Naturalismo na filosofia da mente

  • John H. McDowell Universidade de Pittsburgh
Palavras-chave: Espaço das razões. Naturalismo restritivo. Naturalismo liberal. Wilfrid Sellars. Ruth Garrett Millikan.

Resumo

O contraste entre o espaço das razões e o reino da lei ao qual Sellars implicitamente apela não estava disponível antes dos tempos modernos. Os filósofos modernos não sentiram uma tensão entre a ideia de que o conhecimento tem um status normativo e a ideia de um exercício de poderes naturais. Porém, a ascensão da ciência moderna tornou disponível uma concepção de natureza que faz a advertência de uma falácia naturalista na epistemologia inteligível. Por isso o contraste que Sellars traça pode estabelecer uma agenda para a filosofia hoje. Eu quero distinguir duas maneiras de empreender tal projeto. A ideia é a de que a organização do espaço das razões não é, como Sellars sugere, estranha ao tipo de estrutura que a ciência natural descobre no mundo. Pensar e conhecer são parte de nossa maneira de ser animais. Para mostrar isso, vou distinguir entre dois tipos de naturalismo: um naturalismo restritivo e um naturalismo liberal. Quero sugerir que o argumento de Millikan em favor de um naturalismo restritivo ao criticar a semântica fregiana está contaminado pela adesão a um cartesianismo residual. Esse é o resultado de uma troca familiar; o preço de descartar o imaterialismo cartesiano, enquanto se permanece no interior do naturalismo restritivo, é o de que a parte que se escolheu da natureza não é mais especial o suficiente para ser creditada com poderes de pensamento. Vou argumentar que o lugar próprio à ideia de “apreender sentidos” está em descrever padrões em nossas vidas – nossas vidas mentais, nesse caso – que são inteligíveis somente em termos das relações que estruturam o espaço das razões. Essa padronização envolve racionalidade genuína, não apenas “racionalidade mecânica” (assim chamada). O naturalismo liberal não precisa nada mais, para fazer a ideia de “apreender sentidos” não-problemática, do que uma insistência perfeitamente razoável em que tais padrões realmente moldam as nossas vidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

John H. McDowell, Universidade de Pittsburgh
Professor de Filosofia no Departamento de Filosofia da University of Pittsburgh.

Referências

BRANDOM, Robert B. Making it Explicit. Reasoning, Representing and Discursive Commitment. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1994.

DAVIDSON, Donald. “Mental Events”. In: DAVIDSON, D. Essays on Actions and Events. Oxford: Clarendon Press, 1984, p. 207-227.

DENNETT, Daniel. Consciousness Explained. Boston: Little Brown, 1991.

______. The Intentional Stance. Cambridge, Mass.: MIT Press, 1987.

EVANS, Gareth. “Understanding Demonstratives”. In: EVANS, Gareth. Collected Papers. Oxford: Clarendon Press, 1985, p. 291-321.

______. The Varieties of Reference. Oxford: Clarendon Press, 1982.

FREGE, Gottlob. “The Thought: a Logical Inquiry”. Translation Anthony Quinton and Marcelle Quinton. In: STRAWSON, P. F. (ed.). Philosophical Logic. Oxford: Oxford University Press, 1967, p. 17-38.

KANT, Immanuel. Critique of Pure Reason. Translation Norman Kemp Smith. London: Macmillan, 1929.

KRIPKE, Saul A. Wittgenstein on Rules and Private Language. Oxford: Blackwell, 1982.

McDOWELL, John. “One Strand in the Private Language Argument”. In: McDOWELL, John. Mind, Value and Reality. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1998, p. 279-296.

______. “Putnam on Mind and Meaning”. In: McDOWELL, J. Meaning, Knowledge and Reality. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1998, p. 275-291.

McGINN, Colin. “The Structure of Content”. In: WOODFIELD, Andrew (ed.). Thought and Object. Oxford: Clarendon Press, 1982.

MILLIKAN, Ruth Garrett. “Perceptual Content and Fregean Myth”, Mind, 100 (1991), p. 439-459.

______. “White Queen Psychology”. In: MILLIKAN, R. G. White Queen Psychology and Other Essays for Alice. Cambridge, Mass.: MIT Press, 1993, p. 279-363.

PERRY, John. “Frege on Demonstratives”, Philosophical Review, 86 (1977), p. 474-497.

RORTY, Richard. Philosophy and the Mirror of Nature. Princeton: Princeton University Press, 1979.

RYLE, Gilbert. The Concept of Mind. London: Hutchinson, 1949.

SELLARS, Wilfrid. Empiricism and the Philosophy of Mind. Introduction by Richard Rorty and Study Guide by Robert Brandom. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1997.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Zettel. Oxford: Blackwell, 1967.

Publicado
2013-12-31
Como Citar
H. McDowell, J. (2013). Naturalismo na filosofia da mente. Veritas (Porto Alegre), 58(3), 545-566. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2013.3.17941
Seção
Epistemologia, Linguagem e Metafísica