A vingança do curso de ação contra a ilusão cientificista

Daniel Bertaux

Resumo


O nascimento e desenvolvimento da sociologia acadêmica foi facilitada enormemente pela crença “cientificista” –compartilhada pela maioria dos seus fundadores, especialmente Comte e Durkheim e revitalizada pelo estruturalismo de Bourdieu–, da possibilidade das ciências da sociedade não serem substancialmente diferentes das “outras ciências”, ou seja, das ciências naturais. Contudo, não há nenhuma ação auto-determinada a ser encontrada na natureza, nenhum curso de ação direcionado para algum objetivo ou para convicções fortes (“valores”); não há nenhum sujeito de ação no mundo da física. Entretanto, a fim de defender uma crença que –embora falsa– fez tanto e ainda faz muito para consolidar o status científico da sociologia, seus principais autores foram e permaneceram relutantes em considerar –como fez Weber– que os cursos de ação individuais ao longo do tempo constituem o elemento central na produção e mudança de sociedades modernas. E cinquenta anos após o nascimento do construtivismo, estes autores ainda encaram com grande suspeita o único método empírico que permite reconstruir cursos individuais de ação (situada), a entrevista narrativa ou “história de vida”. Não que este método faça milagres; mas se tomado seriamente, pode mudar a maneira como sociólogos olham para as sociedades: não como “sistemas” estáticos, mas como conjuntos dinâmicos e sempre em transformação.


Palavras-chave


Cientificismo. Estruturalismo. Curso de ação. Trabalho autônomo. História de vida.

Texto completo:

PDF

Referências


BELLAH, Robert et al. Habits of the heart: individualism and commitment in American life. Berkeley: University of California Press, 1985.

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 4ª ed. Petrópolis: Vozes, 1978 (orig.: The social construction of reality: a treatise in the sociology of knowledge, Anchor Books, 1966).

BERTAUX, Daniel. Le récit de vie. Paris: Nathan, 2009.

BERTAUX, Daniel. Destins personnels et structure de classe. Paris: P. U. F., 1977 (tradução para o português de José Saramago, Destinos pessoais e estrutura de classe, Edições Morais, 1978).

BERTAUX, Daniel. Reasons of the heart: comparing collective subjectivity and moral choices in the sixties student movement. In: Else Oyen (Org.). Comparative methodology, theory and practice in international social research. London: Sage, 1990.

BERTAUX, Daniel; BERTAUX-WIAME, Isabelle. Artisanal bakery in France: how it lives and why it survives. In: F. Bechhofer; B. Elliott (Orgs.). The petite bourgeoisie: comparative studies of the uneasy stratum. London: MacMillan, 1981.

BERTAUX, Daniel; BERTAUX-WIAME, Isabelle. Mistérios da baguete: padarias artesanais na França – como vivem e por que sobrevivem. Novos Estudos do Cebrap, v. 19, p. 116-142, 1987.

BOURDIEU, Pierre. A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 2003.

BOURDIEU, Pierre. Question de sociologie. Paris: Minuit, 1980.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. Sociology and philosophy in France since 1945: death and resurrection of a philosophy without subject. Social Research, v. 34, n. 1, p. 162-212, 1967.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude; CHAMBOREDON, J. C. Le métier de sociologue. Paris: Mouton de Gruyter, 1968.

CONTINI, Giovanni. The local worldview: social change and memory in three Tuscan communes. In: D. Bertaux; P. Thompson (Orgs.). Pathways to social class. Oxford: Clarendon Press, 1997.

DELCROIX, Catherine. Ressources subjetives et construction d’un capital d’experiénce biographique: l’exemple des médiatrices socioculturelles. In: C. Dardy; C. Frétigné (Orgs.). L’experience professsionelle et personelles en question. Paris: L’Harmattan, “Mondes Sociaux”, 2004.

ERIKSON, Erik. Childhood and society. New York: Norton, 1950.

FRASER, Ronald et al. 1968: a student generation in revolt. London: Chatto and Windus, 1988.

LEPENIES, Wolf. As três culturas. São Paulo: Edusp, 1996.

PASSERON, Jean-Claude. Le raisonnement sociologique. Paris: Nathan, 1991.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011. 3 v.

SUCHMAN, Lucy. Plans and situated action. New York: Cambridge University Press, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2014.2.17147

Direitos autorais 2016 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2020 Edipucrs