[1]
F. de Cristo e H. Günther, “Hábito: Por que Devemos Estudá-lo e o que Podemos Fazer?”, Psico, vol. 46, nº 2, p. 233-242, abr. 2015.