Uma nova agenda para repensar a inspiração

Cássio Murilo Dias da Silva

Resumo


A abordagem “apologética”, que utiliza o conceito de inspiração para provar que a Sagrada Escritura provém de Deus, há muito provou ser inadequada e insuficiente. Este artigo visa demonstrar a necessidade de assumir um novo paradigma para pensar a inspiração, a saber: superar o discurso acerca da causalidade da Escritura – “Deus como causa principal” – e assumir a perspectiva da “adequação” do texto: Como as diferentes estratégias literárias e linguísticas expressam adequadamente diferenças teológicas de textos paralelos? Como cada autor pretende convencer e persuadir o leitor? Como (e por que) nós nos enxergamos no texto bíblico? Em outras palavras, é necessário que a reflexão acerca da inspiração deixe o “se” e pense o “como” a Escritura é Palavra de Deus, com a ajuda da linguística, da semântica, da semiologia / semiótica e de outras ciências da literatura e da comunicação. A hermenêutica bíblica latino-americana, com seu ponto focal na identidade fundamental das significações e na analogia entre as situações, tem muito a oferecer para a construção deste novo paradigma. Neste artigo, alguns textos do evangelho de Marcos servirão como casos de estudo para demonstrar o que significa ler o texto bíblico com um novo conceito de “inspiração”.


Palavras-chave


Inspiração; Hermenêutica; Exegese bíblica; Evangelho de Marcos.

Texto completo:

PDF

Referências


BENTO XVI. Exortação Apostólica Pós-Sinodal Verbum Domini, sobre a Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja. São Paulo: Paulinas, 2010.

CHALHUB, Samira. Funções da linguagem. São Paulo: Ática, 1987.

CONCÍLIO Ecumênico Vaticano II. Constituição Dogmática Dei Verbum sobre a Revelação Divina. Petrópolis: Vozes, 1979.

DUBOVSKÝ, Peter; SONNET, Jean-Pierre (Org.). Ogni Scrittura è ispirata: Nuove prospettive sull’ispirazione biblica. Roma, Cinisello Balsamo: GBPress, San Paolo, 2013.

FRANCISCO, Patrícia da Silva; FERRAZ, Paulo Roberto Alamada. Resenha de LUBART, Todd. Psicologia da Criatividade. Porto Alegre: Armed, 2007. In: Mental, Barbacena, v. 5, n. 9, p. 157-162, 2007.

JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. 19. ed. São Paulo: Cultrix, 2003.

METZGER, Bruce M. A Textual Commentary on the Greek New Testament. 2. ed. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellshacft, 1994.

PONTIFÍCIA Comissão Bíblica. Inspiração e verdade da Sagrada Escritura. São Paulo: Paulinas, 2014.

RAHNER, Karl. Sobre a inspiração bíblica. São Paulo: Herder, 1967.

SILVA, Cássio Murilo Dias da. A Bíblia não serve só para rezar. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2015.

______. Aprenda a enxergar com o cego Bartimeu, ou... Por que é necessário um método para ler a Bíblia? Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 98, p. 33-45, 2008.








e-ISSN: xxxx-xxxx

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

Copyright: © 2006-2018 EDIPUCRS