones. Memórias do homem

de vidro: reminiscências de um obstetra humanista. Porto Alegre: Ideias a Granel, 2012. p. 21-30.

DEL PRIORE, Mary. Ao sul do corpo: condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil colônia. Rio de Janeiro: José Olympo, 1993.

DICIONÁRIO digital de termos médicos (18 fev. 2013).

DINIZ, Carmen Simone Grilo. Entre a técnica e os direitos humanos: possibilidades e limites da humanização da assistência ao parto. Tese de doutorado, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Departamento de Medicina Preventiva, São Paulo, 2001.

DINIZ, Carmen Simone Grilo. Humanização da assistência ao parto no Brasil: os muitos sentidos de um movimento. Ciência & Saúde Coletiva, v. 10, n. 3, p. 627-637, 2005.

ESCAMILLA, Bianca Vargas. Violencia obstétrica como resultado del proceso de medicalización y deshumanización de la formación y la práctica médica. Actas del Tercer Congreso Latinoamericano de Antropología ALA 2012. Santiago de Chile, 5 al 10 de noviembre.

EU FIZ O PARTO do meu filho, não o médico. Revista Época, 24 jan. 2011 .

E-FAMILYNET. (18 fev. 2013).

FLEISCHER, Soraya. Parteiras, Buchudas e Aperreios. Uma etnografia do cuidado obstétrico não oficial na cidade de Melgaço, Pará. Santa Cruz do Sul, Edunisc, 2011.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HOTIMSKY. Sonia Nussenzweig; ALVARENGA, Augusta Thereza de. A definição do acompanhante no parto: uma questão ideológica? Revista de Estudos Feministas, v. 10, n. 2, p. 461-481, 2002.

HIRSCH, Olivia Nogueira. O parto “natural” e “humanizado”: um estudo comparativo entre mulheres de camadas populares e médias no Rio de Janeiro. Tese de doutorado, Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da PUC-Rio, 2014.

JONES. Ricardo. Entre as orelhas. Porto Alegre: Ideias a Granel, 2012.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve. Vida de laboratório: a produção dos

fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O feiticeiro e sua magia. In: Claude Lévi-Strauss. Antropologia estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2008. p. 181-

LOPES, A. A. Medicina baseada em evidências: a arte de aplicar o conhecimento científico na prática clínica. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 46, n. 3,

p. 285-288, 2000.

MAIA, Mônica Bara. Humanização do parto: política pública, comportamento organizacional e ethos profissional. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2010.

MANIFESTAÇÃO na av. Paulista pede acesso de doulas a salas de parto. Folha de São Paulo, 3 fev. 2013 .

MARCIA Peltier. (18 fev. 2013).

MARTIN, Emily. The egg and the sperm: how science has constructed a romance based on stereotipycal male-female roles. In: L. Lamphere; H. Ragone; P. Zavella (Orgs.). Situated lives. Nem York: Routledge, 1997. p. 85-98.

MENDONÇA, Sara Sousa. Mudando a forma de nascer: agência e construções de verdades entre ativistas pela humanização do parto. 2013. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em Antropologia, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

MENEZES, Rachel. Em busca da boa morte: antropologia dos cuidados paliativos. Rio de Janeiro: Garamond: Fiocruz, 2004.

NA HORA de fazer não gritou. Agência de reportagem e jornalismo

investigativo, 25 mar. 2013 (11 jan. 2014).

ORELHAS de vidro (18 fev. 2013).

PAIM, Heloisa Helena Salvatti. Marcas no corpo: gravidez e maternidade em grupos populares. In: L. F. D. Duarte; O. F. Leal (Orgs.). Doença, sofrimento, perturbação: perspectivas etnográficas. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1998. p. 31-47.

PATAH, Luciano Eduardo Maluf. Por que 90%? Uma análise das taxas de cesárea em serviços hospitalares privados do município de São Paulo. Tese de doutorado, Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2008.

REZENDE, Claudia Barcellos. Ansiedade e medo na experiência da gravidez. In: VIII Reunião de Antropologia do Mercosul, 2009, Buenos Aires. RAM 2009.

REZENDE, Jorge. Obstetrícia. Rio de Janeiro: Livraria Editora Guanabara Koogan S.A., 1962.

RIBEIRO, Fernanda Bittencourt. Maternidades à margem: Gravidez e nascimento numa instituição de proteção à infância. História. Questões e Debates, v. 47, n. 0, p. 139-155, 2008 .

ROJO, Luiz Fernando. Os diversos tons do branco: relações de amizade entre estudantes de medicina. Rio de Janeiro: Litteris Ed., 2001.

SALA de Notícias l: O futuro do nascer. Canal Futura, 2013, 14’24’’ (28 mar. 2013).

SALEM, Tania. O casal grávido: disposições e dilemas da parceria igualitária. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2007.

SCAVONE, Lucila. Dar a vida e cuidar da vida: feminismo e Ciências Sociais. São Paulo: Editora Unesp, 2004.

TORNQUIST, Carmen Susana. Parto e poder: o movimento de humanização do parto no Brasil. Tese de doutorado, PPGAS-UFSC, Florianópolis, 2004.

TORNQUIST, Carmen Susana. Armadilhas da nova era: natureza e maternidade no ideário da humanização do parto. Estudos Feministas, v. 10, n. 2, p. 483-492, 2002.

TWENTY years of The Cochrane Collaboration: looking back on the search for evidence, 2013. 11’35’’ (28 mar. 2013).




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2015.2.17899

Direitos autorais 2016 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2020 Edipucrs