Em nome de quem? A controvérsia sobre cura em Mateus 12,22-32

Marcelo da Silva Carneiro

Resumo


O presente artigo é uma análise exegética de Mateus 12,22-32, que trata da controvérsia do poder de Jesus para curar, em que ele teria feito curas pelo poder de Belzebu, e não de Deus. O objetivo deste trabalho é analisar a controvérsia entre a comunidade de Mateus e seus acusadores sobre a autoridade de Jesus e da igreja para curar e expulsar demônios das pessoas. Além disso, iremos investigar o sentido que estas possessões tinham para a comunidade e como podem ser interpretadas hoje. Para isso faremos uso de diversas ferramentas exegéticas, algumas do método histórico-crítico, porém sob uma abordagem sócio-política. Ao fim do artigo veremos que esse texto tinha um importante papel para manter as comunidades firmes na crença de que Jesus é o Cristo de Deus, cujas curas e exorcismos tinham papel terapêutico que ainda pode ser reconhecido hoje, mediante o contexto sócio-político de opressão sob o qual os pobres viviam no império romano.


Palavras-chave


Evangelho de Mateus; Jesus Terapeuta; Belzebu; Possessão Demoníaca; Espírito Santo.

Texto completo:

PDF

Referências


BULTMANN, Rudolf. Teologia do Novo Testamento. São Paulo: Teológica, 2004.

BYRSKOG, Samuel. A New Quest for the Sitz im Leben: social memory, the Jesus tradition and the gospel of Matthew. New Testament Studies, Cambridge, v. 52, n. 3, p. 319-336, July 2006.

https://doi.org/10.1017/S0028688506000178

CARNEIRO, Marcelo. Os Evangelhos Sinóticos: origens, memória e identidade. São Paulo: Fonte Editorial, 2016.

CARNEIRO, Marcelo. Jesus e os fariseus: apontamentos sobre conflitos no cristianismo primitivo a partir do Evangelho de Mateus. Tolerância e intolerância religiosa. Estudo Bíblicos, Petrópolis, v. 28, n. 109, p. 53-60, jan./mar. 2011.

CARTER, Warren. O Evangelho de São Mateus: comentário sociopolítico e religioso a partir das margens. São Paulo: Paulus, 2003.

CROSSAN, John Dominic; REED, Jonathan L. Em busca de Jesus: debaixo das pedras, atrás dos textos. São Paulo: Paulinas, 2007.

GARCIA, Paulo Roberto. Sábado: a mensagem de Mateus e a contribuição judaica. São Paulo: Fonte Editorial, 2010.

JEREMIAS, J. Teologia do Novo Testamento. Ed. rev. São Paulo: Hagnos, 2003.

KOESTER, Helmut. Introdução ao Novo Testamento: 1. História, cultura e religião do período helenístico. São Paulo: Paulus, 2005.

LOHFINK, Gerhard. Jesus de Nazaré. O que Ele queria? Quem Ele era? Petrópolis: Vozes, 2015.

MATEOS, Juan; CAMACHO, Fernando. O Evangelho de Mateus. São Paulo: Paulinas, 1993.

MAZZAROLO, Isidoro. Evangelho de São Mateus. Rio de Janeiro: Mazzarolo, 2005.

NESTLE-ALAND. Novum Testamentum Graece. 28. ed. rev. Münster: Deutsche Bibel Gesselsachft, 2012. Edição com introdução em português pela Sociedade Bíblica do Brasil.

NEUSNER, Jacob. Formative Judaism: history, hermeneutics, law, and religion. Binghamton: Global Academic Publishing Books, 2000.

OVERMAN, Andrew. O Evangelho de Mateus e o judaísmo formativo: o mundo social da comunidade de Mateus. São Paulo: Edições Loyola, 1997.

RABUSKE, Irineu J. Jesus exorcista: estudo exegético e hermenêutico de Mc 3,20-30. São Paulo: Paulinas, 2001.

RIENECKER, Fritz. Evangelho de Mateus: comentário esperança. Curitiba: Esperança, 1998.

RUSCONI, Carlo. Dicionário do Grego do Novo Testamento. São Paulo: Paulus, 2003.

SALDARINI, Anthony. A comunidade judaico-cristã de Mateus. São Paulo: Paulinas, 2000.

TERRA, Kenner. Os anjos que caíram do céu: o livro de enoque e o demoníaco no mundo judaico-cristão. São Paulo: Fonte Editorial, 2012.

THEISSEN, Gerd; MERZ, Annette. O Jesus histórico: um manual. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

VERMES, Geza. O autêntico Evangelho de Jesus. Rio de Janeiro: Record. 2006.

WEGNER, Uwe. Exegese do Novo Testamento: manual de metodologia. 7. ed. rev. e ampl. São Leopoldo: Sinodal, 2012.





e-ISSN: 2596-2922

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS