Aspectos psicossociais da gestação de alto risco

Análise de mulheres grávidas hospitalizadas

Palavras-chave: gravidez de alto risco, saúde mental, hospitalização

Resumo

A gestação de alto risco é caracterizada por ser um momento em que a vida ou a saúde da mãe e/ou do feto e/ou do recém-nascido está submetida a maiores chances de morte que a média da população considerada. O estudo objetivou apresentar dados sobre o perfil de gestantes de alto risco e identificar os aspectos psicossociais ligados à gravidez. A amostra foi composta por 74 mulheres grávidas em um hospital no município de Juiz de Fora, MG. Elas responderam ao PHQ-2, a EPSS, ao IDATE, ao ASSIST e a um questionário sociodemográfico e clínico. Foi possível observar a prevalência de sintomas de depressão, ansiedade, baixo suporte social e uso de substâncias na população avaliada. As análises confirmaram correlações entre características sociodemográficas, clínicas e aspetos psicossociais. Os resultados demonstram a relevância de se conhecer o perfil dessas mulheres para a melhora na elaboração de estratégias de suporte direcionadas ao enfrentamento de possíveis fatores que possam interferir no bom andamento da gestação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laís Lage de Carvalho, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil.

Mestra em Psicologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil; doutoranda pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil; professora universitária no Centro Universo Juiz de Fora (UNIVERSO), em Juiz de Fora, MG, Brasil.

Neimar da Silva Fernandes, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil.

Graduado em Ciências Exatas pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil; pesquisador do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação – CAEd, em Juiz de Fora, MG, Brasil.

Natália Maria da Silva Fernandes, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil.

Doutora em Saúde Brasileira pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil; residência em Clínica Médica e Nefrologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), em São Paulo, SP, Brasil; mestra em Nefrologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), em São Paulo, SP, Brasil; professora adjunta IV da Faculdade de Medicina do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil.

Fabiane Rossi dos Santos Grincenkov, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil.

Doutora em Saúde pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil; mestra em Saúde pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil; professora adjunta do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil.

Referências

Airosa, S., & Silva, I. (2013). Associação entre vinculação, ansiedade, depressão, stresse e suporte social na maternidade. Psicologia: Saúde e Doenças, 14(1), 64-77.

Araújo, D. M. R., Pereira, N. L., & Kac, G. (2007). Ansiedade na gestação, prematuridade e baixo peso ao nascer: uma revisão sistemática da literatura. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 23(4):747-756.

Becker, M, Weinberger T., Chandy, A, & Schmukler, S. (2016). Depression During Pregnancy and Postpartum. Curr Psychiatry Rep., 18, 32. https://doi.org/10.1007/s11920-016-0664-7

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. (2010) Gestação de alto risco: manual técnico. Editora do Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. (2012). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Editora do Ministério da Saúde.

Caldas, D. B., da Silva, A. L. R., Böing, E., Crepaldi, M. A., & Custódio, Z. A. O. (2013). Atendimento psicológico no pré-natal de alto risco: a construção de um serviço. Psicologia Hospitalar, 11(1), 66-87.

Costa, I. G. (2002). As Percepções da Gravidez de Risco para a Gestante e as Implicações Familiares. Revista gaúcha de Enfermagem, 23(1), 30-46. https://www.researchgate.net/publication/277105677_As_percepcoes_da_gravidez_de_risco_para_a_gestante_e_as_implicacoes_familiares

De Lima, O. F., Vilela Mendes, A., Crippa, J. A. et al. (2009). Study of the discriminative validaty of the PHQ-9 and PHQ-2 in a sample of brazilian women in the context of primary health care. Perspect Psychiatr Care. 45(3), 216-27. https://doi.org/10.1111/j.1744-6163.2009.00224.x

Dos Anjos, J. C. S., Pereira, R. R., Ferreira, P. R. C., Mesquita, T, B. P., & Picanço Júnior, O. M. (2014). Perfil epidemiológico das gestantes atendidas em um centro de referência em pré-natal de alto risco. Revista Paraense de Medicina, 28(2), 23-33. http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=721607&indexSearch=ID

Fioravanti, A. C. M., Santos, L. F., Maissonette, S., Cruz, A. P. M. Landeira-Fernandez, J. Avaliação da Estrutura Fatorial da Escala de Ansiedade-Traço do IDATE. (2006). Avaliação Psicológica. 5(2), 17-224. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712006000200011#:~:text=2006&text=-O%20Invent%C3%A1rio%20de%20Ansiedade%20Tra%-C3%A7o,latente%20da%20escala%20IDATE%2DT

Gomes, R. Cavalcanti, L. F., Marinho A. S. N., & da Silva, L. G. P. (2001). Os sentidos do risco na gravidez segundo a obstetrícia: um estudo bibliográfico. Revista Latinoamericana de Enfermagem, 9(4), 62-67 https://doi.org/10.1590/S0104-11692001000400011

Hajikhani, N. A., Ozgoli, G., Pourebrahim, T., Mehrabi, Y., Khoori, E. (2018). Characterizing Mental Health Status of Couples in High-Risk Pregnancy and its Relevant Characteristics. International Journal of Women’s Health and Reproduction Sciences, 6(4), 465-470. https://doi.org/10.15296/ijwhr.2018.77

Henrique, I. F. S., Demicheli, D., Lacerda, R. B., Lacerda, L. A., & Formigoni, M. L. O. S. (2004) Validação da versão brasileira do teste de triagem do envolvimento com

álcool, cigarro e outras substâncias (ASSIST). Revista da Associação Médica Brasileira, 50(2), 199-206. https://doi.org/10.1590/S0104-42302004000200039.

Holditch-Davis, D., & Miles, M. S. (2018). Understanding and Treating the Psychosocial Consequences of Pregnancy Complications and the Birth of a High-Risk Infant. The Oxford Handbook of Perinatal Psychology. https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199778072.013.012

Howard, L. M., & Khalifeh, H. (2020). Perinatal mental health: a review of progress and challenges. World Psychiatry, 19(3). https://doi.org/10.1002/wps.20769

Massey, S. H., Lieberman, D. Z., Reiss, D., Leve, L. D., Shaw, D. S., & Neiderhiser, J. M. (2011). Association of Clinical Characteristics and Cessation of Tobacco, Alcohol and Illicit Drug Use during Pregnancy. Am J Addict., 20(2): 143-150. https://doi.org/10.1111/j.1521-0391.2010.00110.x

McCoyd, J. L. M., Curran, L., & Munch, S. (2020). They Say, “If You Don’t Relax…You’re Going to Make Something Bad Happen”: Women’s Emotion Management

During Medically High-Risk Pregnancy. Psychology of Women Quarterly, 44(1), 117-129. https://doi.org/10.1177/0361684319883199

Michilin, N. S., Jensen, R., Jamas, M. T., Pavelqueires, S., & Parada, C. M. G. L. (2016). Analysis of obstetric care provided by the Mobile Emergency Care Service. Rev Bras Enferm [Internet], 69(4):625-30. DOI: 10.1590/0034-7167.2016690408i.

Mirzakhani, K., Ebadi, A., Faridhosseini, F., & Khadivzadeh, T. (2020). Well-being in high-risk pregnancy: an integrative review. BMC Pregnancy Childbirth 20, 526. https://doi.org/10.1186/s12884-020-03190-6

Molina, K. M., & Kiely, M. (2011). Understanding Depressive Symptoms among High-Risk, Pregnant, African-American Women, Women’s Health Issues, 21(4), 293-303. https://doi.org/10.1016/j.whi.2011.01.008.

Muckle, G., Laflamme, D., Gagnon, J., Boucher, O., Jacobson, J. L., & Jacobson, S. W. (2011). Alcohol, Smoking and Drug Use among Inuit Women of Childbearing Age

during Pregnancy and the Risk to Children. Alcohol Clin Exp Res., 35(6): 1081-1091. https://doi.org/10.1111/j.1530-0277.2011.01441.x.

Oliveira, J. C. S., & Sisto, F. F. (2004). Construção de uma escala de ansiedade para pacientes de ambulatório: um estudo exploratório. Psicol Teor Prát, 6, 45-57.

Pereira, P. K., & Lovisi, G. M. (2008). Prevalência da depressão gestacional e fatores associados. Revista de Psiquiatria Clínica, 35(4): 144-53 https://doi.org/10.1590/S0101-60832008000400004.

R Development Core Team (2015). R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing. http://www.R-project.org

Rallis, S., Skouteris, H., MacCabe, M., & Milgrom, J. (2014). A prospective examination of depression, anxiety and stress throughout pregnancy. Women and Birth, 27, e36-e42. https://doi.org/10.1016/j.wombi.2014.08.002.

Rugolo, L. M. S., Bottino, J., Scudeler, S. R. M., Bentlin, M. R., Trindade, C. E. P., Perosa, G. B., & Junior, A. R. (2004). Sentimentos e percepções de puérperas com relação à assistência prestada pelo serviço materno-infantil de um hospital universitário. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., 4 (4), 423-433. https://doi.org/10.1590/S1519-38292004000400012

Silveira, P., Tavares, C., & Marcondes, F. (2016). Suporte emocional às gestantes que convivem com doenças crônicas. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, Especial(4), 93-68. https://doi.org/10.19131/rpesm.0143

Siqueira, M. M. M. (2008). Construção e Validação da Escala de Percepção de Suporte Social. Psicologia em Estudo. 13(2), 381-388. https://doi.org/10.1590/S1413-73722008000200021

Spitzer, R. L., Kroenke, K., & Williams, J. B. (1999). Validation and utility of a self-report version of PRIME-MD: the PHQ primary care study. Primary Care Evaluation of Mental Disorders. Patient Health Questionnaire. JAMA, 282(18), 1737-1744. https://doi.org/10.1001/jama.282.18.1737

Thiengo, D. L., Santos, J. F. C., Mason, V. C., Abelha, L., & Lovisi, G. M. (2011). Associação entre apoio social e depressão durante a gestação: uma revisão sistemática. Cad. Saúde Colet., 19(2), 129-38. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-641428

World Health Organization (2015). Health in 2015: from MDGs, Millennium Development Goals to SDGs, Sustainable Development Goals. Who ASSIST Working Group - Ali, R., Awwad, E., Babor, T., Bradley, F., Butau, T., Farrell, M., Formigoni, M. L. S. O., Isralowitz R., Boerngen- Lacerda, R., Marsden, B. M., McRee, B., Monteiro, M., Pal, H., Rubio-Stipec M., & Vendetti, J. (2002). The Alcohol, Smoking and Substance Involvement Screening Test (ASSIST): development, reliability and feasibility. Addiction, 97, 1183-1194. https://doi.org/10.1046/j.1360-0443.2002.00185.x

Xavier, R. B., Jannotti, C. B., da Silva, K, S., & Martins, A. C. (2013). Risco reprodutivo e renda familiar: análise do perfil de gestantes. Ciência & Saúde Coletiva,18, 1161-1171. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000400029

Yonkers K. A., Wisner, K. L., Stewart, D. E., Oberlander, T. F., Dell, D. L., Stotland, N., Ramin, S., Chaudron, L., & Lockwood, C. (2009). The management of depression

during pregnancy: a report from the American Psychiatric Association and the American College of Obstetricians and Gynecologists. Obstet Gynecol., 114(3), 703-713. https://doi.org/10.1097/AOG.0b013e3181ba0632

Ziegel, E. E., Cranley, M. S. (1986). Enfermagem obstétrica. 8. ed. Rio de Janeiro: Interamericana.

Publicado
2021-12-31
Como Citar
Carvalho, L. L. de, Fernandes, N. da S., Fernandes, N. M. da S., & Grincenkov, F. R. dos S. (2021). Aspectos psicossociais da gestação de alto risco: Análise de mulheres grávidas hospitalizadas. Psico, 52(4), e36341. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2021.4.36341
Seção
Artigos